Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Secretaria de Saúde intensifica ações preventivas para evitar que o município enfrente uma epidemia da doença. População também precisa fazer sua parte
 
O forte calor e as chuvas constantes, típicos do verão, são fatores de risco para o aumento de infestação pelo mosquito Aedes aegypti, transmissor da dengue. Em Ibiporã, a administração municipal, através da Secretaria de Saúde, está em alerta e intensificando as ações preventivas para evitar que o município registre novamente uma epidemia da doença, como no ano passado.
 
O último Levantamento Rápido do Índice de Infestação de Aedes aegypti (LIRAa), divulgado nesta semana, foi de 3,4% (isto quer dizer que de cada 100 residências 3,4 apresentam focos do mosquito). O trabalho foi realizado no período de 6 a 8 de janeiro de 2014. No mesmo período do ano passado o LIRAa foi de 2,97%. O índice preconizado pela Organização Mundial de Saúde (PMS) é até 1,0. “Por conta das chuvas, historicamente nessa época do ano o LIRAa fica um pouco acima do recomendado. O índice é considerado alto, mas a situação está sob controle”, explica o supervisor geral de endemias, Diomar Carvalho.
 
O município registrou este ano (até o dia 16 de janeiro) 23 notificações e 1 caso positivo de dengue (autóctone). No ano passado o município contabilizou 1581 notificações com 487 casos confirmados de janeiro a dezembro, sendo que os meses de março, abril e maio foram os mais problemáticos.
 
De acordo com Carvalho, o LIRAa apontou que 99% dos focos do mosquito se encontram nas residências. Os bairros com maior índice de infestação são os Jardins San Rafael e Las Vegas. “Os números apontam que a população está negligenciando os cuidados com a dengue, acumulando água no quintal, permitindo, desta forma, o surgimento de criadouros do mosquito”, analisa o supervisor.
 
O supervisor de endemias ressalta que de nada adianta o poder público se esforçar para combater o mosquito, se a população não exercer de fato a cidadania, cuidando do seu espaço e do entorno de sua casa. “É fundamental que os moradores mantenham os quintais limpos, removendo água parada, lavando os bebedouros de animais, mantendo as piscinas limpas e tratadas, verificando se as calhas não estão entupidas, colocando todo o lixo para a coleta e não jogando em terrenos baldios”, orienta.
 
Poder público faz a sua parte
 
Para controlar a proliferação do inseto, houve um reforço no número de agentes de endemias para intensificar as ações de campo. Quatorze agentes devem ser contratados temporariamente, totalizando 41 profissionais para fazer a remoção dos criadouros e aplicação de inseticida com a bomba costal onde há casos suspeitos. “Estamos priorizando as visitas do agente casa a casa, estendendo o horário de trabalho e fazendo visitas aos sábados”, acrescentou Carvalho. Cemitério, borracharias, ferros velhos e outros pontos de maior risco também recebem visitas constantes.
 
A secretária de Saúde, Leilaine Furnaleto, acrescenta que o município já solicitou ao estado a utilização do serviço de UBV pesado (fumacê) nos bairros com maior número de focos. A orientação é que durante a aplicação as pessoas deixem portas e janelas abertas, cubram alimentos, gaiolas e potes de alimentação dos animais de estimação. Crianças e pessoas com problemas respiratórios devem evitar contato direto com o inseticida.
 
Além disso, servidores da saúde têm passado por capacitação contínua sobre a dengue, abordando temas como classificação de risco, acolhimento e organização do fluxo de atendimento, tratamento e transmissão da doença. Desde novembro estão sendo realizadas ações educativas nas escolas, empresas, igrejas, entrega de material informativo em pontos de maior circulação de pessoas e arrastões de limpeza.
 
Conforme a secretária de Saúde, há uma preocupação não só no município mas em todo o estado com a incidência de uma epidemia com registros mais graves da doença, visto que o vírus tipo 4, identificado no último período epidemiológico, abre caminho para um grande número de recontaminações. "Não existe diferença na doença conforme o tipo de vírus. Quando uma pessoa é contaminada por um tipo, ela se torna imune a ele. Entretanto, se ela for infectada posteriormente por outro tipo, o risco de complicações como a dengue hemorrágica é maior", explica a secretária.
 
Previna-se contra a dengue
 
Mantenha seu quintal limpo e sem lixo;
Use repelente;
Não deixe o corpo exposto, use roupas que protejam braços e pernas;
Use inseticida dentro de casa durante o dia, principalmente atrás dos móveis e em cantos escuros;
Instale telas nas janelas para evitar que o mosquito entre;
Mantenha as portas fechadas;
Lave a vasilha de água dos animais pelo menos uma vez por semana com água corrente, bucha e sabão;
Jogue no lixo tudo o que acumula água. Ex.: tampas de garrafas, cascas de ovos, latas, copos descartáveis, plástico de cigarro, etc;
Evite plantas que acumulam água, como as bromélias. Sempre coloque areia nos pratos de todos os vasos de plantas;
Tire folhas, galhos e tudo que possa impedir a passagem da água pelas calhas;
Deixe sempre a caixa d"agua fechada
(Fonte: Secretaria Municipal de Saúde)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios