Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com o objetivo de oferecer um espaço maior e mais adequado para o atendimento aos beneficiários do Cadastro Único (CadÚnico) do Governo Federal, a Prefeitura Municipal de Ibiporã, por meio da Secretaria de Assistência Social, inaugura nesta sexta-feira (14) uma sede exclusivamente para a prestação desse serviço.

A Prefeitura alugou uma casa na Rua 19 de Dezembro, área central, para realizar o atendimento a quem precisa fazer atualização cadastral, desbloqueio do benefício, revisão e averiguação do cadastro. “Entendemos que o Cadastro Único é a porta de entrada de diversos programas sociais e necessitávamos de um espaço maior e adequado para oferecer condições melhores de acolhimento a essas pessoas e também para os funcionários que trabalham no setor”, explica a secretária de Assistência Social, Ireny Sorge.

Até agora, os atendimentos do CadÚnico eram feitos no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS), juntamente com a prestação de outros serviços. “Com a pandemia de Covid-19, houve um aumento expressivo na procura pela inscrição no Cadastro Único e o espaço ficou pequeno para acolher as pessoas. Na nova sede, será possível fazer um atendimento de mais qualidade, individualizado, preservando o sigilo profissional”, ressalta a secretária. Conforme Ireny, há uma demanda reprimida de cerca de 900 famílias que precisam atualizar ou ser inscritas no CadÚnico. Mais quatro profissionais foram integrados à equipe da Assistência Social para atender estas pessoas que estão na fila.

O Cadastro Único é um conjunto de informações que identifica e caracteriza famílias de baixa renda, permitindo que os governos municipais, estaduais e federal conheçam melhor a realidade socioeconômica dessa população. Nele são registrados dados como: características da residência, identificação de cada pessoa, escolaridade, situação de trabalho e renda, entre outras. Também é por meio do Cadastro Único que estas famílias têm acesso aos benefícios de transferência de renda como, por exemplo, o Bolsa Família, Benefício de Prestação continuada (BPC), entre outros.

Para garantir que estes e outros benefícios cheguem a quem precisa, a Prefeitura tem a função de inserir as famílias em situação de vulnerabilidade no CadÚnico. Atualmente, 6.748 famílias estão inseridas no Cadastro Único em Ibiporã. Uma média de 815 atendimentos são realizados mensalmente.

Acolhimento provisório de pessoas em situação de rua

Com o objetivo de ampliar o acolhimento e a proteção social da população em situação de rua durante a pandemia do novo coronavírus, a Prefeitura Municipal de Ibiporã está disponibilizando o ginásio de esportes do Jardim Pérola para abrigar temporariamente essas pessoas. Nas últimas semanas, a Prefeitura adquiriu o mobiliário e itens de higiene pessoal a serem ofertados a esta população. Segundo a Secretaria de Assistência Social, 25 pessoas vivem nas ruas da cidade de maneira fixa e cerca de 15 utilizam o município como passagem.

Os moradores em situação de rua terão acesso a local para dormir, alimentação, banho, cuidados de higiene pessoal, lavanderia, avaliação das condições de saúde, testagem para a Covid-19, atendimento psicossocial e encaminhamento conforme as necessidades de cada pessoa ou família. O trabalho será realizado em parceria com algumas secretarias municipais para o desenvolvimento de atividades que mantenham as pessoas ocupadas durante o dia. A Secretaria de Assistência Social também tem se reunido com entidades que já realizam algum tipo de trabalho com a população de rua para que concentrem as atividades neste abrigo.

A secretária ressalta a importância do trabalhado articulado entre o poder público e sociedade civil para o sucesso da iniciativa. “Com o abrigo o temporário, o governo municipal quer garantir o isolamento social desta população neste período de frio e pandemia da Covid-19, minimizando, desta forma, os riscos de transmissão do vírus. Esta ação articulada coloca à disposição destas pessoas em situação de extrema vulnerabilidade social uma estrutura que possibilitará um acolhimento digno, que ao mesmo tempo atenda as especificações do Ministério da Saúde, permitindo, sobretudo, a preservação da vida”, argumenta Ireny. O trabalho respeitará todas as orientações de proteção, distanciamento e higiene recomendadas pelas autoridades sanitárias.

Atualmente o Centro de Referência Especializado de Assistência Social  (Creas) realiza um trabalho de abordagem à população em situação de rua, o qual consiste em compreender a particularidade de cada história e buscar soluções, como entrar em contato com familiares, encaminhamento para abrigos, orientação da emissão de documentos e acompanhamento psicossocial. O governo municipal planeja, futuramente, implementar o acolhimento institucional à população em situação de rua de Ibiporã.

Caroline Vicentini/NCPMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.