Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Agente de endemias procura focos de dengue em quintal de residência

Secretaria de Saúde de Ibiporã iniciou esta semana o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa). 900 imóveis serão inspecionados em todas as regiões da cidade

A Secretaria de Saúde de Ibiporã iniciou esta semana o primeiro Levantamento de Índice Rápido do Aedes aegypti (LIRAa) de 2015. Até sexta-feira (09) 25 agentes municipais de endemias inspecionarão cerca de 900 imóveis (5% do total) em todas as regiões da cidade.

O LIRAa é uma metodologia que ajuda a mapear os locais com altos índices de infestação do mosquito Aedes aegypti e, consequentemente, alerta sobre os possíveis pontos de epidemia da dengue. “Essas informações possibilitam a intensificação das ações de combate à dengue nos locais com maior presença do mosquito Aedes aegypti, como mutirões, vistorias mais detalhadas, entre outras medidas que podem ser direcionadas para áreas de maior risco com a ajuda do LIRAa”, explica o responsável pelo Setor de Endemias, Luiz Augusto Loredo. A previsão é que o resultado do LIRAa saia até o final da próxima semana.

O último LIRAa realizado no município, em outubro de 2014, apontou um índice de 0,3%, bem abaixo do preconizado pela Organização Mundial de Saúde (OMS), que é até 1,0%. Contudo, a Secretaria de Saúde prevê um índice próximo do registrada no mesmo período do ano passado – 3,4%, visto que o verão, caracterizado pelas altas temperaturas e chuvas constantes são uma combinação perfeita para que o mosquito se reproduza facilmente.

Este ano a Secretaria de Saúde notificou 10 casos de dengue, porém, nenhum foi confirmado. Em 2014 Ibiporã notificou 1424 casos da doença, sendo 457 confirmados (455 autóctones e dois importados).

Febre Chikungunya

Além da dengue, outra preocupação é com a febre chikungunya, doença transmitida pela picada dos mosquitos Aedes aegypti e Aedes albopictus, e com características semelhantes à dengue. Os sintomas da doença são febre alta, dor muscular e nas articulações, cefaleia e exantema (erupção na pele). A poliartrite é o sintoma mais característico da enfermidade: dor forte nas articulações, tão forte que chega a impedir os movimentos e pode perdurar por meses depois que a febre vai embora.

A letalidade da chikungunya, segundo a Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS), é rara, sendo ainda menos frequente que nos casos de dengue. “A maioria da população não possui anticorpos contra o vírus CHIKV, causador da doença, podendo colapsar as unidades de saúde e causar grandes prejuízos econômicos", alerta a secretária de Saúde, Leilaine Furlaneto. De acordo com a secretária, todas as equipes de saúde que atuam nas unidades básicas estão sendo orientadas, por meio dos protocolos clínicos, para que possam reconhecer os sintomas, tanto de dengue como da febre chikungunya.

Combate à dengue

O município está em alerta, realizando ações contínuas de prevenção e combate à doença, como mutirões de limpeza visando à remoção de possíveis criadouros, bloqueio de transmissão viral em residências com notificações, aplicação de inseticida, ações educativas em empresas, igrejas e escolas e capacitação de servidores. “Além disso, mais 14 agentes sanitários estão sendo contratados para reforçar as ações de campo, totalizando 41 profissionais para fazer a remoção dos criadouros e aplicação de inseticida, implantação do teste rápido no município, colocação de 200 armadilhas, conhecidas como ovitrampas, em vários bairros, para evitar a proliferação de novos vetores da doença e planejamento de ações conjuntas com cidades da Região Metropolitana, como Cambé e Londrina", pontua Leilaine. 

Apoio da população

O que tem assustado os agentes é a grande quantidade de lixo recolhida na frente das casas, fundos de vale, terrenos baldios e às margens das rodovias. "Não se trata do lixo do dia a dia, mas sofás, móveis, eletrodomésticos usados, plástico, que além de se tornarem propícios para a reprodução do Aedes, degradam o ecossistema", afirma Loredo.

De nada adianta o poder público se esforçar para combater o mosquito, se a população não exercer de fato a cidadania, cuidando do seu espaço e do entorno de sua casa. "Infelizmente, apenas as ações realizadas pelos agentes de endemias não são suficientes para combater a dengue. A população precisa colaborar limpando o seu quintal, fiscalizando o acúmulo de água em brinquedos, garrafas, pneus, sacos de lixo, vasos de planta, bebedouros dos animais", orienta a secretária de Saúde.

Previna-se contra a dengue e a febre chikungunya

Mantenha seu quintal limpo e sem lixo; 

Use repelente; 

Não deixe o corpo exposto, use roupas que protejam braços e pernas; 

Use inseticida dentro de casa durante o dia, principalmente atrás dos móveis e em cantos escuros; 

Instale telas nas janelas para evitar que o mosquito entre;

Mantenha as portas fechadas;

Lave a vasilha de água dos animais pelo menos uma vez por semana com água corrente, bucha e sabão;

Jogue no lixo tudo o que acumula água. Ex.: tampas de garrafas, cascas de ovos, latas, copos descartáveis, plástico de cigarro, etc;

Evite plantas que acumulam água, como as bromélias. Sempre coloque areia nos pratos de todos os vasos de plantas;

Tire folhas, galhos e tudo que possa impedir a passagem da água pelas calhas;

Deixe sempre a caixa d'agua fechada;

Vistorie reservatórios de climatizadores e bandejas externas de geladeiras

(Fonte: Secretaria Municipal de Saúde)

Caroline Vicentini – Ncom - PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios