Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em entrevista, prefeito de Ibiporã avalia primeiros dias da nova gestão e anuncia projetos futuros

Após 34 dias à frente da Prefeitura Municipal de Ibiporã, João Coloniezi comenta que os primeiros passos da nova administração foram fazer um levantamento da situação de cada secretaria e priorizar a continuidade das obras já em andamento. Confira a entrevista.

Qual é a avaliação que o senhor faz do primeiro mês à frente da Prefeitura Municipal de Ibiporã?

João Coloniezi – A avaliação é positiva. Neste primeiro mês eu e minha equipe levantamos a situação de cada secretaria, os recursos existentes, prioridades e ações a serem tomadas. Fizemos recentemente uma avaliação com todo o secretariado e eles estão muito animados, envolvidos com a administração municipal.

O Brasil e, consequentemente, os municípios enfrentam uma das maiores crises financeiras da história. O que está sendo feito para diminuir os gastos e preservar o equilíbrio fiscal?

João Coloniezi – De fato, a situação financeira da maioria dos municípios é crítica. Alguns até já decretaram calamidade financeira. Porém, não é o caso de Ibiporã. Nem por isso a crise não nos afeta. Recebi a prefeitura sem dívidas, mas sem nenhuma reserva em caixa. Mas eu já disse que prefeito que assumiu agora se queixando da crise não deveria ter se candidatado, pois já era um cenário previsto. Temos que encontrar mecanismos para enfrentá-la, e um dos meios é a contenção de despesas, principalmente no que se refere à contratação de pessoal. Ibiporã está com cerca de 52% de seu orçamento comprometido com gastos com pessoal. O limite máximo estabelecido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) é de 54%. Estamos em uma situação de alerta, inclusive já recebi recomendações do Tribunal de Contas (TC) em relação a isso (de acordo com a LRF, ao exceder o Limite Prudencial, a Prefeitura sofre diversos impedimentos por conta dos excessos). Estamos sendo cuidadosos com a gestão de pessoal; nomeei poucos cargos comissionados, priorizando servidores efetivos para as funções de confiança. Também já discuti com os secretários alternativas para distribuir e organizar os gastos das pastas. Outra medida de economia é o reforço no controle de despesas fixas, tais como energia, telefonia, água, combustíveis e material de consumo. Temos que trabalhar para aumentar a receita municipal, controlar os gastos e manter o equilíbrio das contas.

Como está o andamento das obras iniciadas na gestão passada?

João Coloniezi - Não paramos nenhuma obra da gestão anterior. A Secretaria de Obras criou um plano de ação para dar celeridade aos trabalhos. A execução das pontes está sendo priorizada, principalmente a ponte sobre o córrego Irara, localizada na divisa entre o San Rafael e o Terra Bonito. Lá ocorre um processo de erosão que pode isolar o bairro. As obras de duplicação da Ibrahim Prudente também estão sendo executadas. Está sendo realizada a sinalização horizontal, colocação do piso em paver nas calçadas, contenção de algumas tubulações. O que tem atrapalhado o cronograma das obras é o excesso de chuvas. Peço paciência à população, porque com este tempo não dá para fazer recuperação asfáltica, manutenção das estradas rurais, por exemplo. Contudo, nas primeiras semanas, realizamos operações emergenciais de tapa-buracos para os locais mais críticos, tais como ruas dos Jardins San Rafel, Terra, Bonita, Vila Romana, Casagrande. Também foram readequados mais de 50 quilômetros de estradas rurais.

Quais ações serão priorizadas nas próximas semanas?

João Coloniezi – Conforme levantamento realizado em todas as secretarias, algumas ações demandam urgência. Por exemplo, precisamos de veículos para garantir a locomoção e segurança do trabalhador. Uma possibilidade é a transferência das kombis da Secretaria de Educação, que agora serão substituídas por vans, para fazer este tipo de transporte.

Que recado o senhor deixa à população?

João Coloniezi – Pedimos um pouco de paciência à população, pois estamos trabalhando. Nossa equipe é qualificada e está comprometida em colaborar com os trabalhos e em prestar um bom atendimento à população. Sei que a malha asfáltica dos bairros necessita de recuperação, mas com estas chuvas o serviço não pode ser executado. Também precisamos organizar o serviço, fazer as licitações, e isso demanda um certo tempo.

COM/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios