Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio do setor de Endemias, divulgou o resultado do quarto Levantamento Rápido do Índice de Infestação por Aedes aegypti (LIRAa), mosquito transmissor da dengue, zika, chikungunya e febre amarela. Realizado no período no período de 3 a 7 de agosto, o LIRAa apontou um índice de infestação de 0,7%, ou seja, de cada 100 imóveis visitados, menos um apresentava criadouros do vetor. Os agentes de endemias visitaram 913 imóveis – cerca de 5% do total – em todas as regiões da cidade.

O número é inferior ao preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) - de até 1%. É o menor índice já registrado este ano – em janeiro ficou em 1,7%. Por conta da pandemia do novo coronavírus, o segundo LIRAa foi cancelado pelo Ministério da Saúde. Em junho, ficou em 0,9%. “Tradicionalmente o índice de infestação do mosquito cai nesta época do ano, devido à menor quantidade de chuvas e ao frio. Além disso, intensificamos os ciclos de remoção dos criadouros por toda cidade, aplicação do novo inseticida (Cielo) com a UBV costal por toda a cidade, e o trabalho de orientação junto à população”, aponta o coordenador do Setor de Endemias, Aldemar Galassi.

Com os resultados do LIRAa, os agentes de endemias elaborarão estudos e planejamentos que orientarão os trabalhos nas áreas mais afetadas da cidade. Segundo Galassi, os focos do Aedes aegypti  continuam sendo encontrados em quase a sua totalidade no interior dos quintais, principalmente no lixo reciclável - garrafas, latas, entulhos, vasos de plantas, tambores de água e bebedouros de animais com água acumulada. “Consideramos o inverno como o período crítico, pois o trabalho preventivo que será realizado agora tanto pelo poder público como pela população será determinante para a quantidade de casos que teremos no verão. A dengue mata e a proliferação do mosquito acontece durante o ano todo; por isso a necessidade da prevenção. Neste momento, como existe a recomendação para as pessoas ficarem mais tempo em casa, por conta do coronavírus, a orientação é que aconteça uma busca minuciosa com a eliminação dos focos do mosquito transmissor tanto no ambiente doméstico, como de trabalho e de circulação”,  ressalta Galassi.

Epidemia de dengue

Ibiporã viveu no período epidemiológico de 2019/2020 a maior epidemia de dengue de sua história. Segundo boletim parcial divulgado pelo Setor de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Municipal de Saúde, no período de 28 de julho de 2019 a 30 de junho de 2020, foram notificados 7.599 casos, sendo 4.880 positivos, 2.600 descartados e 119 ainda não foram encerrados. Entre os confirmados, 108 pacientes apresentaram “Dengue com sinais de alarme” e sete casos, “Dengue Grave”, sendo que cinco evoluíram a óbito. O Paraná também viveu a sua pior epidemia, com 227.724 confirmações e 177 óbitos. “O vírus tipo 2 foi o que mais circulou neste período, e como ele não havia predominado no Estado, muitas pessoas foram contaminadas, e acabaram desenvolvendo sintomas mais graves da doença”, explica a coordenadora da Vigilância Epidemiológica, Vanessa Luquini.

Conforme o primeiro boletim do novo período sazonal (agosto de 2020 a julho de 2021) da dengue no Estado, divulgado no dia 11 pela Secretaria da Saúde do Paraná (SESA), Ibiporã contabiliza 32 casos notificados da doença e nenhum confirmado.

Saiba quais são os sintomas da dengue

A orientação da Secretaria Municipal de Saúde é que aos primeiros sintomas de dengue (febre alta, dores articulares, musculares e de cabeça, manchas avermelhadas na pele e indisposição), e Chikungunya (febre, dor de cabeça, mal estar, dores pelo corpo e muita dor nas juntas) a pessoa se dirija à Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima de sua residência para que o diagnóstico inicial e a notificação sejam feitos. Normalmente, os sinais de alarme ocorrem entre o terceiro e quinto dia, esse é o chamado período crítico para dengue. Tratado com hidratação e medicação sintomática corretamente, a maioria dos casos evolui para cura.

Previna-se!

Garrafas PET e de vidro: As garrafas devem ser embaladas e descartadas corretamente na lixeira, em local coberto ou de boca para baixo;

Lajes: Não deixe água acumular nas lajes. Mantenha-as sempre secas;

Ralos: Tampe os ralos com telas ou mantenha-os vedados, principalmente os que estão fora de uso;

Vasos sanitários: Deixe a tampa sempre fechada ou vede com plástico;

Piscinas: Mantenha a piscina sempre limpa. Use cloro para tratar a água e o filtro periodicamente;

Coletor de água da geladeira e ar-condicionado: Atrás da geladeira existe um coletor de água. Lave-o uma vez por semana, assim como as bandejas do ar-condicionado;

Calhas: Limpe e nivele. Mantenha-as sempre sem folhas e materiais que possam impedir a passagem da água;

Cacos de vidros nos muros: Vede com cimento ou quebre todos os cacos que possam acumular água;

Baldes e vasos de plantas vazios: Guarde-os em local coberto, com a boca para baixo;

Plantas que acumulam água: Evite ter bromélias e outras plantas que acumulam água, ou retire semanalmente a água das folhas;

Suporte de garrafão de água mineral: Lave-o sempre quando fizer a troca. Mantenha vedado quando não estiver em uso;

Falhas nos rebocos: Conserte e nivele toda imperfeição em pisos e locais que possam acumular água;

Caixas de água, cisternas e poços: Mantenha-os fechados e vedados. Tampe com tela aqueles que não têm tampa própria;

Tonéis e depósitos de água: Mantenha-os vedados. Os que não têm tampa devem ser escovados e cobertos com tela;

Objetos que acumulam água: Coloque num saco plástico, feche bem e jogue corretamente no lixo;

Vasilhas para animais: Os potes com água para animais devem ser muito bem lavados com água corrente e sabão no mínimo duas vezes por semana;

Pratinhos de vasos de plantas: Mantenha-os limpos e coloque areia até a borda;

Objetos d’água decorativos: Mantenha-os sempre limpos com água tratada com cloro ou encha-os com areia. Crie peixes, pois eles se alimentam das larvas do mosquito;

Lixo, entulho e pneus velhos: Entulho e lixo devem ser descartados corretamente. Guarde os pneus em local coberto ou faça furos para não acumular água;

Lixeira dentro e fora de casa: Mantenha a lixeira tampada e protegida da chuva. Feche bem o saco plástico

Denúncias de mato alto e locais com focos do mosquito Aedes aegypti devem ser feitas pelo telefone 156.

NCPMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.