Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Desenvolvido pelo Tribunal de Justiça do Paraná em parceria com a Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos, o projeto tem o objetivo de identificar biometricamente todas as crianças em idade escolar

Nesta sexta-feira (16), às 15 horas, acontece em Ibiporã a cerimônia para assinatura do protocolo de intenções para inauguração do projeto “Criança Protegida”, no Centro Municipal de Educação Infantil (CMEI), Professora Maria do Carmo Galvão Uille (Malibu). O projeto, idealizado pela desembargadora Lídia Maejima, é desenvolvido pelo Tribunal de Justiça do Paraná em parceria com a Secretaria Estadual de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos. Pioneiro no país, o projeto visa identificar biometricamente todas as crianças do estado, auxiliando o trabalho de Investigação do Serviço de Investigação de Criança Desaparecida (SICRIDE).

De acordo com o prefeito José Maria, a iniciativa do Tribunal de Justiça e da Secretaria de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos é de extrema importância. “O ‘Criança Protegida’ permitirá efetivamente que a criança e o adolescente tenham uma proteção a mais no decorrer da sua vida. É sabido que, infelizmente, ocorre o desaparecimento de crianças, muitas vezes, em idade bastante precoce. Fazer o reconhecimento depois, através de fotografia é mais difícil”, explica o prefeito.

“A criança identificada por meio da biometria e com dados cadastrais nos institutos nacionais de identificação distribuídos pelos estados possibilitará, no futuro, a identificação desta pessoa, a localização e saber a verdadeira origem da sua paternidade”, acrescenta José Maria.

Ibiporã é a terceira cidade a receber o projeto, além de Londrina e Maringá, que será coordenado, no município, pela Juíza da Vara da Infância e Juventude e Anexos, Marina Martins Bardou Zunino. “O ‘Criança Protegida’ é uma excelente iniciativa, estou muito feliz de representá-lo aqui no município. É fundamental que os pais saibam a importância de fazer o reconhecimento biométrico, ainda na infância. A grande maioria só procura fazer o documento quando os filhos estão no ensino médio ou iniciando a vida adulta. Fazer o RG ainda na infância garante mais segurança aos filhos”, assegura a Juíza.

O projeto “Criança Protegida” garante que os estudantes do ensino infantil e fundamental I matriculados em escolas municipais e CMEIs façam o documento gratuitamente, nas próprias instituições de ensino. Em Ibiporã, 5.400 alunos serão beneficiados.

Para isso, o Instituto de Identificação do Paraná (IIPR) trabalhará junto a Administração Municipal, treinando profissionais de educação para que se tornem agentes de identificação, auxiliando na emissão da carteira de identidade. Os educadores preencherão as fichas, tirarão as fotos e registrarão a impressão digital das crianças, que serão enviados à Curitiba, onde serão emitidos os documentos.

Entretanto, nesta sexta-feira (16), a partir das 09 horas, 40 senhas serão distribuídas, no CMEI Malibu, para crianças e adolescentes, ente 06 meses a 18 anos incompletos, que poderão fazer o documento de identidade digital e biométrico gratuitamente, na própria instituição de ensino.

NC/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.