Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Objetivo do “Ibiporã contra a Dengue” é informar população sobre a situação da doença e formas de controlar a proliferação do Aedes aegypti

O combate à dengue é um compromisso de todos. Com o objetivo de informar a população sobre a situação da doença e formas de controlar a proliferação do Aedes aegypti , mosquito vetor além dengue, da febre chikungunya e Zika, a Administração Municipal, por meio do Setor de Endemias da Secretaria de Saúde, criou o blog “Ibiporã Contra a Dengue” (ibiporacontradengue.blogspot.com.br/). “Hoje a maioria da população está conectada à internet e o blog é uma ferramenta útil e acessível para se comunicar e difundir informação. A ideia é fazer pelo menos duas postagens por semana com informações sobre a doença, atualizar os casos no município e orientar os munícipes sobre como se proteger da dengue”, explica o criador do blog, o responsável pelo setor de endemias, Luiz Augusto Loredo.

Um dos posts do blog, por exemplo, alerta para o alto índice de infestação do mosquito por toda a cidade. O último Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti  (LIRAa), realizado entre 9 e 13 de novembro, aponta um índice de infestação de 5,4%. Ou seja, dos 23.723 imóveis existentes na cidade, há focos de dengue em 1.280. O índice de infestação preconizado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) é de, no máximo, 1,0%. “O mais grave é que o levantamento apontou que 70% dos focos existentes estão no lixo e em recicláveis espalhados nas casas e empresas, nas ruas, terrenos baldios, nas margens das estradas. Se não ocorrer uma prevenção eficaz corrermos o risco de enfrentar uma nova epidemia em 2016, visto que, sob a influência do fenômeno “El Niño”, a previsão é de um verão ainda mais quente e chuvoso, condições ideais para a reprodução do mosquito”, alerta Loredo.

Segundo o setor de Epidemiologia, até sexta-feira (20) Ibiporã contabilizava 1.826 notificações e 734 casos confirmados da doença, com uma morte ocorrida em abril. Todos os casos são autóctones, ou seja, contraídos no próprio município.

De acordo com o chefe do setor de Endemias, o governo municipal realiza ações contínuas de prevenção e combate à dengue, as quais estão sendo intensificadas devido ao tradicional aumento de casos nesta época do ano. “Os agentes de endemias estão fazendo o trabalho de remoção dos criadouros em 100% do território, além mutirões de limpeza, bloqueio de transmissão viral em residências com notificações, aplicação de inseticida, ações educativas em empresas, igrejas e escolas, capacitação de servidores, teste rápido, colocação de armadilhas, conhecidas como ovitrampas, em vários bairros, para evitar a proliferação de novos vetores da doença e planejamento de ações conjuntas com cidades da Região Metropolitana, como Cambé e Londrina”, pontua Loredo.

Além disso, acrescenta Loredo, a secretaria de Saúde já solicitou ao Departamento de Gestão de Pessoas a realização de um processo seletivo para contratação temporária de 15 agentes de endemias que atuarão no combate e erradicação do Aedes aegypti. Atualmente, 28 profissionais fazem o trabalho de campo. Também serão intensificadas as fiscalizações para autuar os munícipes que mantiverem criadouros que favoreçam a proliferação da dengue. “A aplicação da multa é feita somente após o morador receber uma orientação, com prazo para readequar as irregularidades. Quando isso não ocorre, é feita uma advertência formal e dado um novo prazo, que descumprido gera a multa, que pode variar de R$500 a R$5 mil, segundo o Código Sanitário do Paraná”, explica ele.

Contudo, de nada adianta o poder público se esforçar para combater o mosquito, se a população não exercer de fato a cidadania, cuidando do seu espaço e do entorno de sua casa. “Os dados do LIRAa apontam que se o lixo produzido pela população fosse descartado adequadamente, nosso índice de infestação poderia diminuir em 70%. Ou seja, uma epidemia de dengue pode ser evitada se as pessoas realmente se preocuparem com o destino do lixo que produzem”, expõe Loredo.

A secretária de Saúde, Leilaine Furlaneto, reforça a necessidade da mobilização popular no combate à dengue. "Infelizmente, apenas as ações realizadas pelos agentes de endemias não são suficientes para combater a dengue. A população precisa colaborar. Após uma chuva, o morador deve tirar apenas 10 minutos para fiscalizar o seu quintal e eliminar os recipientes que acumulam água. Mesmo uma tampa de refrigerante esquecida pode se tornar um criadouro. Já em relação ao lixo, não adianta o morador querer se livrar do seu lixo jogando-o no terreno vizinho porque o mosquito tem uma autonomia de voo de 150 a 200 metros e pode contaminá-lo com a dengue”, alerta Leilaine.

Proteja-se contra a dengue:

- Inspecione seu quintal e elimine água parada;

- Use repelente;

- Vista roupas que protejam o corpo;

- Mantenha portas e janelas fechadas;

- Aplique inseticida de uso doméstico dentro de casa, atrás dos móveis e em cantos escuros. (Fonte: Blog “Ibiporã contra a dengue”)

Caroline Vicentini/NC/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios