Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Aumento de médico durante o dia, solicitação de exames complementares e oferta da primeira dose do antibiótico são algumas das melhorias implementadas

Visando oferecer um atendimento mais resolutivo e humanizado aos pacientes de Ibiporã e Jataizinho que buscam a urgência e emergência, a nova direção clínica e coordenadoria geral da Unidade de Pronto Atendimento Dr. Justino Alves Pereira (UPA 24h), localizada no Conjunto Henrique Alves Pereira (Serraia), está implantando algumas melhorias.

Desde o dia 1º de janeiro a UPA está atendendo com três médicos plantonistas de terça a sexta-feira, no período das 7 da manhã a 1 da madrugada. "Por determinação do prefeito de Ibiporã, João Coloniezi, passamos a disponibilizar mais um médico para atender a população no horário de pico. O objetivo é reduzir ao máximo o tempo de espera por uma consulta. Já da 1 da madrugada até às 7 horas da manhã são dois médicos no plantão, visto que a demanda é menor. Aos finais de semana são dois médicos no período da manhã e três das 13 a 1 da manhã", informa o diretor clínico da unidade, José Carlos Jr.

De acordo com Jr., a mudança já está surtindo efeito. "Nos últimos 20 dias nenhum paciente foi embora por falta de atendimento. O tempo de espera já reduziu de quatro para cerca de uma hora e meia", revela. 

Outra mudança importante é que a partir de agora os médicos da UPA podem solicitar exames complementares com especialistas, o que segundo o diretor diminuirá o tempo de espera do paciente por um exame e agilizará o atendimento na Unidade Básica de Saúde de referência. "Isso está sendo possível graças à implementação do prontuário eletrônico, possibilitando que o profissional de saúde tenha acesso de forma mais rápida e organizada ao histórico da pessoa, o que dá maior agilidade e organização ao atendimento", explica o cardiologista.

Outra novidade é o atendimento a uma reivindicação antiga dos usuários da UPA 24 horas. A partir de 1º de fevereiro, a unidade fornecerá a primeira dose do antibiótico a pacientes com quadro de doença aguda (infecções, pneumonia, meningite, etc) que forem atendidos à noite, finais de semana e feriados. A reclamação é que muitos pacientes que são atendidos na sexta-feira, por exemplo, caso saia da consulta com receita médica e não tenha condições de comprar medicamentos, só iniciam o tratamento na segunda-feira seguinte, quando vai ao posto de saúde para retirar o remédio prescrito. "Tivemos casos de pacientes que chegaram a vir à UPA cinco vezes em um único final de semana com complicações da doença por não ter condições de adquirir um remédio para controlar a febre. Com esta estratégia, o tratamento terá resposta mais rápida, evitando complicações e internamentos", argumenta o diretor clínico.

Estrutura

Estrutura de complexidade intermediária entre as Unidades Básicas de Saúde (UBSs) e as portas de urgência hospitalares, a UPA 24h de Ibiporã atendeu ano passado 66.431 pessoas. O número é maior que a população inteira do município, de cerca de 53 mil habitantes. A média diária de atendimento é de 180 pacientes.

Com 1410 m² de construção, a UPA de Ibiporã, inaugurada em 15 de novembro de 2014, abriga salas de prontoatendimento de: urgência e emergência, clínica geral, pediatria, observação, isolamento, medicação, hidratação, inalação, eletrocardiograma e raio x. O prédio também é base do Samu e abriga o Laboratório de Análises Clínicas. A UPA conta atualmente com cerca de 60 funcionários, entre enfermeiros, técnicos de enfermagem, administrativo, serviços gerais e segurança patrimonial. Há também cerca de 60 médicos no serviço. Os servidores passam constantemente por capacitações visando ampliar o conhecimento e melhorar a qualidade e segurança da assistência prestada à população.

O custo mensal para manter a UPA é de cerca de R$400 mil, sendo R$170 mil repassados pelo governo federal, via Ministério da Saúde, e R$230 mil de contrapartida municipal. Segundo a coordenadora geral, Rosângela Domingues Pais, a partir de 2018 o município pleiteará junto ao Ministério da Saúde passar de porte I (mínimo de 7 leitos de observação,capacidade para atender, em média, 150 pacientes/dia, população na área de abrangência de 50 a 100 mil habitantes) para porte II (mínimo de 11 leitos de observação, capacidade de atendimento médio de 250 pacientes/dia, população na área de abrangência de 100 mil a 200 mil habitantes. "Temos estrutura e profissionais qualificados para atender a uma população maior. Ao longo do ano trabalharemos para contratar ortopedista, radiologista e o raio x funcionando 24 horas, além  fazer ajustes para otimizar os processos, oferecendo, desta forma, um atendimento rápido, eficiente e de qualidade à população", conclui Rosângela.

Quando procurar a UPA 24H

- dor aguda;

- febre alta por mais de 24h;

- vômito e diarréia persistentes;

- queimadura;

- picada de animais peçonhentos;

- pequenas suturas;

- crise hipertensiva;

- alterações glicêmicas (diabetes descompensada);

- crise convulsiva;

- surto psicótico;

- intoxicação exógena;

- crise respiratória aguda;

- fratura não exposta

Quando procurar a UBS (Posto de Saúde)

 - consulta eletiva;

- atendimento de enfermagem;

- aferição de pressão arterial;

- vacinas;

- curativos;

- pré-natal;

- puericultura;

- acompanhamento de programas de educação em saúde

COM/PMI

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios