Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Mobilização marca o Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária, criado em memória ao Massacre de Eldorado dos Carajás, ocorrido no Pará, há 25 anos. 

As partilhas de alimentos produzidos por famílias acampadas e assentadas da Reforma Agrária serão a marca do Abril Vermelho deste ano, no Paraná. As doações chegarão a pelo menos 14 cidades, em solidariedade a quem sofre com a falta de comida na mesa neste período em que a pandemia do coronavírus atinge números cada dia mais alarmantes. 

As mobilizações ocorrem em todo o Brasil e marcam os 25 anos do Massacre de Eldorado dos Carajás, quando a Polícia Militar do estado do Pará assassinou 21 trabalhadores rurais Sem Terra e mutilou outros 69, no dia 17 de abril de 1996. A repercussão nacional e internacional do crime levou a definição da data como Dia Nacional de Luta pela Reforma Agrária. 

A solidariedade das famílias Sem Terra vai chegar nos quatro cantos de Londrina, com a doação de 20 a 22 toneladas de alimentos e 2 mil litros de leite, neste sábado, a partir das 9h. As doações vão chegar na Zona Sul, nos bairros União da Vitória, da Praça União IV, no bairro Cristal; e no bairro Franciscato; na Zona Norte, nos bairros São Jorge e Flores do Campo; na Zona Leste, no Jardim Califórnia; e na Zona Oeste, no Jardim Turquino, Maracanã e Londriville. 

As atividades terão de início com a benção dos alimentos às 9h, na  praça do União da Vitória IV, com o Padre Dirceu Fumagalli, pároco local. A ação é organizada em parceria com o movimento Levante Popular da Juventude, com setores da Igreja Católica, e a campanha Periferia Viva.  Todos os protocolos de prevenção à Covid-19 estão sendo seguidos para a realização das doações

Os alimentos doados são frutos do trabalho de famílias dos assentamentos Eli Vive, de Londrina; Dorcelina Folador, de Arapongas; Maria Lara, de Centenário do Sul; Florestan Fernandes, de Florestópolis; Iraci Salete, de Alvorada do Sul; e Barra Bonita, do município de Primeiro de Maio. Parte das doações também vem de camponeses que ainda lutam para permanecer nos territórios, que são os acampamentos Zilda Arns e Manoel Jacinto Correia, de Florestópolis; Fidel Castro, em Centenário do Sul; e Herdeiros da Luta de Porecatu, no município de Porecatu.  

Solidariedade permanente

As ações também reafirmam o papel da Reforma Agrária na produção de alimentos e a opção do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) em se solidarizar com o crescente número de pessoas que enfrentam a fome. Até o final de 2020, 19 milhões de brasileiros passavam fome e 116,8 milhões de pessoas, mais da metade dos domicílios no país, enfrentavam algum grau de insegurança alimentar. A pesquisa é da Rede Brasileira de Pesquisa em Soberania e Segurança Alimentar e Nutricional (Rede Penssan), divulgada no início deste mês. 

As ações também cobram o direito à vacinação já para toda a população, o auxílio emergencial de R$ 600 reais para as pessoas sem renda e o impeachmentdo presidente Bolsonaro, por agir de forma desastrosa e negligente diante da pior crise sanitária da história do país.

José Damasceno, integrante da direção estadual do MST, relaciona a ação dos camponeses e camponesas com a situação de emergência pela qual o Brasil atravessa, em grande medida por responsabilidade direta do governo federal: “Estamos sofrendo com essa segunda onda da pandemia, que está gravíssima. Muitas pessoas estão perdendo a vida, muitas estão perdendo o emprego por conta da crise econômica, e por isso estamos com a campanha nos quatro cantos de Londrina”.

Desde abril de 2020, mais de 533 toneladas de alimentos foram partilhadas em todo o Paraná, com a participação de milhares de agricultores e agricultoras da Reforma Agrária. Parte destas famílias Sem Terra ainda luta para garantir o direito de permanecerem nas áreas onde moram, produzem alimentos e garantem condições dignas de vida. Mais de 52 mil refeições também já foram partilhadas em Curitiba pela ação Marmitas da Terra, coordenada pelo Movimento. 

“Nossos assentamentos e acampamentos têm feito produção coletiva e individual específica para manter as ações de solidariedade para as pessoas que mais sofrem”, explica Damasceno, se referindo às hortas, lavouras e agroflorestas comunitárias mantidas pelas comunidades ao longo dos últimos meses.  

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.