Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Estudante do Centro Social Marista Irmão Acácio estará no evento que ocorre na Cidade do Panamá

De malas prontas para a Cidade do Panamá, a adolescente Emilly Giovanna de Souza, 17 anos, moradora de Londrina, vive a expectativa da realização de um projeto que vem se desenhando desde 2018: participar da Jornada Mundial da Juventude, no Panamá. Ela está entre os milhares de jovens vão acompanhar o evento na América Central entre os dias 22 e 27 de janeiro e poderão estar mais perto do Papa Francisco.

A JMJ é um encontro de jovens de todo o mundo com o Papa, em um ambiente festivo, religioso e cultural. O evento mostra o dinamismo da Igreja Católica e dá testemunho da atualidade da mensagem de Jesus. O objetivo é favorecer o encontro com Cristo, além de promover a paz, a unidade e a fraternidade dos povos e das nações por meio da juventude, além de desenvolver processos de nova evangelização destinada aos jovens. A última JMJ foi realizada na Polônia, em 2016. No ano de 2013, o Brasil teve a oportunidade de sediar o evento, no Rio de Janeiro.

Alegria

Aluna do Centro Educacional Marista Irmão Acácio, em Londrina, a adolescente conta que "foi surpreendente" quando recebeu a notícia que havia sido escolhida como representante da instituição para participar do evento no Panamá. "Para a minha família foi muito bom e eles gostaram muito. Todos eles são bem religiosos, inclusive a minha mãe é ministra na Igreja", comenta. Desde a escolha, a expectativa para participar da JMJ 2019 tem aumentado. "Já vi e acompanhei alguns depoimentos pela internet e conversei com amigos e pastorialistas que foram para a JMJ no Rio de Janeiro. Para mim, levar jovens para a Jornada é significativo. Mostra que os jovens também tem poder e podem construir algo", afirma.

Emilly comenta que, junto com os demais jovens e com os pastorialistas da instituição de ensino que ela frequenta, pensaram em algumas formas de integrar os jovens que não irão ao evento, o que inclui fazer vídeos sobre a JMJ e que serão lançados na internet, além de videoconferências com os adolescentes e um grupo de whatsapp no qual todos poderão ficar por dentro dos acontecimentos da Jornada.

Para a jovem, sua participação pode ser importante também para os outros estudantes que vão acompanhar o evento em Londrina. "Não posso dizer que serei um modelo, mas espero que minha ida para a Jornada seja para eles um exemplo de que alguém conseguiu, que os sonhos maiores são possíveis", comenta.

Escolha dos jovens

Emilly e outros jovens Maristas que vão para a JMJ 2019 passaram por algumas etapas para serem escolhidos como representantes de suas comunidades, escolas e municípios, conforme explica Ana Carolina Dias, da área de Identidade e Missão da Província Marista Brasil Centro-Sul. Todos os jovens são de unidades sociais, instituições que oferecem atendimento gratuito a crianças e adolescente de áreas de vulnerabilidade social. "Foi realizado um processo que garantisse representatividade geográfica e também a participação de jovens comprometidos com a pastoral da sua Unidade. A escolha efetiva dos participantes foi feita pelos próprios jovens das Unidades Sociais", explica.

Ana considera esta experiência uma oportunidade única para toda a vida dos jovens que participam, por ser uma experiencia de encontro com outras culturas, além do amadurecimento na fé e na comunhão com a Igreja. "Estar em contato com o Universo que este encontro possibilita nos gera um grande crescimento e oportunidades de vida. Mas com isso, ganhamos também o compromisso de nos comprometer, cada vez mais, com aquilo que nos é ofertado. Ao retornarem, estes jovens serão vistos como multiplicadores das graças vividas no Panamá".

Outra londrinense no exterior

Além de Emilly, outra londrinense que participa de um evento religioso internacional é Dhiovana Francini Mena Barreto Conde, 22 anos, estudante de Enfermagem da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Ficou até ontem dia 20 de janeiro,  na Cidade da Guatemala, também na América Central, onde ocorreram as atividades do Encontro Internacional da Juventude Marista.

Desde 2008, no mesmo ano em que é realizada pela Igreja Católica a Jornada Mundial da Juventude, as instituições Maristas enviam seus jovens para o Encontro, que serve como uma preparação para a JMJ. O Encontro é uma oportunidade para que os jovens Maristas possam enriquecer a missão religiosa.

A estudante considera esta uma oportunidade de conhecimento de outras culturas e pessoas que vivem a missão Marista. Para a jovem, participar desses eventos é gratificante. “Estes são momentos que temos de ter uma maior vivência do carisma Marista e de conhecermos pessoas que vivem os mesmos valores que nós”, explica.

Vanda Ramos/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios