Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Serviços de convivência e fortalecimento de vínculos estão presentes em todas as regiões de Londrina; Município também oferece programas de aprendizagem profissional, para jovens de 14 a 17 anos

Amanhã (12), será celebrado o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, instituído pela Organização Internacional do Trabalho, assim como o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Infantil, definido pela Lei nº 11.542/2007. No enfrentamento dessas situações, a Prefeitura de Londrina atende, atualmente, quase 5 mil crianças e adolescentes, por meio dos serviços e programas realizados pela Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS).

Os serviços de convivência e fortalecimento de vínculos são ofertados ao público infanto-juvenil, de seis a 17 anos, em situação de desproteção social, em unidades distribuídas em todas as regiões do município, incluindo a zona rural. A partir de percursos socioeducativos, essas atividades buscam desenvolver o sentimento de pertencimento e de identidade. Além disso, visam fortalecer vínculos familiares e incentivar a socialização, a convivência comunitária e a participação cidadã, estimulando e orientando os usuários na construção e reconstrução de suas histórias. Atualmente, cerca de 3.600 crianças e adolescentes são atendidos nesses serviços, através de convênios executados por 13 organizações da sociedade civil, em 27 unidades descentralizadas. As entidades participantes incluem o Centro Esperança por Amor Social (Cepas), Escola Profissional e Social do Menor de Londrina (Epesmel), Colégio Marista, Guarda Mirim e Associação Londrinense de Circo, entre outras.

Já os programas de aprendizagem profissional, conduzidos em parceria com o Município, atendem cerca de 900 adolescentes, entre 14 e 17 anos. Esses jovens são inseridos no mercado de trabalho como aprendizes, recebendo formação e acompanhamento técnico qualificado. São parceiros na iniciativa a Epesmel, Guarda Mirim e o Núcleo Espírita Irmã Scheilla. Mais de 100 empresas londrinenses empregam os adolescentes aprendizes, e entre os programas oferecidos estão cursos de auxiliar administrativo, vendedor de comércio varejista e auxiliar em serviços de alimentação.

Em ambos os serviços, o público prioritário é composto por crianças e adolescentes em situação de trabalho infantil; vítimas de violência, negligência, abuso e/ou exploração sexual; em situação de acolhimento; em cumprimento de medida socioeducativa, em meio aberto, ou egressos de medidas socioeducativas; e em situação de rua, entre outras situações de desproteção social vivenciadas.

A secretária municipal de Assistência Social, Jacqueline Micali, explicou que os serviços oferecidos pela pasta, em conjunto com a presença do público infanto-juvenil no ambiente escolar, são essenciais para consolidar uma rede de proteção social. “Enquanto as atividades de convivência e fortalecimento de vínculos são imprescindíveis para romper ciclos de violência e trabalhar a cidadania, os programas de aprendizagem permitem a inserção do adolescente no mundo do trabalho. Isso acontece de uma maneira proativa, através da qual ele pode exercer a sua responsabilidade e participação, entendendo a importância desse mundo do trabalho de uma forma saudável”, destacou.

Denúncias

Cidadãos que tenham conhecimento de situações de trabalho infantil podem fazer uma denúncia junto aos Conselhos Tutelares de todas as regiões do município. O contato pode ser feito 24 horas por dia, por meio dos telefones gerais 125, cujas ligações são gratuitas, ou (43) 99991-6752, que atende chamadas a cobrar. Para conferir os endereços e telefones individuais dos Conselhos Tutelares de Londrina, clique aqui

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios