Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Atração de grandes empresas, garantia de recursos para a Cidade Industrial e TecnoCentro, além de programas de capacitação e atenção para o Turismo foram algumas das atividades que fizeram toda diferença

Na manhã desta quarta-feira (9), o Instituto de Desenvolvimento de Londrina (CODEL) divulgou um balanço das ações realizadas durante 2018 em várias frentes, em busca de desenvolvimento tecnológico, industrial, turístico e de inovação. Segundo o presidente do Instituto, Bruno Ubiratan, 2018 foi um período de estabelecer estratégias que garantirão a meta de tornar Londrina uma cidade mais atrativa para os negócios. “A CODEL saiu do papel de articuladora para o de executora. Conseguimos viabilizar a construção do Tecnocentro e da Cidade Industrial para este ano, com a atração de R$ 25 milhões  junto ao governo estadual do Paraná, além de acertar detalhes para a vinda de grandes empresas para a cidade”, assegura Ubiratan.

Na Diretoria de Desenvolvimento da CODEL, a primeira tarefa foi a de rever e atualizar leis, como o lançamento da comissão de Revisão da Lei Industrial e da Lei Municipal nº 12.799, que assegurou, por exemplo, a expansão da indústria do segmento de confecções e vestuário, King&Joe, com 140 empregos diretos e 315 indiretos.  Também foi assegurada, dentro dos parâmetros legais, a instalação da multinacional Tata Consultancy Services (TCS), que desde janeiro de 2018 está em funcionamento em Londrina, gerando inicialmente 261 empregos e com expectativa de que 4 mil pessoas venham a ser colaboradores da empresa. A TCS é a maior empresa do mundo na prestação de soluções de negócios, consultoria e serviços de Tecnologia da Informação (TI) e Business Process Outsourcing (BPO).

Ainda com relação à legislação, os profissionais da Codel atuaram na nova lei para a prorrogação da Empresa Angelus, que soma 90 empregos na cidade; no Projeto 167/2018 que trata da Zona Especial para a Cidade Industrial e que está em tramitação; no Projeto 169/2018, que exclui a limitação do porte para as indústrias e que está tramitando; no levantamento, análise e conferência de documentos durante o processo de solicitação de escritura; na fiscalização de áreas para comprovação de cumprimento de contrapartidas pelas empresas beneficiárias e para compor o processo de liberação de escritura e no acompanhamento dos processos de desapropriação amigável e judiciais dos 107 lotes entorno do Aeroporto.

Segundo o diretor de Desenvolvimento, Atacy de Melo Junior, em 2018, foi possível observar vários avanços tomados frente à CODEL. Já em 2019, as expectativas são grandes e visam proporcionar espaços adequados para a atração de novas empresas e indústrias para a cidade. “O maior desafio para 2019 é a continuidade do processo para a implantação da Cidade Industrial de Londrina. Estamos em fase de término dos projetos complementares, que vão compor o edital de licitação para a contratação de uma empresa que irá construir a infraestrutura necessária na Cidade Industrial, como a rede de esgoto, energia elétrica, asfalto e outras. A expectativa é que ainda no primeiro semestre deste ano possamos publicar este edital”, disse o diretor.

Já na área do Turismo, Londrina também deu um grande passo rumo ao alinhamento de propostas e políticas públicas junto ao mercado. Entre elas estão a elaboração de um calendário oficial de eventos para o município; a busca de parceiros para construção do um grande Centro de Convenções de turismo e eventos de negócio, culturais, gastronômicos, esportivos e de entretenimento; a elaboração de um vídeo institucional de Londrina e de show case; além do lançamento do programa Visite Londrina, que está capacitando trabalhadores de diversas frentes em hospitalidade. Mais de 250 profissionais já participaram dele.

Londrina também recebeu o “Meetup: turismo Londrina”, evento que reuniu os empresários do turismo com os empreendedores digitais e profissionais de Tecnologia da Informação (TI) e de Ciência, Inovação e Tecnologia para debaterem as oportunidades viáveis ao fortalecimento do turismo local. Também trouxe o “ConecturLondrina: conexão e inovação no Turismo”, em que apresentou as inovações e as tecnologias no turismo de Londrina e região, realizando algo inédito na cidade, que foi a união de membros do terceiro setor, do poder público e da iniciativa privada em prol de um mesmo objetivo: desenvolver o turismo.

“O principal avanço foi alcançarmos o trade do mercado e nos alinharmos com ele. Foi a primeira vez que a diretoria de Turismo da Codel sentou para conversar com todos os envolvidos na cadeia produtiva”, explicou a diretora Maitê Morgana Uhlmann. A Diretoria de Turismo passou a integrar a coordenação do G11 Paraná, participa agora da governança da ADETUR, integra o Comitê Gestor da Micro e Pequenas Empresas e realiza o evento chamado Happy Tour, para divulgar o programa com o mesmo nome que tem como objetivo o fomento do ambiente turístico da cidade.

Na Diretoria de Ciência, Tecnologia e Inovação da CODEL outras áreas foram focalizadas, como a obtenção de R$ 3,2 milhões, através de uma parceria com o Governo do Paraná para o término do Tecnocentro, a assinatura do Acordo de Cooperação Técnica com ITAIPU BINACIONAL para a implantação da Incubadora “Santos Dumont”, que ajudará a fomentar empresas de base tecnológica em Londrina, tornando possível o estímulo e o desenvolvimento de soluções e a atração de novos negócios, através do reconhecimento da realidade municipal e do diagnóstico das oportunidades de inovação e desenvolvimento de programas e projetos.

Além disso, foi realizada, em 2018, a V Conferência Municipal de Ciência Tecnologia e Inovação, que buscou avaliar a realidade do setor de Ciência, Tecnologia e Informação em Londrina; fixar diretrizes gerais da política municipal de TI para os anos de 2018 a 2020; avaliar as ações realizadas pelo Conselho Municipal de Ciência e Tecnologia; eleger os representantes titulares e suplentes da sociedade civil para compor o Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Informação.

A cidade também recebeu a 1° Feira MEI de Londrina; assim como a instalação do escritório CTI em Londrina, que servirá como base de captação de novos investimentos para o setor de tecnologia e inovação; instituiu o ISS Tecnológico onde foram aprovados oito projetos somando R$ 206.027,79 e publicou-se no dia 21 de dezembro, o edital nº 2/2018, no Jornal Oficial nº 3682, o processo de seleção para soluções inovadoras à implementação no Município.

A diretora de Ciência, Tecnologia e Inovação, Renata Passi, explicou que apesar de o Brasil passar por um período de crise, o setor de Ciência e Tecnologia vem se fortalecendo. “Conseguimos atrair a TCS, recursos a fundo perdido para a construção do Tecnocentro e começamos o ano lançando o edital para a seleção de soluções inovadoras. As expectativas para 2019 são muito boas, porque vamos continuar desenvolvendo trabalhados e políticas públicas voltados ao fortalecimento e crescimento do setor, para materializarmos esse perfil que Londrina tem para desenvolvimento de Ciência e Tecnologia”.

Além dessas ações, a CODEL conseguiu digitalizar 70% de todos seus processos mais antigos, seus representantes fizeram um levantamento de imóveis públicos dos parques industriais, participaram do Ciclo de Debates do Processo de Revisão do Plano Diretor, nos distritos e na zona urbana, e a Sala do Empreendedor recebeu o Selo Estadual por mérito de atendimento, além de outras atividades.

(Ana Paula Hedler/NCPML)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios