Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Além de conhecer a obra que teve seu projeto original executado pelo seu bisavô, Oscar Niemeyer, o também arquiteto Paulo Sérgio Niemeyer veio propor possíveis mudanças para resgatar a originalidade da obra, que se destaca como uma das mais belas do Brasil

O presidente do Instituto Niemeyer de Políticas Urbanas, Científicas e Culturais, Paulo Sérgio Niemeyer, bisneto do arquiteto de renome nacional e internacional, Oscar Niemeyer, esteve no município de Londrina, pela primeira vez, na terça-feira (27), visitando o Terminal Rodoviário José Garcia Villar, nome oficial do Terminal Rodoviário de Londrina.

O terminal teve seu projeto original executado pelo seu bisavô, Oscar Niemeyer – arquiteto brasileiro considerado uma das figuras-chave no desenvolvimento da arquitetura moderna – mas sofreu algumas modificações na época, para dar viabilidade financeira à obra, durante a administração do prefeito Wilson Moreira.  A entrega do equipamento ocorreu em 1988.

Além de conhecer a obra de perto, Paulo Sérgio Niemeyer, que também é arquiteto, veio propor possíveis mudanças para resgatar a originalidade da obra. Isso porque a Prefeitura de Londrina está iniciando um programa de concessões, por meio de um estudo técnico que está avaliando diversos equipamentos que o Município possui, a fim de verificar aqueles que têm potencial para serem repassados para a iniciativa privada, e a rodoviária é um deles. O objetivo é promover a potencialização e a melhoria destes espaços, para melhor uso da população de Londrina.

“Essa visita visa verificar quais são as eventuais mudanças que precisam ser feitas para que a rodoviária possa ter o reconhecimento da obra de Niemeyer, no âmbito destes estudos técnicos, visando a concessão. A inclusão da obrigatoriedade de refazer o projeto arquitetônico original ou não, na concessão, vai resultar de tudo que vamos levantar, como custo e viabilidade”, explicou o secretário municipal de Gestão Pública, Fábio Cavazotti, que acompanhou a visita.

Cavazotti completou que a intenção é comparar o que foi idealizado por Niemeyer, o que foi efetivado e o que teria que ser feito para voltar ao projeto original. “Se for viável vamos incluir isso no projeto de concessão e o investimento será feito pela empresa que terá a concessão. Após a conclusão dos estudos técnicos será aberta uma concorrência pública para que operadores privados de todo o Brasil disputem”, contou.

De acordo com o secretário de Gestão Pública, a concessão trará obrigações para a empresa que vencer a concorrência, como promover melhorias e recuperação destes espaços. “A intenção é que o município tenha uma rodoviária mais movimentada, mais atrativa e renovada. Isso promove aumento da renda e traz mais serviços para o local. O estudo técnico preliminar que estamos fazendo já apontou que existem empresas interessadas nisso. Há empresas que operam cerca de 50 rodoviárias pelo país e vimos algumas rodoviárias com resultados interessantes”, afirmou.

O arquiteto Paulo Sergio Niemeyer disse que o Terminal Rodoviário de Londrina é um marco da arquitetura moderna. “Nossa intenção é resgatar a originalidade desta obra de Niemeyer, por isso aceitei o convite para vê-la de perto e avaliar o que podemos propor. Queremos entender como ela está construída e o que temos, de possibilidades, para trazer mais a presença do Niemeyer para a rodoviária. A intenção é que ela possa ter um caráter de mais turismo e cultura”, apontou.

O secretário municipal de Governo, Alex Canziani, que também esteve presente na visita, citou que só há três obras de Oscar Niemeyer no Paraná: o Museu do Olho, em Curitiba, o novo campus da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila) e o Terminal Rodoviário de Londrina. “A obra da rodoviária é fantástica, mas sofreu mudanças pelo custo que representava na época. Como a Prefeitura está no processo de realizar algumas concessões, pensamos na possibilidade de aproveitarmos este momento para resgatarmos a originalidade desta obra, para que ela possa ser referência para o Brasil e para o mundo. Após esta visita, vamos avaliar as possibilidades”, explicou.

O secretário municipal de Cultura, Bernardo Pelegrini, destacou que Niemeyer é um dos maiores nomes da arquitetura mundial, com mais de 600 obras espalhadas pelo planeta. “Resgatar a originalidade desta obra seria uma avanço. Já temos o prédio do Museu de Arte de Londrina, que foi projetado pelo famoso arquiteto brasileiro João Batista Vilanova Artigas e recentemente foi tombado como Patrimônio Cultural do Brasil pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).  Então temos, lado a lado, dois projetos dos maiores arquitetos do Brasil em um pequeno espaço. Isso é uma marca para a cidade e faz jus à tradição londrinense de inovação”, enfatizou.

A rodoviária de Londrina se destaca como uma das mais bonitas do Brasil. Seu formato é circular e no centro, o teto possui uma abertura que está sobre um jardim, ao redor do qual estão localizados os guichês das empresas para a venda de passagens. As plataformas, para embarque e desembarque de passageiros, estão localizadas na parte externa deste círculo. O local possui mais de 30 espaços para lojas e praça de alimentação. Atualmente, cerca de 10 estão ocupados.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.