Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Acordo foi homologado pela Justiça na quarta (11) e debates serão realizados em formato híbrido

Um acordo extrajudicial foi firmado nesta semana entre a Câmara Municipal de Londrina (CML), a 24ª Promotoria de Justiça e a Procuradoria-Geral do Município com o objetivo de viabilizar a realização de audiências públicas para debater a Lei Geral do Plano Diretor Participativo do município (projeto de lei nº 207/2018). O acordo foi homologado na quarta (11) pelo juiz Emil Tomás Gonçalves, da 2ª Vara da Fazenda Pública. Com isso, o  PL nº 207/2018 poderá voltar a tramitar e a ser debatido com a população, procedimento obrigatório segundo o Estatuto da Cidade (lei federal nº 10.257/2001).

"Estivemos com o Ministério Público discutindo a volta da audiência pública que falta do Plano Diretor Participativo. Esse projeto foi apresentado em 2018 e questionado, depois da pandemia, pela aglomeração que poderia ocorrer em uma audiência pública. Há uma ação ajuizada na Justiça que não permite audiência pública. Realizamos um acordo com o MP em que disponibilizamos alguns pontos, com a ajuda da sociedade civil organizada, e esses pontos, espalhados pela cidade, disponibilizarão a entrada de munícipes para essa discussão, efetivando a participação popular", explicou o presidente da Câmara de Londrina, vereador Jairo Tamura (PL).

No ano passado, a 24ª Promotoria, de Proteção à Saúde Pública, ingressou com ação civil pública na Justiça com o objetivo de impedir a realização de audiências para discutir o Plano Diretor durante a pandemia de covid-19. Em 12 de dezembro de 2020, em caráter liminar, o Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR) acolheu a manifestação do MP e determinou a suspensão de debates, de forma presencial, por videoconferência ou de maneira híbrida. Em sua decisão, o TJ-PR considerou que o processo legislativo poderia ser afetado pela "inexpressiva participação dos que não têm acesso aos meios digitais" e porque haveria risco de contaminação por covid-19 aos que se apresentassem à audiência presencial.

Entre outras exigências, o acordo extrajudicial homologado na quarta determina que as audiências só poderão ocorrer se a ocupação de leitos de UTI-Covid ofertados pelo Sistema Único de Saúde (SUS) não for superior a 75% em Londrina. Os debates devem ser realizados em formato híbrido, com possibilidade de participação presencial e on-line. Para garantir a participação presencial de toda a população interessada, a Câmara oferecerá ao menos dez centros de apoio, que serão distribuídos de forma a atender a todas as regiões da cidade.

Além de permitir a participação presencial da população na sala de sessões do Legislativo, com as limitações de público necessárias ao momento de pandemia, a CML transmitirá a audiência nos centros de apoio. Os munícipes poderão acompanhar as discussões e participar do debate a partir de locais como a Associação Comercial e Industrial de Londrina (Acil), o Shopping Norte, o Sindicato da Indústria da Construção Civil (Sinduscon), o Sebrae e a Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUCPR), entre outros. Em todos os centros de apoio serão obrigatórios: medição de temperatura dos participantes, higienização do local antes e após a audiência, distanciamento mínimo de um metro e meio entre os participantes, uso de máscara, oferta de álcool gel e circulação de ar. Ainda segundo o acordo, as audiências devem ocorrer preferencialmente às sextas-feiras, a partir das 19 horas.

Entenda

O PL nº 207/2018 foi protocolado pelo Executivo no final dezembro de 2018 e tem mais de 2,6 mil páginas. Durante a tramitação na CML, o projeto foi debatido com a população em duas audiências públicas. Em 9 de dezembro de 2019, de forma presencial, foram discutidas a constitucionalidade e legalidade da proposta. Já em 3 de julho de 2020 houve debate a respeito do mérito do projeto de lei, por meio de videoconferência. Posteriormente, cerca de 100 emendas foram apresentadas pelos vereadores, muitas delas originadas das audiências públicas. Por isso, a realização de uma terceira rodada de audiências foi considerada necessária pela Procuradoria Jurídica da Casa, que entendeu que as emendas alteram de forma significativa o texto original do projeto de lei.

Marcela Campos/Ascom/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.