Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Vistorias iniciam na quarta-feira (24) e vão percorrer comércios de brinquedos e artigos infantis, checando o cumprimento da lei municipal nº 9.188

Começam nesta quarta-feira (24) as fiscalizações para a campanha Arma Não é Brinquedo. A iniciativa certifica os comerciantes e lojistas com um selo, reconhecendo o cumprimento da lei municipal nº 9.188, que proíbe a comercialização de armas de brinquedo em Londrina. Nesta quarta-feira (24), as vistorias se concentram na região central, e vão participar fiscais da Secretaria Municipal de Fazenda, membros do Conselho Municipal da Cultura de Paz (Compaz) e da ONG Londrina Pazeando, representantes da Câmara Municipal e da Associação Comercial e Industrial de Londrina (ACIL).

O grupo que fará as vistorias irá se reunir às 13h30 na sede da Acil, localizada na Rua Minas Gerais, 297, primeiro andar. E às 14 horas eles saem para iniciar as fiscalizações. O secretário do Compaz, Luiz Cláudio Galhardi, explicou que a fiscalização atua também com a conscientização dos comerciantes. “Iremos percorrer as lojas da região central para lembrar que, a cada dois anos, é preciso renovar o selo, como predetermina a lei, e reforçar a importância de aderir à campanha”, citou.

O foco da ação “Arma não é brinquedo” são as lojas que comercializam brinquedos e artigos infantis. O comerciante que queira participar pode entrar em contato com o Compaz ou a ONG Londrina Pazeando. No site da Câmara, também fica disponível um formulário de requisição do selo, para preenchimento, e que deve ser protocolado na Prefeitura. Ele pode ser acessado através do link http://www1.cml.pr.gov.br/cml/site/arma.xhtml. “Praticamente todas as lojas do ramo, sejam grandes ou pequenas, participam da campanha, o que consideramos uma grande receptividade. Trata-se de uma lei reflexiva, um instrumento que abre a sociedade para o diálogo. Esperamos que outras cidades deem início a esse trabalho, pois muitas já proibiram, em leis, a venda das armas de brinquedo. Mas, sem esse movimento de conscientização, que são as vistorias, a campanha se enfraquece. E Londrina é referência no país, sendo a única cidade a conceder a certificação, em uma atuação conjunta da Prefeitura, Câmara e outras entidades”, destacou Galhardi.

Este é o nono ano de certificação pela campanha, e a solenidade oficial deve ocorrer em 21 de novembro, quando é comemorado o Dia Internacional do Protesto Contra os Brinquedos de Guerra. Na última solenidade, o selo foi entregue a 82 lojistas da cidade. Segundo o secretário do Compaz, durante o período entre início das vistorias e entrega dos selos, são percorridos os comércios de todos os bairros da cidade, por isso a necessidade de um prazo extenso.

Galhardi complementou que a proibição da venda de armas de brinquedo é uma forma de promover a cultura de paz, e mostrar para as crianças, e a sociedade como um todo, alternativas não-violentas para que possam alcançar seus objetivos. “É muito mais interessante ensinar as crianças a brincar de salvar o planeta, abordando assuntos sérios em jogos e brincadeiras não-violentos. Enquanto o mundo vive em uma cultura de violência, as guerras são corriqueiras, e o mocinho luta para enfrentar o vilão com armas cada vez mais modernas. Nisso, ensinamos as crianças que, para resolver as questões mundiais, precisamos de armas. E queremos quebrar esse paradigma, trabalhando essa ideia passo a passo. A sociedade já observou na prática que isso é cada vez mais questionável, e enquanto pudermos dar uma opção diferente, ou seja, de que a arma não é um brinquedo, vamos nos mobilizar”, destacou.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios