Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Decisão foi tomada devido à baixa procura dos profissionais; apenas 56% dos autorizados foram submetidos ao procedimento realizado pela CMTU

A Prefeitura de Londrina, por meio da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), decidiu prorrogar o prazo de recadastramento dos taxistas. A medida foi tomada porque apenas 208 dos 372 autorizados a explorar o serviço na cidade realizaram o procedimento dentro do período original, transcorrido entre os dias 4 de outubro e 5 de novembro.

Pelo ato executivo 138/2021, o diretor-presidente da CMTU, Marcelo Cortez, abriu período de mais 30 dias – contados a partir da última segunda-feira (8) – para que os faltosos sejam submetidos ao recadastramento obrigatório. Agora, eles terão até 7 de dezembro para protocolar o requerimento a fim de regularizar a situação.

A solicitação pode ser feita presencialmente, das 8h às 17h, no setor de atendimento da sede administrativa da CMTU; através do Sindicato dos Taxistas de Londrina, que representa a categoria; e também pelos telefones (43) 3379-7973, 3379-7966 e 3379-7928.

Após o vencimento da prorrogação, os taxistas que ainda estiverem irregulares serão notificados e poderão ser multados em R$ 293,47, segundo a lei que regulamenta o serviço no município.

De acordo com José Carlos da Silva, coordenador de Transporte Comercial da CMTU, os ausentes sofrerão abertura de processo administrativo, que pode levar à cassação da licença. Ele ressalta que a companhia informou ao sindicato a lista dos profissionais não recadastrados e que, dessa vez, não haverá mais ampliação de prazo.

Silva observa que, talvez por dificuldades financeiras, alguns autorizados demonstraram desinteresse no chamamento da CMTU sem, no entanto, abrirem mão do alvará. O coordenador afirma que a atitude está incorreta, já que, mesmo sem rodar com o veículo, o permissionário tem obrigação de se manter em dia com o Município.

Taxas

 Para aderir ao chamado da Companhia e, assim, se livrar das penalidades e medidas administrativas, o taxista precisa fazer o pagamento de quatro taxas anuais – diminuídas pelo prefeito Marcelo Belinati em julho passado por meio da Lei n° 13.236/2021 –, que juntas somam R$ 395,72.

A primeira delas é a liberação para trafegar, no valor de R$ 243,29. Em seguida, vem o pagamento referente ao uso e ocupação do solo, de R$ 79,01; à cobrança pela vistoria, de R$ 48,95; e ao custo pela emissão da carteira do condutor, na ordem de R$ 24,47. Se, além do permissionário, o veículo também for conduzido por condutor auxiliar, há ainda cobrança pela expedição de uma segunda carteira.

Vistoria – Durante a inspeção prevista no processo de recadastramento, agendada após o pagamento dos encargos, são avaliados itens como o taxímetro dos carros, as condições do envelopamento padrão da frota, cintos de segurança, extintores de incêndio, pneus e estepe, dispositivos elétricos, além de aspectos de limpeza e conservação dos táxis. As verificações serão realizadas às terças e quintas-feiras, a partir das 15h, nas plataformas 29 e 30 do Terminal Rodoviário (TRL).

Danylo Alvares/CMTU

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.