Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Por unanimidade, comissão entendeu que proposta do vereador Guilherme Belinati tem vício de iniciativa e não respeita o princípio da anterioridade

A Comissão de Justiça, Legislação e Redação da Câmara Municipal de Londrina, em reunião remota realizada ontem (18), rejeitou o projeto de lei (PL 69/2020), de autoria do vereador Guilherme Belinati (PP), que prevê a redução de 30% do subsídio mensal dos vereadores e o repasse da diferença para o Hospital Universitário (HU) de Londrina. Todos os cinco integrantes da comissão apresentaram voto contrário ao PL, o que, de acordo com o Regimento Interno da Casa, acarreta em rejeição à proposta.

Os vereadores da Comissão de Justiça acataram o parecer da Assessoria Jurídica, que indicou que o projeto de lei não respeita as regras de iniciativa para sua propositura. De acordo com o Regimento Interno da Câmara de Londrina, somente a Mesa Executiva da Casa tem competência para propor matérias sobre a fixação dos subsídios de vereadores, prefeito, vice-prefeito e secretários.

O parecer da Assessoria Jurídica ainda afirmou que, conforme as regras da Constituição Federal, os vencimentos dos vereadores serão fixados pelas Câmaras Municipais somente para a legislatura seguinte, chamado de princípio da anterioridade. O documento cita entendimentos do Supremo Tribunal Federal (STF) e do Ministério Público junto ao Tribunal de Contas do Estado do Paraná (TCE-PR) que consideram como proibida a atual legislatura alterar sua remuneração, ainda que para corrigi-la. “Somente admite-se alguma exceção à regra da anterioridade da legislatura quando se trata de hipótese em que é preciso diminuir os gastos com folha de pagamento para atendimento aos limites constitucionais ou da Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF), por exemplo. Fora disso, mesmo que para diminuição, incide a regra mencionada [da proibição]”, exemplificou o parecer jurídico.

A Comissão de Justiça analisa a constitucionalidade e a legalidade do projeto de lei, sem entrar no mérito. O relator do projeto de lei, vereador Jairo Tamura (PL), ao apresentar o voto durante a reunião pública da comissão, afirmou que, mesmo com a rejeição à proposta, os vereadores que quiserem podem ajudar o Hospital Universitário ou outra instituição. “Basta a cada interessado, como o autor da proposta, fazer a doação diretamente, dispondo de seus ganhos como lhe convier, sem que seja preciso, por isso, editar uma lei, desde que atento aos limites legais para a conduta e não implicando em violação do Código Eleitoral”, argumentou.

O vereador Guilherme Belinati, autor do projeto de lei, disse que vai recorrer da decisão da Comissão de Justiça. “Vou recorrer ao plenário e vou recorrer também à Mesa [Executiva] e à Presidência da Casa, solicitando para que eles apresentem um projeto igual a este, sendo que cabe a eles apresentarem, segundo a discussão da Comissão de Justiça. Vou fazer essa proposta e aguardar o posicionamento para ver quais serão os próximos passos a serem tomados”, disse.

Conforme o Regimento Interno, o autor da proposta tem 30 dias para apresentar recurso ao plenário. São necessários os votos de dois terços dos membros da Casa, ou seja, 13 vereadores, para que o parecer que rejeitou o projeto seja derrubado e ele prossiga para as demais comissões. Caso contrário, a proposta será arquivada.

Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios