Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Administração das unidades de saúde está em transição da Secretaria de Estado da Saúde para a Funeas, uma fundação estatal

A Comissão de Seguridade Social da Câmara de Londrina (CML) realizou ontem (12) reunião pública remota para discutir os impactos no atendimento da saúde em Londrina com a transferência da gestão dos hospitais Zona Norte (HZN) e Zona Sul (HZS) da Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) para a Fundação Estatal de Atenção em Saúde do Estado do Paraná (Funeas), uma fundação pública de direito privado. O vídeo do evento está disponível nos canais do Legislativo no Youtube e no Facebook.

A mudança foi anunciada em setembro pela Sesa e a gestão está em processo de transição. Os hospitais Zona Norte e Zona Sul são considerados de média complexidade e atendem à demanda de 21 municípios da região de Londrina. O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, destacou que ambos os hospitais atendiam a população diretamente no pronto-socorro, e que, durante a pandemia, o HZN, por exemplo, tornou-se unidade exclusiva para atendimentos de pacientes com suspeita de covid-19 encaminhados por outros serviços de saúde. “A proposta da Funeas […] é que, a partir desta transição, os hospitais Zona Norte e Zona Sul fechem o pronto-socorro para atendimento da população e passem a receber somente os casos regulados pelo Samu e pelo Siate. Este é um outro ponto que nós achamos um pouco nevrálgico para fazer uma transição tão abrupta, sem possibilidade de reestruturação da rede, sem abrir novas possibilidades assistenciais”, revelou.

A vereadora Lenir de Assis (PT), presidente da Comissão de Seguridade Social, afirmou que acompanha com atenção os desdobramentos destas mudanças no atendimento aos pacientes. “Nós estamos desde o mês de setembro, quando tivemos essa informação de que haveria essa transição da gestão destes dois hospitais da Sesa para a Funeas. De lá pra cá a gente tem feito várias conversas, especialmente com o secretário de [Saúde de] Londrina a respeito dessa situação, mas a população já começa a perceber, já começa a notar a diferença. Temos preocupação dos servidores destes dois hospitais, de outros hospitais, das UPAs, dos postos de saúde e de serviços que estão hoje sob a gestão do Cismepar”, disse.

A efetivação da mudança ainda depende da formalização de contrato entre o município de Londrina e a Funeas. Diretor-geral do Hospital Zona Norte, Reilly Lopes disse que o início da gestão da Funeas, em outubro, levou agilidade à compra de materiais e equipamentos médicos, além de ter permitido contratação emergencial de funcionários, como psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas, serviços até então não ofertados, segundo Lopes. Ainda conforme o diretor, foi criado ambulatório para oferecer, em média, mil consultas pré e pós-operatórias, por mês.

Geraldo Júnior Guilherme, diretor-geral do Hospital Zona Sul, também defendeu o novo modelo de gestão e disse que, desde que a Funeas assumiu o HZS, foram criados dez leitos de psiquiatria na instituição e contratados 35 funcionários, parte deles para suprir a saída dos empregados do Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema (Cismepar). “O hospital continua a ser 100% público, prestando 100% de atendimento para o SUS. A fundação é estatal, não é privatização como dizem, apesar de ser uma fundação de direito privado. Isso facilita algumas contratações. […] Tivemos um aporte de equipe assistencial, em que havia uma defasagem, repondo servidores do Cismepar que saíram e mais uma outra quantidade”, afirmou.

Laurito Porto de Lira Filho, presidente do Conselho Municipal de Saúde, e Elaine Rodella, representante da Associação de Saúde Mental, afirmaram que a Funeas “privatiza” a gestão dos hospitais estaduais sem ouvir a demanda dos pacientes e de órgãos de controle social. “Nós estamos cobrindo a cabeça e descobrindo o pé. A população vai ficar sem atendimento. (..) A gente vê com preocupação a falta de transparência, a falta de diálogo dentro do Conselho Estadual de Saúde, do Conselho Municipal de Saúde, e tampouco foi feito com a gestão municipal, porque essa vinda da Funeas está sendo debatida desde janeiro deste ano e só em outubro que começou a conversa [pública]. Então falta transparência, falta diálogo”, asseverou Lira Filho.

“O que não estava bom no Zona Sul e Zona Norte? A Sesa não poderia melhorar, investir mais, dar maior atenção? Essa é minha pergunta. A Sesa pode fazer e não precisa da Funeas para fazer o que a Saúde Pública vem fazendo nos últimos 30 anos com a implementação do SUS”, defendeu Rodella.

A Comissão de Seguridade Social da Câmara de Londrina é composta pelos vereadores Lenir de Assis (PT), como presidente; Nantes (PP), como vice-presidente; e Eduardo Tominaga (DEM), como membro.

Vinicius Frigeri/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.