Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com posição fortalecida em Londrina, cidade na qual criou base para um importante crescimento em todo o Paraná, a Sercomtel Telecomunicações era a penúltima operadora do setor no Brasil a atuar na esfera pública. Ontem, 18 de agosto, iniciou-se o processo de transferência do controle acionário da empresa londrinense para a Bordeaux Fundo de Investimento em Participações Multiestratégia, que venceu o leilão de desestatização da Sercomtel na B3 (Bolsa de Valores de São Paulo).

O aporte mínimo da proposta fixa foi de R$ 130 milhões, dos quais R$ 50 milhões devem ser pagos de forma adiantada, enquanto outros R$ 80 milhões serão usados conforme a necessidade de caixa da operadora. “O capital será utilizado para a expansão da infraestrutura e aperfeiçoamento dos serviços prestados”, lembrou o prefeito Marcelo Belinati, falando em nome do Município, que até então era o maior acionista, com 55% das ações. A sede da empresa permanecerá em Londrina.

O fundo Bordeaux, representado pela corretora Planner, foi o único proponente a participar do leilão e adquiriu também as ações da operadora a R$ 0,10 cada, o que representa ágio de 900% sobre o valor mínimo de R$ 0,01 por ação estabelecido no edital. A aquisição das 38 milhões de ações, além da proposta mínima, gera, aproximadamente, R$ 3.8 milhões aos acionistas Município de Londrina e a Companhia Paranaense de Energia (COPEL), que concluíram a venda da sua participação acionária no capital social da empresa.

O vencedor no leilão para cessão do direito de preferência no aumento do capital social na Sercomtel tem a garantia de que se tornará o acionista majoritário da companhia, porém ainda não há definições no certame com relação a divisão de ativos entre os acionistas. Os desdobramentos ocorrerão conforme as próximas etapas deste processo transcorrerem.

De acordo com Cláudio Tedeschi, presidente da Sercomtel Telecomunicações, a capitalização das ações da companhia faz parte do processo histórico que se iniciou com a desestatização do Sistema Telebrás. “Agora, este processo está se concluindo com a desestatização da Sercomtel Telecomunicações e, ainda nesta semana, da Copel Telecom. A Sercomtel é uma empresa que possui uma estrutura muito bem organizada, com uma marca forte no mercado do Paraná, que tem tradição e história. Tenho a certeza de que os investidores fizeram um ótimo negócio, pois na iniciativa privada eles terão condições de impulsionar a Sercomtel, que estava sem capacidade de obter os recursos necessários para continuar crescendo”, resume Tedeschi.

Fases da desestatização

As próximas etapas da desestatização da Sercomtel Telecomunicações serão a homologação, assinatura do contrato, apresentação da documentação ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (CADE) e à Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL), a realização de Assembleia para oficializar a capitalização e reestruturação societária. E, por fim, a tomada do controle da empresa pela Bordeaux Fundo de Investimentos.

Histórico do processo

No início de 2017, foi realizada análise profunda sobre a situação econômico-financeira da empresa e implantado o Plano Ações de Redução de Custos e Aumento de Receitas, com algumas ações previstas no atual Planejamento Estratégico da Sercomtel.

Essa medida foi salutar para a manutenção da empresa até os dias atuais. Em meados 2017, a Anatel instaurou o processo de cassação de autorizações e caducidade da concessão de telefonia da Sercomtel, em decorrência dos resultados acumulados entre os anos de 2009 e 2016. O órgão regulador também apontou a necessidade de novos recursos na empresa, a fim de reverter a sua crítica situação econômico-financeira.

Na sequência, através da auditoria especializada Ernst & Young, ficou demonstrado que os passivos acumulados no período analisado pela Anatel chegavam a 600 milhões de reais. Os administradores e acionistas tomaram novas ações para efetivar aportes, que culminaram, em 2019, na aprovação da Lei nº 12.871/2019. A lei autorizou o Município de Londrina a alterar o controle acionário da Sercomtel e condicionou a desestatização da Sercomtel S.A. - Telecomunicações à alienação de ações da Sercomtel Iluminação e antiga Sercomtel Contact Center, atual Companhia de Tecnologia e Desenvolvimento, para o Município de Londrina.

Em razão da aprovação legislativa, o primeiro leilão foi promovido em fevereiro de 2020, porém esta tentativa foi infrutífera, uma vez que não houve propostas formalizadas.

Breve perfil da Sercomtel

Em 2020, a Sercomtel completou 52 anos de sucesso atuando no mercado de telecomunicações. Atualmente, a empresa está presente em 200 municípios e em todas as regiões do Paraná. Em 15 cidades a Sercomtel atua com infraestrutura própria e em outras 183 cidades em parceria com a Copel. Na telefonia celular a empresa opera em duas cidades: Londrina e Tamarana.

Ao longo destes anos, a operadora conquistou o respeito e o reconhecimento do mercado nacional pela qualidade dos serviços e uso pioneiro de tecnologia avançada. Ano após ano, a Sercomtel tem se destacado entre as melhores operadoras nos índices de satisfação dos clientes apurados pela Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL).

Em 2019, a Anatel divulgou o resultado da Pesquisa de Satisfação e Qualidade Percebida em que a Sercomtel foi eleita pelos consumidores, mais uma vez, como a operadora de telefonia fixa e celular pré-pago mais bem avaliada no Paraná, único estado em que ela opera seus serviços.

Felipe Oliveira/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios