Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Com a confirmação da validade da Portaria nº 160/2016, emitida pelo Instituto Ambiental do Paraná, região sul do município poderá receber novos empreendimentos

Em decisão unânime, o Tribunal de Justiça (TJ) do Paraná confirmou a legalidade e constitucionalidade da Portaria nº 160/2016, emitida pelo Instituto Ambiental do Paraná (IAP). De acordo com o texto da decisão judicial, a norma, que altera a extensão da Zona de Amortecimento da Mata dos Godoy de 55.600 hectares para 39.300 hectares, obedece a critérios técnicos e ambientais. Além disso, também é importante para o desenvolvimento socioeconômico da região.

Dessa forma, o TJ manteve a sentença que julgou improcedente a ação judicial que se opunha à portaria, resolvendo uma questão jurídica que estava pendente havia anos. Com esta decisão judicial, o perímetro urbano de Londrina fica liberado para a implantação de indústrias às margens da PR-445; a abertura de estabelecimentos comerciais em novos pontos da zona sul; e a simplificação dos requisitos para a construção de condomínios e residências que, a partir de agora, será regida apenas pela legislação municipal.

O prefeito de Londrina, Marcelo Belinati, afirmou que a decisão é de grande importância histórica, fomentando o desenvolvimento e a industrialização do município. Marcelo ressaltou, ainda, que a medida também é voltada à preservação do meio ambiente e à promoção da qualidade de vida da população londrinense. “É uma decisão que vem em um ótimo momento, quando estamos debatendo o Plano Diretor, com o objetivo de consolidar Londrina como uma cidade empreendedora. Com a resolução desse impasse, poderemos transformar a PR-445 em um corredor industrial. Londrina tem muito potencial para receber indústrias e, nos últimos quatro anos, o município passou a contar com empresas como a multinacional indiana TCS, Sadia, J. Macêdo, Rizobacter e outras. Além disso, a região sul da cidade poderá ter novos empreendimentos habitacionais e comerciais, inclusive incentivando o turismo rural”, frisou.

Conforme o presidente do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul), Tadeu Felismino, a confirmação judicial quanto à Zona de Amortecimento impactará de forma positiva as discussões relativas ao Plano Diretor do Município. “O Plano Diretor está caminhando na Câmara Municipal e essa decisão elimina uma grande interrogação, restaurando o perímetro urbano do município. É uma oportunidade espetacular para termos um novo marco legal, ágil e sem complicações. A partir de agora, toda a legislação que for implementada vai simplificar a instalação de indústrias ao longo do PR-445, e também facilitará a implantação de outros empreendimentos. Assim, a cidade ganha uma considerável faixa de expansão ao sul”, salientou.

O procurador-geral do Município, João Luiz Esteves, destacou que a decisão proporciona segurança jurídica para a administração e para a comunidade. “Da forma como estava, a situação era prejudicial para o Município. Com esta vitória judicial, a partir de agora poderemos avançar significativamente na legislação, abordando questões que estavam travadas fazia muito

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.