Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Evento foi promovido para debater projeto de lei de autoria dos vereadores Eduardo Tominaga e Daniele Ziober e do ex-parlamentar Felipe Prochet

A Câmara Municipal de Londrina (CML) realizou ontem  (25) audiência pública para discutir o projeto de lei (PL) nº 197/2019, que diferencia as normas de implantação de crematórios e cemitérios de animais de pequeno e médio portes em Londrina. Realizado em formato híbrido e com transmissão pelas mídias sociais do Legislativo, o evento foi coordenado pela Comissão de Política Urbana e Meio Ambiente, pela Comissão dos Direitos e Bem-Estar Animal e pela Comissão de Administração, Serviços Públicos, Fiscalização e Transparência. Sugestões por escrito ao projeto poderão ser enviadas até esta terça-feira (26), às 19h, pela aba “Protocolo” no site do Legislativo ou presencialmente no prédio da CML.

Proposta pelos vereadores Eduardo Tominaga (DEM) e Daniele Ziober (PP), e pelo ex-parlamentar Felipe Prochet, a proposta altera o Código de Obras e Edificações (lei municipal nº 11.381/2011), o Código de Posturas (lei municipal nº 11.468/2011) e a Lei de Uso e a Ocupação do Solo (lei municipal nº 12.236/2015). O projeto de lei diferencia as operações de cemitérios e de crematórios de animais domésticos de pequeno e médio portes, hoje tratadas de forma semelhante pela legislação municipal. O PL inclui os crematórios de animais nas regras de crematórios em geral, desobrigando a atividade de cumprir regras relativas a cemitérios. Segundo os autores, a atual igualdade de condições inviabiliza a criação de crematórios de animais em Londrina, tanto públicos quando particulares.

 “É só observar que essa atividade é feita hoje em outras cidades e não em Londrina. Infelizmente, quando há necessidade de se cremar um animal, tem que ser levado para outra cidade. Acredito que a mais próxima aqui é Arapongas. Realmente, é um projeto importante para a gente oportunizar os empreendimentos desta natureza aqui em Londrina”, ressaltou o vereador Eduardo Tominaga.

O projeto de lei também retira a possibilidade de implantação de incineradores de animais, passando a permitir somente crematórios. Durante a tramitação, os autores apresentaram a emenda nº 1, que retira do PL a previsão de crematórios e cemitérios na zona rural. A vereadora Daniele Ziober, que também é presidente da Comissão de dos Direitos e Bem-Estar Animal da CML, disse que a proposta busca adequar a legislação à realidade de Londrina. “Nós não temos nem crematório nem cemitério destinado aos animais, ou seja, a destinação de cadáveres de animal é realizada de forma totalmente incorreta pela maioria, o que gera contaminação do nosso solo e dos nossos mananciais. É um crime ambiental extremamente agressivo, que impacta diretamente na saúde pública, isto é, temos que realmente adequar tudo isso e esse projeto de lei traz clareza à legislação”, defendeu Ziober.

Participação popular

Durante a audiência pública, moradores da cidade puderam se manifestar a respeito do projeto de lei em debate. O advogado João Henrique de Almeida Scaff defendeu a implantação de crematórios privados para evitar que pessoas enterrem os corpos dos animais irregularmente. “Quando ocorre a morte, ele vai no fundo do quintal dele, faz um buraco e enterra ou quando muito joga num fundo de vale. Isso é um problema. Quando você abre as portas para a iniciativa privada (...) você traz também a função social destas empresas que vão trazer uma melhoria e que vão atender inclusive as próprias ONGs, que através de parcerias poderão dar o descarte correto para a estes resíduos biológicos”, afirmou.

Pareceres - A Assessoria Jurídica da Câmara de Londrina indicou que o projeto seria contrário à Constituição Federal e ao Estatuto da Cidade, entre outras leis, porque não foi submetido a planejamento, estudos prévios e análises de impactos urbanísticos, sociais e ambientais. Porém, a Comissão de Justiça, Legislação e Redação não corroborou o parecer jurídico e manifestou-se favoravelmente ao PL. Atualmente a proposta encontra-se em análise pelas três comissões organizadoras da audiência pública: Comissão de Política Urbana e Meio Ambiente, Comissão dos Direitos e Bem-Estar Animal e Comissão de Administração, Serviços Públicos, Fiscalização e Transparência. Apenas após parecer das comissões é que o projeto poderá ser enviado para votação em plenário.

Manifestações

Durante a tramitação do projeto de lei, diversas entidades e órgãos públicos foram consultados sobre a matéria. A Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação, a Administração dos Cemitérios e Serviços Funerários de Londrina (Acesf) e o Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul) destacaram que as alterações propostas poderiam ser discutidas durante o processo de revisão das leis específicas do Plano Diretor, está em andamento no Executivo Municipal, incluindo a Lei de Uso e Ocupação do Solo, Código de Posturas e Código de Obras e Edificações.

O Conselho Municipal da Cidade (CMC) manifestou-se no sentido de que haja um crescimento econômico concomitante com a preservação do ambiente. O Conselho Regional de Medicina Veterinária (CRMV) afirmou que a regulamentação destes empreendimentos contempla uma demanda crescente. O Centro Universitário Filadélfia (Unifil) informou, por meio de docentes do curso de Medicina Veterinária, que o projeto para crematório de animais seria a melhor solução, pois – segundo o parecer – não há estudos suficientes sobre os impactos ambientais e cuidados necessários em cemitérios de animais.

Vinicius Frigeri/Asimp

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.