Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Preços dos produtos variam de R$ 3 até R$ 100; população encontra uma diversidade grande de lembranças e presentes, e ainda ajuda os grupos de inclusão produtiva

Com foco no Dia das Mães, que será celebrado neste domingo (9), a Prefeitura de Londrina convida a população a conhecer e adquirir os produtos elaborados pelos participantes do Programa Municipal de Economia Solidária (ECOSOL) – uma iniciativa da Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS).

Estão à venda itens de artesanato, produtos alimentícios e objetos de decoração para diversos ambientes, incluindo a casa e o trabalho. Os preços variam de R$ 3 até R$ 100. Com esses valores, é possível adquirir bombons; barras e kits de chocolate; bolachas caseiras de diversos sabores e tamanhos; flores permanentes; vasos decorativos; adornos e enfeites; artigos de cama, mesa e banho; bolsas e nécessaire, entre outras opções.

Na página de Instagram do Economia Solidária (https://www.instagram.com/ecosol_londrina/), há alguns exemplos do que vem sendo produzido pelos participantes do programa. Para quem quiser conferir outras produções, não relacionadas à data em questão, é possível acessar a página de Facebook da iniciativa (Clique aqui).

Os produtos podem ser encontrados em dois locais, que são o Centro Público e a Casa Café e Arte. O Centro Público de Economia Solidária fica na Avenida Rio de Janeiro, 1278, esquina com a Avenida Juscelino Kubitschek (JK). O espaço funciona de segunda a sexta-feira, das 10 h às 17 h, e aos sábados, das 11h às 13h. Já a Casa da Economia Solidária Café e Arte fica na Praça 7 de Setembro, s/nº, no Centro. A unidade atende de segunda a sexta-feira, das 10 h às 17 h.

O gerente de Inclusão Social do Economia Solidária, Marcílio Ronaldo Garcia, explicou que o programa é uma forma de organizar o trabalho, baseando-se na igualdade de responsabilidades dos participantes dos Empreendimentos Econômicos Solidários (EES). Por isso, esses grupos são formados por trabalhadores das áreas urbanas e rurais, com o objetivo de gerar trabalho e renda, e pautados em princípios de autogestão, cooperação e solidariedade. “As iniciativas contam com apoio da Cáritas Arquidiocesana de Londrina, que possui parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, para a execução do Projeto de Educação Socioprofissional e Promoção da Inclusão Produtiva. Ele é uma ação complementar aos serviços já prestados pela Secretaria de Assistência Social”, esclareceu.

A parceria mencionada por Garcia está vinculada à Modalidade II do Projeto, que trata do fortalecimento de iniciativas coletivas para a promoção da inclusão, com estímulo ao desenvolvimento profissional voltado à geração de trabalho e renda. Essas ações estão descritas no artigo 25 da Lei Orgânica da Assistência Social (Lei nº 8.742/93).

Em Londrina, a Economia Solidária vem sendo estimulada desde 2003, quando foi realizada a 1ª Feira de Economia Solidária e Geração de Renda (Feisol). Esse evento foi promovido com ajuda das secretarias municipais de Assistência Social; Agricultura e Abastecimento; Políticas para as Mulheres; Idoso; e Cultura. Também contou com o apoio do Provopar, Museu de Arte de Londrina, Sercomtel, Instituto de Desenvolvimento de Londrina (CODEL) e Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU). Em agosto de 2005, o Município implantou o Programa de Economia Solidária, que funciona até hoje, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), em parceria com a Cáritas Arquidiocesana de Londrina.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.