Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Preços dos produtos variam de R$ 3 até R$ 100; população encontra uma diversidade grande de lembranças e presentes, e ainda ajuda os grupos de inclusão produtiva

Com foco no Dia das Mães, que será celebrado neste domingo (9), a Prefeitura de Londrina convida a população a conhecer e adquirir os produtos elaborados pelos participantes do Programa Municipal de Economia Solidária (ECOSOL) – uma iniciativa da Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS).

Estão à venda itens de artesanato, produtos alimentícios e objetos de decoração para diversos ambientes, incluindo a casa e o trabalho. Os preços variam de R$ 3 até R$ 100. Com esses valores, é possível adquirir bombons; barras e kits de chocolate; bolachas caseiras de diversos sabores e tamanhos; flores permanentes; vasos decorativos; adornos e enfeites; artigos de cama, mesa e banho; bolsas e nécessaire, entre outras opções.

Na página de Instagram do Economia Solidária (https://www.instagram.com/ecosol_londrina/), há alguns exemplos do que vem sendo produzido pelos participantes do programa. Para quem quiser conferir outras produções, não relacionadas à data em questão, é possível acessar a página de Facebook da iniciativa (Clique aqui).

Os produtos podem ser encontrados em dois locais, que são o Centro Público e a Casa Café e Arte. O Centro Público de Economia Solidária fica na Avenida Rio de Janeiro, 1278, esquina com a Avenida Juscelino Kubitschek (JK). O espaço funciona de segunda a sexta-feira, das 10 h às 17 h, e aos sábados, das 11h às 13h. Já a Casa da Economia Solidária Café e Arte fica na Praça 7 de Setembro, s/nº, no Centro. A unidade atende de segunda a sexta-feira, das 10 h às 17 h.

O gerente de Inclusão Social do Economia Solidária, Marcílio Ronaldo Garcia, explicou que o programa é uma forma de organizar o trabalho, baseando-se na igualdade de responsabilidades dos participantes dos Empreendimentos Econômicos Solidários (EES). Por isso, esses grupos são formados por trabalhadores das áreas urbanas e rurais, com o objetivo de gerar trabalho e renda, e pautados em princípios de autogestão, cooperação e solidariedade. “As iniciativas contam com apoio da Cáritas Arquidiocesana de Londrina, que possui parceria com a Secretaria Municipal de Assistência Social, para a execução do Projeto de Educação Socioprofissional e Promoção da Inclusão Produtiva. Ele é uma ação complementar aos serviços já prestados pela Secretaria de Assistência Social”, esclareceu.

A parceria mencionada por Garcia está vinculada à Modalidade II do Projeto, que trata do fortalecimento de iniciativas coletivas para a promoção da inclusão, com estímulo ao desenvolvimento profissional voltado à geração de trabalho e renda. Essas ações estão descritas no artigo 25 da Lei Orgânica da Assistência Social (Lei nº 8.742/93).

Em Londrina, a Economia Solidária vem sendo estimulada desde 2003, quando foi realizada a 1ª Feira de Economia Solidária e Geração de Renda (Feisol). Esse evento foi promovido com ajuda das secretarias municipais de Assistência Social; Agricultura e Abastecimento; Políticas para as Mulheres; Idoso; e Cultura. Também contou com o apoio do Provopar, Museu de Arte de Londrina, Sercomtel, Instituto de Desenvolvimento de Londrina (CODEL) e Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU). Em agosto de 2005, o Município implantou o Programa de Economia Solidária, que funciona até hoje, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), em parceria com a Cáritas Arquidiocesana de Londrina.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios