Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

População pode adquirir produtos feitos à mão, com um preço justo e por meio de grupos que trabalham pela cooperação mútua

Faltando exatamente um mês para uma das festas mais encantadas do ano, o Programa Municipal de Economia Solidária (Ecosol) divulga os produtos da Coleção de Natal 2020. Os interessados podem conferir os diversos enfeites, lembranças, presentes e alimentos típicos dessa festividade, de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h, e aos sábados, das 11h às 13h, no Centro Público do Economia Solidária, localizado na avenida Rio de Janeiro, 1.278.

Além do Centro Público alguns produtos estão expostos para a comercialização na Casa de Economia Solidária – Café e Arte, que fica na Praça 7 de Setembro, na rua João Cândido esquina com a Piauí. O local funciona de segunda a sexta-feira, das 9h às 17h. Os empreendimentos solidários também tem uma página no Instagram e no Facebook para divulgar as produções.

Entre os produtos alimentícios vendidos há panetones, chocotones, bolachas natalinas decoradas, licores, pão de mel e café. Além disso, para aqueles que gostam de decorar a casa e trabalhar com mesa posta, estão à venda vários enfeites, bonecos de Papai Noel, anjos, guirlandas, porta panetone, panos de prato, jogo americano, velas, guardanapos, almofadas, toalhas de mesa, entre outros. Aqueles que preferirem também podem optar por montar uma cesta de natal, com os itens que mais gosta. Este ano, os preços variam de R$ 3,00 a R$ 200,00.

Segundo o gerente de Inclusão Produtiva da Secretaria de Assistência Social, Marcílio Ronaldo Garcia, a pandemia do novo coronavírus influenciou diretamente a vida dos empreendedores, refletindo na produção e nas vendas dos produtos. “Esperamos que nesse período do ano, com a proximidade do Natal, os grupos do economia solidária tenham a oportunidade de fortalecer a geração de renda e que os moradores de Londrina consigam realizar um consumo mais consciente e solidário”, disse  Garcia.

Os itens produzidos através do Programa Economia Solidária apresentam uma alternativa frente àqueles fabricados por empresas tradicionais. Isso porque, no programa, os itens são feitos seguindo um modelo organizacional que enfatiza os empreendimentos solidários, com novas formas de convivência e de organização, amparadas na cooperação, na equidade, na sustentabilidade, no associativismo e microcrédito. Por isso, entre os 31 grupos participantes são estimulados os valores de mutualidade e de reciprocidade, para promover o desenvolvimento socioeconômico do município e região.

Em Londrina, este modelo de empreendimento vem sendo estimulado desde 2003, quando foi realizada a 1ª Feira de Economia Solidária e Geração de Renda (Feisol), com a ajuda das Secretarias Municipais de Assistência Social, de Agricultura e Abastecimento, de Políticas para as Mulheres, do Idoso, Cultura, e com o apoio do Provopar, do Museu de Arte de Londrina, da Sercomtel, do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (CODEL), e da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU).

Em agosto de 2005, o Município implantou o Programa de Economia Solidária, que funciona até hoje, sob a coordenação da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS), em parceria com a Congregação das Irmãs da Pequena Missão para Surdos.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios