Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Público encontrará produtos diversificados, com qualidade e preço justo, no ramo alimentício e de decoração

A Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) lançou, na terça-feira (20), os produtos natalinos do Programa Municipal de Economia Solidária, com o objetivo de divulgar os produtos dos empreendimentos e fomentar uma nova economia pautada na cooperação, solidariedade e autogestão. A solenidade ocorreu no Centro Público, localizado na Avenida Rio de Janeiro, 1.278.

Este ano estão sendo comercializados os tradicionais panetones, chocotones, biscoitos, trufas, licores de chocolate, mel e café, bombons, massas, café, geleias, entre outros produtos alimentícios, além de itens produzidos com o tema do Natal, como guirlandas, guardanapos, toalhas, caminhos de mesa, cobre-bolos e enfeites. Uma das novidades de 2018 é que o público poderá montar sua própria cesta natalina, com os mais variados produtos disponíveis. Os preços dos itens variam de R$ 5,00 (bolachinha) a R$ 180,00 reais (quadro).

A secretária municipal de Assistência Social, Maria Inês Galvão de Mello, contou que esta é uma época muito importante para os empreendedores do programa, que se dedicam para produzir itens especialmente para esta data. “São produtos exclusivos, únicos, com qualidade e preço justo. Sabemos que muitos grupos têm, inclusive clientes fixos, que os procuram justamente por conhecer a procedência dos produtos. Convidamos toda a população londrinense para prestigiar a coleção natalina de 2018”, ressaltou.

O gerente de Inclusão Produtiva da SMAS, Rodrigo Zambon, lembrou que os empreendedores do programa integram o público atendido pela Assistência Social e que se uniram em solidariedade, cooperação e trabalho na forma de autogestão. “A atividade proporciona viabilidade econômica para eles, por meio de seus esforços, criatividade, competências e habilidades”, disse.

O representante da Congregação das Irmãs da Pequena Missão para Surdos, Paulo Henrique de Aguiar, contou que a entidade está participando do serviço desde setembro deste ano. “Somos recentes nesta caminhada, mas desde que chegamos aqui temos aprendido muito com os empreendimentos e com os servidores. É uma satisfação participar deste momento importante para o Programa e ser parceiro da Prefeitura de Londrina neste trabalho”, afirmou.

Representando os empreendimentos do Programa, Cleide Oberle, do Mareclê Crochê, contou que está no Programa há três anos, desde que voltou a morar em Londrina, após 40 anos residindo em São Paulo. “Quando eu voltei para Londrina eu precisava de algum trabalho para complementar a minha renda e surgiu a oportunidade de participar do programa. Além da ajuda financeira, participar do Economia Solidária é como uma terapia, pois preenche meu tempo e me permitiu fazer novos amigos”, lembrou.

Pontos de venda

A comercialização está sendo realizada nos dois pontos do programa. Um deles, é o Centro Público de Economia Solidária, que funciona de segunda a sexta-feira, das 9 às 17 horas, na Avenida Rio de Janeiro, 1.278, esquina com a avenida Juscelino Kubitscheck. O outro local é a Casa da Economia Solidária Café e Arte, aberta de segunda a sexta, das 9 às 18 horas, e aos a sábados das 9 às 14 horas, na Praça 7 de Setembro, na Rua João Cândido, esquina com a Rua Piauí.

Sobre o programa

É conduzido pela Prefeitura de Londrina, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, em parceria com a Congregação das Irmãs da Pequena Missão para Surdos. São disponibilizados apoio técnico, assessoria e capacitação à produção e comercialização de diferentes produtos.

Atualmente participam do Programa 60 empreendimentos, o que representa cerca de 200 pessoas. Eles atuam em quatro áreas de produção: artesanato, prestação de serviços, alimentação e confecção.

Dayane Albuquerque/NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios