Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Encontro foi realizado ontem (16) pelas comissões de Seguridade Social e de Direitos Humanos do Legislativo

Em reunião na Câmara de Londrina, ontem( 16), o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, apresentou um plano com ações a serem implementadas na área de saúde mental em Londrina a partir do próximo ano, como a criação de uma segunda equipe do Consultório na Rua, a realização de concurso público para contratação de profissionais e a ampliação dos atendimentos nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps). Coordenado pelas comissões de Seguridade Social e de Direitos Humanos e Defesa da Cidadania do Legislativo, o encontro contou com a presença da promotora de Direitos Humanos e Saúde Pública de Londrina, Susana Feitosa de Lacerda, do assistente social do Ministério Público do Paraná (MPPR), Marco Antonio da Rocha, e dos conselheiros municipais de saúde Vaine Marques e Edvaldo Viana. Também estiveram presentes os vereadores Lenir de Assis (PT), Lu Oliveira (PL), Eduardo Tominaga (DEM), Nantes (PP) e Prof.ª Flávia Cabral (PTB).

Londrina conta hoje com três Caps, que são serviços do Sistema Único de Saúde (SUS) que prestam atendimentos na área de saúde mental e foram criados para evitar internações em hospitais psiquiátricos. Há na cidade um Caps Álcool e Drogas (Caps AD), um Caps Infantil (Caps I) e um Caps III, o único que funciona 24 horas e que oferece leitos para acolhimento noturno e de curta permanência de adultos. Um levantamento feito pelo MPPR no ano passado e que acaba de ser consolidado mostrou que há falta de recursos humanos nos três centros, problema que vem sendo agravado pela saída de profissionais contratados pelo Consórcio Intermunicipal de Saúde do Médio Paranapanema (Cismepar). O Cismepar conta atualmente com um programa de apoio aos três Caps, mas esse programa será finalizado em agosto de 2022.  

Para suprir de forma imediata a carência de pessoal, o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, afirmou que deve redirecionar para a saúde mental enfermeiros e técnicos de enfermagem que foram contratados na pandemia e acabaram cedidos ao Hospital Universitário (HU). Já em 2022 a intenção é abrir um grande concurso público para a área da saúde. Outra medida que está sendo estudada é alterar a modalidade do Caps Infantil e do Caps Álcool e Drogas, de Caps II para Caps III, que tem porte maior e funciona 24 horas. Machado também disse que o objetivo é fazer o acolhimento de casos de saúde mental nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). "O secretário acatou nossas sugestões, dadas em outras reuniões, voltadas a ampliar a rede de serviços. […] Ele assumiu o compromisso de em 2022 aumentar as equipes e implementar novos serviços, tais como implantar o acolhimento de saúde mental na saúde primária. Ou seja, lá nas UBSs, onde as pessoas estão, em seus territórios, ter uma porta de entrada dos atendimentos em saúde mental", disse Lenir de Assis.

Outros compromissos assumidos foram ampliar a atual equipe do Consultório na Rua, modalidade de atenção à saúde direcionada às pessoas em situação de rua, além de formar uma segunda equipe. A Secretaria da Saúde pretende ainda ofertar novas vagas de residência terapêutica. "Formularemos um documento com essas medidas e a partir de janeiro faremos esse acompanhamento, essa fiscalização", afirmou Lenir de Assis.

Marcela Campos/Asimp/CML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.