Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Segunda edição da maratona aconteceu nos dias 18 a 20 de outubro. Vencedores serão divulgados nesta sexta-feira (25)

Com a intenção de gerar inovação para um dos setores mais tradicionais da economia, o 2º Hackaton Construtech, em Londrina, estimulou o surgimento de 13 projetos. A segunda edição da maratona de programação aconteceu nos dias 18 a 20 de outubro e foi promovida pelo Sebrae/PR, Sinduscon Norte/PR (Sindicato das Indústrias de Construção Civil do Norte do Paraná) e Clube de Engenharia e Arquitetura de Londrina (Ceal). Ao final das atividades foram anunciadas as três equipes finalistas.

A iniciativa teve a correalização do Senai e promoção da Governança e Inovação da Construção Civil Norte do Paraná (Icon). O resultado da maratona será divulgado na próxima sexta-feira, dia 25, na cerimônia de encerramento da Construtech Week, semana dedicada a refletir as novidades e necessidades da construção civil de Londrina e região.

Durante o Hackathon, os participantes foram provocados a desenvolver soluções inovadoras que ajudem a resolver problemas do dia a dia do setor e atender as necessidades do mercado.

Rubens Negrão, consultor do Sebrae/PR, avaliou como um sucesso a segunda edição do evento por ter registrado maior engajamento de mentores, melhorias na qualidade dos projetos desenvolvidos e o fortalecimento das relações entre os atores que integram o ambiente da construção civil de Londrina.

 “Promovemos um ambiente de inovação para o setor na cidade, incentivamos o empreendedorismo e o surgimento de soluções focadas nos gargalos da construção. Favorecemos a conexão entre as empresas do setor privado, as entidades de apoio e as instituições de ensino. Tudo isso em um único final de semana”, comemorou.

Finalistas

O acadêmico José Roverato integra uma das equipes finalistas da maratona, a E-mpreita, que desenvolveu um aplicativo que leva o nome do grupo. Ele contou que a ideia funciona como uma central de cadastro de prestadores de serviços que reúne em um mesmo ambiente contatos de pedreiros, pintores, azulejistas, gesseiros, encanadores e outros profissionais. “A ferramenta poderá ser usada por engenheiros, arquitetos e até mesmo a pela população que deseja encontrar profissionais para prestar pequenos serviços”, detalhou.

Solucionar problemas rotineiros que surgem nos canteiros de obras é a finalidade do aplicativo desenvolvido pela equipe Isuplies. A solução poderá ser usada no controle de custos, estímulo da produtividade e nas restrições que costumam atrasar a execução das etapas das obras. “Com a colaboração dos usuários, a Ahnil, nome que demos para a ferramenta, poderá também trazer o custo real de materiais por cidades e regiões. O que ajudará as empresas que desejam abrir filiais em outras localidades e até mesmo profissionais que executam projetos em diferentes locais”, explicou a estudante de engenharia civil, Dalara Andreazi Falda.

O grupo Integra C desenvolveu um aplicativo que propõe otimizar a comunicação entre quem está trabalhando no canteiro de obra e projetistas que estão no escritório. “Atualmente essa comunicação acontece via telefone, Whatsapp ou e-mail, o que pode resultar em desconexões de informações. Nossa solução integra todas as informações maneira segura e a qualquer momento, gera relatórios e forma um grande banco de dados”, disse Veridiana Victorelli, estudante de publicidade e design.

Após fomentarem novas ideias, os organizadores da maratona têm o desafio de criar uma estrutura de apoio para que estas iniciativas não se percam após evento.

Números do 2º Hackaton

A maratona registrou a participação de 59 inscritos que desenvolveram 13 ideias inovadoras. O grupo de mentores foi formado por 55 profissionais. Para a realização, 26 empresas e instituições estiveram envolvidas. A banca que definiu os três projetos finalistas era composta por oito avaliadores.

O primeiro colocado receberá R$ 5 mil, o segundo R$ 3 mil e o terceiro R$ mil para serem investidos no desenvolvimento das ideias em negócios.

Primeira edição

A edição realizada no ano último ano resultou em startups formadas no evento que continuam na ativa buscando soluções tecnológicas para o setor. Helena Takahara, estudante de engenharia civil, participou da primeira edição e ajudou a criar a Chronos Planejamento, plataforma que promove a melhoria da gestão no canteiro de obras, resultando em redução de tempo, da probabilidade de erros e de custos. Desde que a startup saiu do Hackathon, os integrantes passaram por mentorias, foram inseridos na Icon, participaram de feiras e eventos.

 “A ideia surgiu porque fomos desafiados a pensar em soluções. Construímos networking importante, que tem nos ajudado. Atualmente estamos na fase de desenvolvimento do protótipo que será testado em construtoras nas próximas semanas. Estamos animados para as próximas etapas”, projetou.

Adriano Oltramari/Asimp/Sebrae

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios