Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

População será orientada sobre como proceder diante do pedido de socorro, sinalizado com um X vermelho, feito por mulheres vítimas de violência

O prefeito Marcelo Belinati assinou, ontem (6), a lei municipal n° 13.279, que estabelece o Programa Sinal Vermelho como uma ação permanente na cidade. O símbolo, letra X na cor vermelha, é utilizado por mulheres que sofrem violência doméstica e familiar para pedir ajuda, principalmente nos estabelecimentos comerciais. Agora, este programa deve ser reforçado durante todo o ano, para que entidades públicas e privadas reconheçam o sinal e, diante do pedido de socorro, acionem a Guarda Municipal (153), Polícia Militar (199) ou outras instâncias de proteção às vítimas de violência.

Para sanção da lei, o prefeito recebeu em seu gabinete a secretária municipal de Política para as Mulheres, Liange Doy, e vereadoras autoras do projeto convertido na lei n° 13.279. Protocolado pela vereadora Sonia Gimenez, o projeto inclui, como coautoras, as vereadoras Daniele Ziober, Profª Flávia Cabral, Jessicão, Lenir de Assis, Lu de Oliveira e Mara Boca Aberta.

No encontro para assinatura e sanção da lei, o prefeito Marcelo Belinati reforçou que a Prefeitura tem atuado em diversas frentes para proteger as mulheres vítimas de violência doméstica. Só nesta semana, foi lançado o Projeto Alicerce, que vai promover oportunidades de emprego às mulheres atendidas pelo Centro de Atendimento à Mulher (CAM) e Casa Abrigo Canto de Dália.

Também foi sancionada a lei que implementa a Patrulha Maria da Penha, até então ofertada por meio de convênio, como uma política pública permanente na cidade. “Essas e muitas outras ações, de saúde, emprego e outras áreas, estão sendo realizadas com muito empenho, porque o nosso foco são as pessoas. E o Outubro Rosa, campanha que estamos participando neste mês, engloba tudo isso. Com o apoio da Câmara, dedicação dos servidores e do secretariado, procuramos suprir essas demandas, que sempre vão existir, mas faremos tudo o que for possível para atender”, frisou o prefeito.

A secretária municipal de Política para as Mulheres, Liange Doy, lembrou que o programa Sinal Vermelho é uma política nacional, que foi lançada pelo Conselho Nacional de Justiça (CNJ) em parceria com a Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB). “Em Londrina, a nova lei municipal agrega pontos que a política nacional não contemplou. Agora, foi instituído que na esfera pública e privada reconheçam o sinal e ofereçam ajuda. Então precisamos ter outras ações e medidas que levem o Programa Sinal Vermelho ao conhecimento de todos”, citou.

No mês de novembro, durante os 16 Dias de Ativismo pelo Fim da Violência contra as Mulheres, a Prefeitura irá promover ações de conscientização para aplicação da lei municipal n° 13.279 (Sinal Vermelho), e outras legislações que tratem do enfrentamento da violência contra a mulher.

De acordo com a vereadora Sônia Gimenez, que apresentou o projeto de lei do Programa Sinal Vermelho, o intuito com a proposta é ampliar as ações já desenvolvidas em campanhas pontuais e que obtiveram ótima repercussão. “Esse programa já acontece na cidade, mas a lei faz com que seja contínuo, ampliando a discussão sobre o tema. Esse foi nosso intuito maior, ofertar às mulheres que estão sofrendo alguma agressão ou outro tipo de violência um canal seguro para que se manifestem e tenham uma resposta, um suporte”, disse.

As demais autoras do projeto complementaram as informações de Gimenez. Para a vereadora Mara Boca Aberta, a lei tornou-se realidade graças à união das mulheres do Legislativo, e vai permitir que um gesto simples salve vidas, poupando novas vítimas do feminício. Já a vereadora Daniele Ziober citou que o X vermelho é um pedido de socorro silencioso que, feito em qualquer lugar, fará com que a vítima seja protegida.

A vereadora Lenir de Assis destacou que o Sinal Vermelho é um instrumento de defesa, e a orientações sobre o programa vai atingir muitos que ainda não acreditam nas diferentes formas de violência contra a mulher – física, psicológica ou moral, econômica, sexual, entre outras. Para a Profª Flávia Cabral, a sanção da lei torna-se ainda mais emocionante ao recordar das centenas de vítimas de feminicídio, e vai contribuir para quebrar o ciclo de violência que ainda se perpetua em muitos lares.

Representando a Sociedade Norte-Paranaense de Farmacêuticos, a sanção da lei contou com presença da farmacêutica Leila de Castro Marques Morari. A comerciante, que é proprietária de uma farmácia na Avenida Harry Prochet, citou que o estabelecimento é um lugar muito aproveitado pelas mulheres que sofrem violência dado o vínculo que se forma entre o profissional e os clientes. “Sabemos que a farmácia, assim como os salões de beleza, são lugares onde a mulher fica segura para desabafar. E fico feliz em saber que uma ação tão importante, que é o Sinal Vermelho, vai chegar a mais lugares e terá ainda mais visibilidade”, afirmou Morari.

A assinatura da lei teve ainda a presença do vice-prefeito João Mendonça; o chefe de Gabinete, Moacir Sgarioni; o vereador Matheus Thum. Da Secretaria Municipal de Políticas para as Mulheres (SMPM), compareceram a assistente social do CAM e gerente de Inclusão Social e Produtiva da SMPM, Sirlei Fortes de Jesus, e a assessora de Políticas Públicas e consultora jurídica, Maryanne Lopes Martins.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.