Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Após 20 anos de reivindicação, pessoas que fazem hemodiálise passaram a contar com o transporte também aos sábados, fundamental para manter a periodicidade do procedimento

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) ampliou o serviço de transporte para pacientes renais crônicos que precisam se deslocar às clínicas para realizar hemodiálise, procedimento que limpa e filtra o sangue, por meio de uma máquina, fazendo parte do trabalho que o rim doente não pode fazer. Além dos dias de semana, o Município passou a oferecer o serviço também aos sábados, uma demanda de 20 anos que agora está sendo atendida.

A conquista foi possível graças a compra de mais duas vans, por meio de uma parceria entre os governos municipal e estadual, que foram direcionadas para o setor de Transporte Clínico Agendado que, além de pacientes renais, também transporta aqueles que necessitam de outros tratamentos contínuos em locais específicos, como fisioterapia, quimioterapia e cobalto, além daqueles que precisam fazer exames e consultas eventuais.

O transporte é oferecido gratuitamente pelo Município aos pacientes que têm dificuldades de utilizar o transporte coletivo, por estarem debilitados devido à doença, e que não têm condições socioeconômicas de arcar com o custo de um veículo particular. Atualmente, 86 pacientes em Londrina utilizam o transporte da prefeitura para fazer hemodiálise em clínicas conveniadas pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

O secretário da pasta, Felippe Machado, enfatizou que esta é mais uma ação da Prefeitura que proporcionará grande relevância para a vida das pessoas e demostra que Londrina está, cada vez mais, avançando na qualidade do serviço oferecido ao cidadão. Ele lembrou que esta era uma reivindicação antiga, de mais de 20 anos, dos pacientes que fazem hemodiálise, que são pessoas muitas vezes debilitadas pelo seu estado de saúde.

 “Estes pacientes requeriam que este transporte fosse disponibilizado aos sábados e o prefeito Marcelo Belinati, sabendo da legitimidade deste pedido, conseguiu viabilizar mais esse avanço. É uma serviço de excelência, que não se tem inclusive na iniciativa privada, uma vez que nossos motoristas buscam os pacientes nas suas casas, com vans novas e adaptadas para cadeirantes, e após a sessão de hemodiálise retornam e deixam os pacientes em suas residências”, apontou.

A coordenadora do Apoio Social da SMS, Ivana Paula Furlan Rodolpho, explicou que a hemodiálise é um procedimento que precisa ser feito com periodicidade, por isso a importância do transporte também aos sábados. “Os pacientes precisam fazer a hemodiálise três vezes na semana, por isso alguns fazem às segundas, quartas e sextas e outros às terças, quintas e sábados. Antes, o transporte aos sábados ficava por conta das famílias e agora tivemos esta conquista para os pacientes, que estão muito felizes e agradecidos”, relatou.

Ivana destacou ainda que trata-se de um serviço fundamental para garantir acesso ao tratamento disponibilizado pelo convênio com o SUS aos pacientes que não têm condições socioeconômicas para pagar transporte ou à família que não tem meios para levá-los.

Para admissão do paciente no Transporte Clínico, é necessário que ele ou o familiar pegue o encaminhamento da clínica conveniada, informando os dias e horários disponíveis para a realização do tratamento, e leve o documento até o Apoio Social da SMS para iniciar o processo de avaliação social, que inclui entrevista com os familiares e visita domiciliar.

Após admitido pelo Apoio Social, a operacionalização do transporte é realizada pela Gerência de Transporte da Secretaria Municipal de Saúde (GETRAN).  O Apoio Social funciona de segunda a sexta-feira, das 8 às 14 horas, na Rua Teodoro Victorelli, 103.

A esposa de um dos pacientes que utiliza o transporte clínico, Vilma Pelicer Duarte, disse que a extensão do serviço para os sábados foi uma bênção para a sua família. Segundo ela, para que o seu esposo pudesse fazer o procedimento aos sábados muitas vezes era necessário pagar táxi, já que os motoristas de aplicativos nem chegavam até a sua residência, localizada em um chácara. “Estamos muito felizes com o serviço da Prefeitura, pois o veículo vem até a nossa chácara e o motorista do veículo, seu Paulo, é muito prestativo. Ele ajuda a colocar o meu esposo, que é cadeirante, dentro da van”, contou.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios