Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Consumo de bebidas alcoólicas em qualquer estabelecimento de Londrina está proibido pelos próximos 14 dias, podendo ser prorrogado

Na tentativa de conter a propagação do novo Coronavírus, a Prefeitura de Londrina decretou, nesta sexta-feira, a Lei Seca. A partir de hoje (11), a população que for pega bebendo bebidas alcoólicas em qualquer espécie de estabelecimento e os proprietários do empreendimento, que comercializarem o produto para consumo presencial, serão multados e responderão civil, penal e administrativamente.

Com a publicação do Decreto n.º 1.053, em Jornal Oficial, está proibida a venda ou o fornecimento de bebidas alcoólicas em restaurantes, bares, lanchonetes, lojas de conveniências, padarias e outros estabelecimentos que permitam o consumo em seu espaço ou nas proximidades. Os empresários que descumprirem a norma receberão multa, terão o local interditado, com as atividades suspensas, e poderão perder o alvará de licença para o funcionamento.

Para os empresários, o valor da multa será de R$ 3 mil, sendo que ele pode ser dobrado em casos de reincidência. Além disso, as pessoas que descumprirem o decreto e beberem nas ruas ou nas proximidades desses estabelecimentos serão multadas em R$ 500,00. “Se a pessoa quiser comprar e levar para casa não tem problema. Mas a ideia principal é que todo o local, que comercializa bebida alcoólica para o consumo presencial, está proibido. Então, independente de ser lanchonete, bar, restaurante, shopping ou outro, a venda para o consumo no local está proibida e a Força-Tarefa para a fiscalização já está em atividade”, esclareceu o secretário municipal de Defesa Social, Coronel Pedro Ramos.

Durante o anúncio da Lei Seca, o prefeito Marcelo Belinati explicou que a medida se fez necessária, após a análise dos dados epidemiológicos do município quanto à COVID-19. Isso porque, segundo o chefe do Poder Executivo, mais da metade dos chamados atendidos pela Guarda Municipal, referentes às denúncias de desrespeito às normas de prevenção ao coronavírus, foram em locais que reuniram pessoas para o consumo de bebidas alcoólicas em confraternizações.

“Começamos a observar que diversos estabelecimentos, que têm como atividade principal algo diferente de bar, começaram a anunciar eventos nas redes sociais, como happy hour, chopp em dobro, feijoada com sambão e por aí vai. Além disso, mais da metade das pessoas que se infectaram em Londrina são jovens. A partir disso, nossos especialistas identificaram que os principais focos de contaminação são os bares, por isso é necessário esse decreto da Lei Seca”, disse Marcelo.

Em Londrina, 7.493 pessoas positivaram para o COVID-19 até o momento. Destas, 6.845 conseguiram se recuperar, porém 205 infelizmente vieram a óbito. Os dados atualizados sobre a doença podem ser conferidos no dashboard da saúde (clique aqui para ver). Segundo o prefeito, pesquisas têm mostrado que o consumo de bebida alcoólica é um fator determinante para o aumento da permanência das pessoas em diversos lugares. Este fato é relevante, visto que quanto mais tempo as pessoas permanecem no mesmo local, sem usar a máscara de proteção facial, maiores são as chances de contágio e proliferação do novo coronavírus. Esse índice é potencializado quando somado à aglomeração de pessoas, que tende a acontecer em eventos, festas ou confraternização.

O secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, lembrou que Londrina é um polo de assistência à saúde em questão de COVID-19 e, por isso, atende habitantes de outros municípios. No momento, por exemplo, 40% dos pacientes atendidos aqui são de cidades vizinhas. “O fato de estarmos cansados e estressados com o isolamento social e com as medidas restritivas, como o uso de máscaras e de álcool em gel, não faz com que a pandemia vá embora ou que o vírus pare de circular. Ao contrário, quando descuidamos ou relaxamos, constatamos que o vírus se intensifica e mais pessoas são contaminadas, precisam ser internadas e podem perder a vida”, elucidou Machado.

Força-Tarefa e denúncias

A partir de hoje, o efetivo da Guarda Municipal de Londrina coloca em prática as ações da Força-Tarefa para o atendimento de chamados de denúncias. O secretário da pasta reiterou a importância das denúncias enviadas pela população e pediu para que, sempre que possível, os cidadãos enviem o maior número de informações, como fotos, vídeos e endereço completo do local que descumprir as normas. O cidadão pode denunciar ligando para a Central 24 horas da Guarda Municipal, pelo 153 ou para a Polícia Militar através do 199 ou ainda pelo Whatsapp da GM 99995-0272. O número de celular disponibilizado não atende chamadas, apenas as mensagens pelo aplicativo.

Para saber mais sobre as leis e regulamentações impostas em Londrina para o combate e a prevenção do novo Coronavírus, o cidadão pode acessar o site da Prefeitura de Londrina (clique aqui).

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios