Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Terceira audiência pública, promovida pela Frente do Pedágio, acontece na Sociedade Rural a partir das 9 horas

Amanhã (11/02) acontece a terceira audiência pública para discutir o novo modelo de pedágio, proposto pelo Governo Federal com aval do Governo do Paraná, em Londrina. O evento será realizado no auditório da Sociedade Rural do Paraná, no Parque de Exposição Ney Braga, a partir das 9 horas. Na sexta-feira, a audiência pública acontece em Cornélio Procópio.

O debate, que irá reunir deputados da Frente do pedágio e também lideranças de Londrina e cidades vizinhas, poderá ser acompanhado de maneira presencial e também pela internet. A transmissão é feita pelas redes da Assembleia Legislativa do Paraná (Alep) e também do deputado estadual Arilson Chiorato (PT), coordenador dos trabalhos da Frente do Pedágio.

Na avaliação de Arilson, a situação de Londrina e dos municípios vizinhos não é diferente do que acontece nas outras regiões do Estado. “Obras importantes como o contorno de Londrina, na BR-369, que estava previsto para ser entregue em 2002, de acordo com o projeto original, não aconteceu. Em 2018, um aditivo desobrigou a concessionária de construí-lo. Esse é só um exemplo de vários espalhados por todas as cidades”, afirma.

O coordenador da Frente do Pedágio observa ainda que este contorno, por exemplo, iria desafogar o tráfego pesado que corta Londrina, evitando acidentes e mortes. “A Frente está levantando o que foi feito e o que não foi. É um trabalho árduo diante de tantos aditivos, mas da Operação Integração já apontou em 2019 vários desvios, como dos cinco contornos previstos para a região de Londrina, quatro não foram feitos”, pontua.

Diante deste cenário, Arilson frisa a importância da mobilização de toda a sociedade neste momento. “Não podemos permitir que um modelo ainda mais danoso seja aprovado. A Frente do Pedágio, que esta semana ganhou mais dois deputados, chegando a 30 integrantes, não vai aprovar este modelo. Porém, é preciso que todos os setores fiquem em alerta e participem das audiências e diga não a este modelo abusivo de pedágio”, afirma.

Novo contrato

O coordenador da Frente do Pedágio ressalta alguns pontos do novo contrato do pedágio. “A propaganda é enganosa. A média de desconto vai ficar entre 20 a 30%, e não 65% como é divulgado. Este desconto alto ocorrerá somente em uma praça por um período. E mais, após a realização de obras, as pedagiadoras poderão subir o valor em 40% até o fim do contrato”, enfatiza.

Arislon reforça que a luta da Frente do pedágio é pela menor tarifa, um pedágio sem taxa de outorga ao governo, mais obras e menor tempo de contrato. “O Paraná não aguenta mais pagar caro pelo pedágio e o povo paranaense não aceita mais 15 novas praças, mais 822 KM a de estradas pedagiadas”, garante.

Onde vai ficar as 15 novas praças

4 no Oeste,

3 no Sudoeste,

3 no Noroeste,

2 no Norte

3 no Norte Pioneiro;

Cidades

– Sengés (PR-151)

– Siqueira Campos (BR-272)

– Jacarezinho/Ourinhos (BR-153)

– Califórnia (BR-376)

– Norte de Tamarana (PR-445)

– Jussara (PR-323)

– Tapejara (PR-323)

– Perobal/Cafezal do Sul (PR-323)

– Guaíra/Terra Roxa (BR-272)

– Guaíra/Mercedes (BR 163)

– Toledo/Cascavel (BR-467)

– Capitão Leônidas Marques (BR-163)

– Ampere (PR-182)

– Renascença (BR 280)

– Guairaçá (BR-376)

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios