Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Aumento das notificações continua preocupando a Prefeitura, que tem tomado todas as providências para conter o avanço da doença

A cidade de Londrina permanece em situação de alerta para a dengue, devido o aumento dos números notificados da doença, conforme divulgado na quinta-feira (30) pelo secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, em entrevista coletiva. Londrina registra, do início do ano até agora, 2.375 casos notificados de dengue, dos quais 228 foram confirmados, 173 descartados e 1.974 estão em análise, aguardando o resultado de exames laboratoriais.

Dos 228 casos confirmados, seis estiveram relacionados à dengue com sinais de alarme, ou seja, que causam algumas complicações, contudo os pacientes já estão fora de perigo. “A prefeitura tem mantido todas as ações relativas ao combate à dengue, bem como melhorado e ampliado a sua rede assistencial, para estar preparada para atender os casos de dengue que têm surgido no decorrer das semanas”, contou Machado.

O secretário informou que o Município recebeu a notícia, do Estado, sobre a liberação do uso produto malathion, para controle da dengue em superfícies residenciais. “Vamos receber 1.000 litros do veneno nos próximos dias, que serão utilizados em aplicações por bombas costais pelos nossos agentes de Endemias, em locais definidos por critérios técnicos. Isso será suficiente para atender boa parte da cidade, até que chegue o novo veneno, por parte do Ministério da Saúde, o cielo, que deve acontecer na segunda quinzena de fevereiro. Com isso, vamos negociar, junto ao governo do Estado, que tem sido um grande parceiro, a liberação dos caminhões de UBV, para que possamos percorrer a cidade, em especial os bairros mais afetados pela doença”, contou.

Machado apontou ainda que a Prefeitura adotou uma rotina de promover mutirões, todos os sábados, em determinadas regiões, com toda a sua força de trabalho, para conter o avanço da dengue. Segundo ele, os agentes de Endemias atuarão na averiguação dos quintais e aplicação de larvicidas, quando necessário, e a Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), no recolhimento de lixos e entulhos. “Praticamente finalizamos este trabalho na zona leste, onde foram percorridos cerca de seis mil domicílios. No sábado (1), toda a força de trabalho da prefeitura esteve no Conjunto Novo Amparo, para fazer esta ação que deve se estender por diversos bairros, como Felicidade e outros. Nosso objetivo é percorrer todos os domicílios e fazer os bloqueios de forma adequada, para reduzir o número de casos de dengue na região”, afirmou.

A Unidade Básica de Saúde (UBS) da Vila Ricardo, região leste, permanecerá aberta com horário ampliado, das 7 às 23 horas, para atender os casos de dengue. “Ainda temos observado uma busca grande por atendimento nesta região, por isso a unidade ficará aberta até que consigamos minimizar o número de casos nesta localidade. Também ampliamos as escalas médicas das duas UPAS e do Pronto Atendimento Infantil, para que sejam referência para toda a cidade. É importante frisar que precisamos da união de todos os londrinenses, poder público e sociedade, para contermos o avanço da dengue, visto que o 1º Levantamento Rápido de Infestação do Aedes aegypti (LIRAa) de 2020 apontou que 97,9% dos focos têm ação direta das pessoas, pois encontram-se dentro casas ou em lixos jogados em fundos de vale, ruas e terreno baldios”, esclareceu.

A diretora de Vigilância em Saúde, Sônia Fernandes, analisa que atualmente há uma grande preocupação do Município, em termos de casos notificados, com as regiões leste e norte. “Contudo, tanto a região sul quanto a oeste e parte da região centro, também começam a apresentar números significativos de casos, o que demonstra que toda a cidade nos causa preocupação com relação à dengue”, advertiu.

Sônia informou que há dois de óbitos suspeitos de terem sido causados pela dengue, que ainda estão em análise. “Temos um comitê que estará avaliando estas mortes na próxima semana, para então podermos ter a divulgação oficial se estes óbitos foram em decorrência da dengue”, acrescentou.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios