Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Programação completa está disponível no site da instituição Londrina Pazeando

A partir da próxima segunda-feira (16), o Município de Londrina vai debater os relatos e experiências que vêm sendo desenvolvidos em prol da construção da cultura da paz e de novas posturas para a resolução de conflitos. Isso porque, terá início a 3ª Semana da Justiça Restaurativa de Londrina, que trará diversas atividades, como trabalhos em grupo; palestras; lives e seminário.

A programação completa está disponível na internet, através da página da Organização da Sociedade Civil (OSC) Londrina Pazeando (clique aqui para acessar), uma das organizadoras da ação em conjunto com o Conselho Municipal de Cultura de Paz (COMPAZ).

“Em Londrina, temos há 20 anos o movimento pela paz e não violência, que é o Londrina Pazeando, e temos há 12 anos o COMPAZ. E a 3ª Semana da Justiça Restaurativa trará uma série de eventos para a cidade, principalmente nos dias 17,18 e 19 desse mês. Nela pretendemos fazer o lançamento oficial do Núcleo de Estudos pela Paz. Toda semana nós temos encontros e pretendemos receber ainda mais profissionais vinculados à área da cultura de paz para dialogarmos”, explicou o secretário do COMPAZ e gestor do Londrina Pazeando, Luis Claudio Galhardi.

Programação

Segunda-feira (16) – A primeira atividade da Semana será um círculo de diálogo virtual para a solução de conflitos, que acontecerá segunda-feira (16), pela internet. As escolas e Centros Municipais de Educação Infantil que queiram participar devem preencher formulário pelo Google Docs (clique aqui para preencher).

Será trabalhada a metodologia da escuta ativa, em grupo, e os participantes poderão utilizar o espaço para tratar questões relacionadas à autoestima, ao apoio e fortalecimento dos relacionamentos ou, mesmo, para celebrar as conquistas alcançadas em meio ao ano de pandemia.

Assim, todos podem refletir individualmente sobre seus sentimentos, percepções de mundo, comportamentos diante do próximo e do local onde estão inseridos. “Nossa intenção é buscar aumentar cada vez mais a humanização na educação utilizando os valores, a inclusão, o desenvolvimento humano e a afetividade”, explicou uma das responsáveis pelas ações do programa, Carla Cordeiro.

O objetivo é mostrar que existem várias maneiras de se solucionar um conflito sem a utilização de comportamentos violentos ou agressivos. Por isso, os participantes são estimulados a conversarem sobre o que os chateiam, fatos ou falas que levam a desentendimento, ofensa, briga ou outro tipo de conflito.

A atividade faz parte do Programa VIDA, que é realizado pela Secretaria Municipal de Educação de Londrina. Ele surgiu no início deste ano, quando realizou mais de 25 círculos de diálogo com as crianças, alunos da Educação de Jovens e Adultos (EJA), professores e funcionários da Educação. Devido à pandemia, suas ações, que antes eram presenciais, passaram a ser à distância, por meio dos vídeos, materiais encaminhados às unidades escolares e agora com o círculo de diálogos virtual.

Terça-feira (17)

No dia seguinte, terça-feira (17), a partir das 9h30, será lançado o Programa CORRE em Família. A solenidade será na sede do Conselho Tutelar da Região Norte, que fica na Rua dos Pintores, 73, no Chefe Newton. O objetivo do programa é trabalhar o companheirismo, a ressignificação, o respeito e empatia, cujas iniciais dão nome ao projeto.

Por meio desta iniciativa, as famílias atendidas pelo Conselho Tutelar da zona norte terão apoio profissional para trabalhar as questões mais sensíveis que as cercam e para realizarem a Escuta Ativa com o uso da metodologia dos Círculos de Diálogo. A ideia é dar novo significado às vidas dessas famílias.

Para tanto, o Programa CORRE contará com as entidades que fazem parte do Sistema de Garantia de Direitos, que são: Vara da Infância e Juventude de Londrina; Ministério Público do Paraná; Defensoria Pública; Polícia Militar; Conselho Tutelar de Londrina; Secretaria Municipal de Educação e outras redes de serviços parceiros, como o meio cultural, com dança, grafite, capoeira e corrida.

À noite também haverá atividade da 3ª Semana da Justiça Restaurativa. Às 19h30, a secretária municipal de Assistência Social, Jacqueline Micali, que coordena o Projeto Acolhimento e o Programa de Extensão Juntos, na Faculdade Pitágoras, fará uma palestra on-line.

Micali abordará a importância e os benefícios da Justiça Restaurativa na elaboração e execução das políticas públicas voltadas para a assistência social. O encontro será pelo Google Meet.

Quarta-feira (18)

Na quarta-feira (18), a partir das 9 horas, os participantes poderão aprender mais sobre uma novidade que será apresentada durante a live do evento, no Google Meet. (clique aqui) . Durante o encontro on-line, a professora da Universidade Federal do Ceará e pós-doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), Kelma Matos, falará sobre o cuidado consigo e com o outro, e a importância da conversa, do amor, da empatia e do respeito para a cura e a cultura da paz. Ela coordena o Grupo Cultura de Paz, Juventudes e Docentes, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira, da Faculdade de Educação da UFC.

Após a palestra, às 10h30, será lançado o Núcleo de Estudos para Paz de Londrina (NEP). Na oportunidade, a ONG Londrina Pazeando e o Compaz apresentarão os objetivos de estudos para a paz e as cinco pedagogias para isso: pedagogia de valores humanos, de direitos humanos, da conflitologia, da ecoformação, e da Vivência e Convivência.

A pedagogia de valores humanos busca ressignificar valores, como os individualistas versus os coletivistas. A dos Direitos Humanos pretende abarcar as discussões acerca da dignidade da pessoa humana e os bens materiais e imateriais. A Conflitologia trabalha a mediação, o diálogo, a comunicação não-violenta tendo o conflito como o elemento de estudo.

A pedagogia Ecoformação engloba os cuidados com o meio ambiente e a Agenda 2030 para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) elaborados pela Organização das Nações Unidas (ONU). Por fim, pedagogia da Vivência e Convivência traz a reflexão, por meio de dinâmicas em grupo, sobre a sensibilidade, a corporeidade e a ludicidade.

Segundo o professor da Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG) e um dos pioneiros na implantação de NEPs, Nei Alberto Salles Filho, os Núcleos de Estudos para Paz mostram que as demandas sociais em relação à prevenção das violências e em prol da educação para a paz no dia a dia escolar são de extrema relevância.

“Vivemos em um contexto de um país muito desigual, com racismo e violência contra a mulher estruturais e que, quando foi colonizado, teve o processo de escravidão por mais de 300 anos. Então é preciso pensar a cultura de paz dentro desse contexto, da humanização e dos processos sociais individuais e coletivos”, explicou o coordenador do NEP da UEPG, doutor Nei Alberto Salles Filho. Para os interessados o assunto, há mais informações disponíveis aqui.

Quinta-feira (19)

Na quinta-feira (19), às 19 horas, outra live ganhará espaço. Será um bate-papo com profissionais que atuam diretamente com as questões da violência doméstica e o uso da Justiça Restaurativa. A ação poderá ser assistida pelo link https://youtu.be/_w21nCKRSuE. Vão participar dessa conversa a juíza da Vara de Adolescentes em Conflito com a Lei de Londrina e coordenadora-adjunta do CEJUSC, Cláudia Catafesta; a coordenadora-geral no Ministério da Mulher da Família e dos Direitos Humanos, dra. Vanessa Berbel; a secretária municipal de Políticas para as Mulheres de Londrina, vice-presidente do Conselho Municipal dos Direitos da Mulher e advogada Liange Doy Fernandes; e os docentes do curso de Direito da Unicesumar, Thays Canesin e Marcelo Hille.

Sexta-feira (20)

Para finalizar a semana, na sexta-feira (20), das 13h às 18h, por meio da plataforma Zoom e do canal do Youtube do Tribunal de Justiça do Espírito Santo (TJES), será transmitido o I Seminário Internacional de Justiça Restaurativa do TJES: uma jornada para a paz. As inscrições podem ser realizadas no https://bit.ly/2HZPdpu. Estão previstas as participações do desembargador Jorge Henrique Valle dos Santos, da juíza de Direito, Patrícia Pereira Neves, do desembargador Leoberto Brancher e de diversos convidados.

Para encerrar os trabalhos, às 19 horas, a Secretaria Municipal de Assistência Social e a faculdade Pitágoras vão promover a apresentação do Programa Juntos. Na oportunidade, os universitários vão falar sobre os projetos Ubuntu, Crisálida, Aberta Mente, Novo Olhar, Apoema e Contigo. Para acessar o evento basta clicar aqui.

A Semana Municipal da Justiça Restaurativa de Londrina foi instituída pela Lei nº 12.624, de 13 de dezembro de 2017, quando passou a fazer parte do calendário de Comemorações Oficiais do Município de Londrina.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios