Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Em janeiro de 2022, empresa deve começar em Londrina a construção da nova unidade industrial e de pesquisas; nova planta será a maior do Brasil

Ontem (18), o presidente do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), Bruno Ubiratan, recebeu a visita oficial do Chief Executive Officer (CEO) do grupo argentino Bioceres Crop Solutions e Rizobacter, Jorge Wagner, e do diretor da Rizobacter do Brasil, Nilton Cremonini Elteto, no gabinete do prefeito Marcelo Belinati. Em janeiro de 2022, a multinacional deve começar as obras em Londrina, onde instalará sua maior planta industrial em território brasileiro.

A nova unidade de produção vai possibilitar a produção de 8 mil litros de coadjuvantes, que são produtos importantes para o mercado agrícola mundial, como fertilizantes microgranulados e biológicos para o campo. “Estamos há 23 anos em Londrina e estamos trazendo uma planta de produção e formulação de coadjuvantes, que permitem a melhora de produtos que protegem o cultivo, para abastecer o mercado do Brasil e dos países limítrofes. Estamos aqui para agradecer ao Município de Londrina por todo o apoio que temos recebido, necessários para que o projeto avance”, disse o CEO da multinacional, Jorge Wagner.

Em Londrina, a planta industrial ficará na Rodovia PR-445, saída para Curitiba, em um terreno de 65.241 m² e irá empregar até 130 pessoas. A Construtora Yoshi será a responsável pela construção do espaço, que contém um galpão de produção, dois laboratórios de biotecnologia, escritórios administrativos e refeitório. Com isso, a Rizobacter espera aumentar suas pesquisas, produção e comercialização de produtos para o Brasil e para os países vizinhos.

Atualmente, o grupo comercializa em 40 países e está em expansão para a Europa, África e Ásia, o que o coloca entre os cinco maiores do mundo na área. Em Londrina, eles têm contato próximo com as indústrias e cooperativas parceiras comerciais e de produção. “Conversamos sobre o início dos investimentos, que somam cerca de R$ 40 milhões, e sobre a previsão do começo das obras, que deve acontecer em janeiro de 2022. A expectativa é que a obra fique pronta em um ano e que a produção inicie no primeiro trimestre de 2023. Para nós, isso é extremamente importante, porque a Codel é sinônimo de apoio ao setor produtivo e eles são uma multinacional muito forte. Todos ganham com a geração de empregos, arrecadação de impostos e avanço do agro”, explicou o presidente da Codel, Bruno Ubiratan.

Entre os pontos positivos da cidade de Londrina estão o fato de o Município ser o primeiro do sul do Brasil e o sexto nacional a ter a tecnologia 5G instalada e funcionando no campo; ser a única Prefeitura do Brasil parceira da maior empresa de tecnologia do mundo, a Microsoft, para a capacitação de profissionais da área de Tecnologia da Informação (TI); estar entre as 10 cidades com maior densidade de starups do Brasil; ter um grande número de universidades e polos de ensino superior e técnico; e contar com um ecossistema de inovação e um Hub de Inovação e Inteligência bem estruturado, além de ser a cidade mais transparente do país.

O chefe de gabinete Moacir Sgarioni e o diretor de Desenvolvimento da Codel, Atacy de Melo Junior, acompanharam o presidente da Codel, Bruno Ubiratan, na recepção do Chief Executive Officer (CEO) do grupo argentino Bioceres Crop Solutions e Rizobacter, Jorge Wagner, e do diretor da Rizobacter do Brasil, Nilton Cremonini Elteto.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.