Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Na manhã de ontem (5), teve início, na Prefeitura de Londrina, a primeira reunião da Conferência e Workshop “Biodiversidade, Serviços Ecossistêmicos e Gestão Metropolitana”, do Projeto InterACT-Bio, implementado pelo ICLEI – Governos Locais para Sustentabilidade, através de cooperação alemã. A parte da manhã foi dedicada à conferência de integração da biodiversidade no planejamento metropolitano. No período da tarde e amanhã, terça-feira (6), haverá reuniões técnicas para os gestores municipais.

Londrina é uma das três cidades brasileiras que participam do projeto, junto com Campinas e Belo Horizonte, cujo objetivo é viabilizar a implementação de ações focadas na biodiversidade, conservação do meio ambiente e desenvolvimento das cidades. Integram a região metropolitana de Londrina 25 municípios. Todos foram convidados a participar do evento, que está contando com a presença de diversas autoridades da área ambiental.

A secretária municipal do Ambiente, Roberta Queiroz, explicou que o objetivo do projeto InterACT-Bio é ter o alinhamento dos marcos regulatórios internacionais e nacionais, e capacitar os gestores ligados ao planejamento territorial para inserirem, no planejamento, os serviços ecossistêmicos, os quais possibilitam drenagem urbana, regulação de clima, qualidade de solo e mobilidade. “Isso permite pensarmos em infraestrutura sustentável e que tenhamos uma melhor qualidade de vida na nossa região”, frisou.

Segundo a secretária, um dos objetivos do encontro será mapear, em conjunto com os municípios do entorno, os principais motivos da perda de biodiversidade, para que seja possível priorizar as ações. “Outro aspecto importante do projeto, é que já é um cumprimento do que disciplina o novo Estatuto da Metrópole e os resultados alcançados pelo nosso projeto aqui embasarão nosso Plano de Desenvolvimento Urbano Integrado(PDUI), que deve ser encaminhado pelo governo do Estado”, lembrou.

Roberta disse ainda que o fato de Londrina ter sido encolhida para participar do projeto demostra o alinhamento do município com a agenda internacional de sustentabilidade. “Todo nosso planejamento municipal foi montado alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), com a nova agenda urbana e também com as Metas de Aichi, que é um acordo internacional voltado à biodiversidade. Por isso fomos contemplados, dentre várias capitais que concorreram ao projeto”, apontou.

O prefeito Marcelo Belinati salientou que desde o início de seu mandato a equipe pensou em enxergar a cidade de maneira diferente, a fim de construir ações planejadas, com o diagnóstico exato de todas as áreas. “É isso que temos feito, ou seja, construindo um futuro melhor para a cidade, com planejamento, dados técnicos e indicadores, para que a população possa ter mais qualidade de vida”, ressaltou.

Dentre os projetos ligados à área ambiental, que já estão encaminhados no Município, o prefeito citou o Plano de Mobilidade Urbana, o Plano de Gestão de Resíduos Sólidos, Drenagem Urbana e o Londrina Mais. “Nosso objetivo é construirmos soluções para que tenhamos mais qualidade de vida. Participar deste projeto demonstra a importância que Londrina tem para todo o país. Londrina é uma cidade maravilhosa, que tem condições de avançar muito, por isso o objetivo é que nossa cidade seja modelo de desenvolvimento sustentável”, enfatizou.

Mapeamento - A coordenadora de Projetos de Biodiversidade e Resiliência do ICLEI América do Sul, Kátia Fenyves, explicou que durante o encontro será definida a priorização dos serviços ambientais mais importantes para a região, para favorecer a implementação dos projetos, a partir deste evento. “Esta capacitação é um momento de troca e coleta de informações e a sistematização deste conhecimento será feita nos próximos meses”, disse.

Dentre as informações que deverão ser coletadas neste encontro, Kátia adiantou as políticas públicas relacionadas à biodiversidade, mapear onde estão os serviços ambientais mais importantes, os mais ameaçados e quais as pressões sobre estes serviços. “Vamos fazer um diagnóstico inicial que depois será aprofundado e receberá suporte técnico. Sabemos que Londrina tem um potencial hídrico bastante elevado, são 88 corpos d´água apenas no município de Londrina, então imaginamos que um dos caminhos que este projeto possa vir a tomar é relacionado a gestão integrada dos recursos hídricos a nível metropolitano”, contou.

Segundo Kátia, em Campinas, onde o primeiro encontro aconteceu em novembro do ano passado, o projeto já tem resultados significativos. “Lá, já foi definido o escopo de atuação. Eles estão construindo um corredor verde metropolitano e nós estamos dando toda a assessoria de mapeamento de uso do solo da região metropolitana, para construção deste corredor”, afirmou.

O analista ambiental do Ministério do Meio Ambiente, Fábio Abreu, que também participou do evento, disse que embora a ação não seja vinculada ao seu Ministério converge totalmente com as atribuições do órgão. “Traz a toda a dimensão da discussão ambiental sobre biodiversidade, clima, solo e recursos hídricos, para um planejamento territorial a nível local. Esta iniciativa vem para enriquecer esta abordagem, dando importância no planejamento ambiental territorial”, ressaltou.

O analista contou ainda que o Ministério do Meio Ambiente está atuando em parceria com o Ministério das Cidades para trabalhar com uma agenda de atuação no zoneamento ambiental municipal. “Por meio de um parceria também com o Banco Mundial, estamos atuando em cinco municípios brasileiros que querem trabalhar em conjunto e receber, dos gestores locais, os insumos para construção de marco legal referente ao zoneamento ambiental municipal. E Londrina é uma das cidades”, apontou.  

Programação – No período da tarde e durante toda a terça-feira (6) serão realizadas reuniões voltadas para os técnicos que trabalham com Planejamento Territorial dos 25 municípios da região metropolitana e não será aberto ao público em geral. Será realizado um workshop, que irá contar com a presença dos especialistas: Augustin Berghofer, do Centro de Pesquisa Ambiental da UFZ; Ana Pellegrino, da Prefeitura de Campinas; Camila Miranda, da Agência da Região Metropolitana de Belo Horizonte; Dany Silvio Souza, da Prefeitura de Belo Horizonte; e Sergio Machado Ferreira, da Agência Metropolitana de Campinas (AGEMCAMP).

Entre os presentes no encontro, na manhã de hoje(5), estava Leopoldo Fiewski, da Secretaria de Estado do Meio Ambiente; Clóvis Ultramari, da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Urbano do Paraná; o vereador Jairo Tamura; a coordenadora do Paraná Cidades na região, Mônica Sciarra Mandelli; o chefe regional da Secretaria do Meio Ambiente do Paraná, Antônio Amaral Junior; o gerente regional do Instituto das Águas do Paraná, Alex Ribeiro, o prefeito de Jataizinho, Dirceu Urbano Pereira;  o prefeito de Ibiporã, João Caloniezi, além de secretários municipais, outros representantes de instituições ligadas à área, prefeitos e representantes dos municípios da região.  

O projeto - O InterACT-Bio é um projeto financiado pelo Ministério Federal Alemão do Meio Ambiente, Conservação da Natureza, Construção e Segurança Nuclear (BMUB), por meio de sua Iniciativa Climática Internacional (IKI). Além do Brasil, está sendo implementado na Índia e Tanzânia, por serem países que possuem biodiversidade única, de importância global, e que enfrentam desafios complexos de desenvolvimento. Iniciado em 2017, o projeto terá duração de quatro anos.

A ação está sendo implementada em nove regiões metropolitanas biodiversas, envolvendo seus governos nacionais e outras partes interessadas nesses três países: Brasil, Índia e Tanzânia. Na região metropolitana de Londrina e demais selecionadas, o InterACT-Bio busca oferecer suporte técnico, capacitações, além de promover a troca de informações entre as cidades participantes e órgãos técnicos.

São previstos incentivos para viabilizar estudos e investimentos em serviços associados ao aproveitamento sustentável e rentável dos recursos naturais urbanos disponíveis. Os planos de trabalho das cidades parceiras deverão incluir ações para a articulação de procedimentos e planejamentos territoriais e governamentais até 2020. Outras informações podem ser obtidas no site oficial do projeto: http://cbc.iclei.org/interact-bio-portuguese/.

N.com

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios