Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.
Assembleia Legislativa do Estado do Paraná

Prefeito publicou um decreto que regulamenta atividades e produtos em fase de teste para uso público, o objetivo é estimular o ambiente de inovação.

Um ambiente onde empresas podem prestar serviços ou desenvolver seus produtos tecnológicos com a proteção de permissões, a princípio provisórias, mas suficientes para que inovações sejam testadas. Um exemplo prático é o que será aplicado no processo de construção de Londrina como Cidade Inteligente: startups poderão testar na rua Sergipe suas criações que ainda não estão no mercado, nem foram lançadas.

A prefeitura acaba de regulamentar uma Sandbox, exatamente para que a Rua Sergipe se fortaleça como uma rua Inteligente, com várias ferramentas tecnológicas funcionando para tornar mais prática a vida de comerciantes e prestadores de serviços, além de facilitar a movimentação das pessoas que passam por ali. O projeto da Sergipe como Rua Inteligente foi lançado pela prefeitura há um mês.

O termo tem sido amplamente divulgado quando o assunto é inovação, principalmente em tecnologia. A Sandbox funciona como uma infraestrutura para que empresas possam chegar na ‘vida real’ e testar seus equipamentos. A ideia é que o município teste em uma escala menor com a própria população, validando as invenções, e, aí sim, possa até replicar em escala maior aquilo que realmente se mostrar eficiente e competitivo em termos de custo.

Londrina é referência em inovação, tendo se firmado há mais de uma década como sede de um Arranjo Produtivo em Tecnologia de Informação e Comunicação e tem uma Governança consistente, que abrange vários setores produtivos e de conhecimento, em uma rede com várias entidades envolvidas. O decreto do prefeito criando a SandBox londrinense foi publicado no Jornal Oficial edição 4303.

O presidente da Codel, Bruno Ubiratan explica que a regulamentação é necessária, porque tecnologias costumam se chocar com a legislação vigente, já que certas regras elaboradas há anos não comportam a nova realidade que mistura elementos do mundo web ou automatizado. “Londrina é uma cidade com um arranjo produtivo local de tecnologia e vários setores organizados  e precisa oferecer agilidade e apoio para startups e empresas que desejam nascer aqui ou ampliar seus negócios, afirma Bruno.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios