Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Durante a sessão ordinária remota de ontem (25), a Câmara Municipal de Londrina realizou evento alusivo ao Maio Amarelo, mês de conscientização sobre a violência no trânsito, instituído pela lei estadual nº 18.624/2015. A solenidade foi realizada por solicitação dos vereadores Nantes (PP), Roberto Fú (PDT), Prof.ª Sonia Gimenez (PSB), Daniele Ziober (PP), Emanoel Gomes (Republicano), Madureira (PTB), Giovani Mattos (PSC) e Prof.ª Flávia Cabral (PTB), através do Requerimento nº 161/2021.

Sergio Dalbem, diretor de trânsito da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), informou que, em Londrina, entre 2014, quando começaram as campanhas do Maio Amarelo, e o ano passado, 601 pessoas morreram no trânsito no município e classificou como pandemia o número de vidas perdidas. “Nós vivemos uma pandemia passageira [de covid-19], mas temos uma pandemia permanente, que são os acidentes de transito. Até porque todo o conceito internacional estabelece que os acidentes de trânsito são previsíveis e evitáveis, ao contrário do que nós temos na pandemia, onde nós temos um vírus, que sabemos da existência dele, mas não sabemos onde ele está, e podemos nos contaminar mais facilmente porque a prevenção é mais difícil”, argumentou.

Dalbem destacou as ações da CMTU realizadas durante o mês, como a entrega de kits educativos sobre a prevenção a acidentes a motoristas e motociclistas. Os pedestres também foram orientados a respeito da travessia com segurança das vias, e os agentes da companhia, com apoio da Guarda Municipal, realizaram campanha para conscientizar sobre o estacionamento em vagas especiais, como as destinadas a idosos e pessoas com deficiência, que exigem credencial do motorista. Durante o mês, CMTU arrecadou 700 quilos de alimentos não-perecíveis, que foram entregues ao projeto social da Capela Divino Espírito Santo, no patrimônio Espírito Santo.

O vereador Santão (PSC), que é policial rodoviário federal, afirmou que campanhas como a do Maio Amarelo contribuem para a redução da violência nas vias. “A fiscalização de trânsito também ajuda, muitas vezes, a permitir que menos acidentes aconteçam”, afirmou. Já o vereador Roberto Fú, um dos autores do convite ao diretor de trânsito da CMTU, reforçou a necessidade de ações de conscientização. “Se o motorista não mudar, dificilmente o trânsito muda, porque o motorista costuma fazer algumas coisas que causam tragédias irreparáveis na vida de sua própria família e de outras pessoas”, destacou.

O vereador Nantes, outro signatário do convite à CMTU, destacou o trabalho realizado pela companhia e indagou sobre da construção de faixas elevadas, ciclofaixas e a implantação da “onda verde”, a abertura sequencial de semáforos. Sergio Dalbem disse que as faixas elevadas reduzem a velocidade dos veículos e melhoram a travessia dos pedestres, por estarem no mesmo nível da calçada, e apresentam melhor custo-benefício, por exemplo, em relação aos radares. Sobre as ciclofaixas, afirmou que as situadas entre os veículos estacionados e a calçada são mais seguras do que as que ficam ao lado do trânsito de automóveis. Sobre a “onda verde”, Dalbem informou que o sistema está em funcionamento nas avenidas Maringá, JK, Higienópolis, entre outras vias, e disse que é preciso que os veículos trafeguem a 40 quilômetros por hora para aproveitarem os semáforos abertos.

Asimp/CML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios