Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Espaço garante mais qualidade e bem-estar para as gestantes, que agora têm quartos individuais, com ar-condicionado, poltrona para acompanhante e banheiro completo

Pensando em propiciar um ambiente de mais qualidade, conforto e bem-estar para as gestantes que estão prestes a dar a luz, o prefeito Marcelo Belinati e o secretário municipal de saúde, Felippe Machado, entregaram ontem (13), a segunda fase das obras de ampliação e reconstrução da Maternidade Municipal Lucilla Ballalai, que fica na Rua Jacobe Bartolomeu Minatti, 350, esquina com a Avenida Jorge Casoni.

A partir de agora, começa a funcionar a nova ala pré-parto. Ela contém quartos individuais para as gestantes, com poltronas confortáveis para o acompanhante, berço para os bebês, aparelho de ar-condicionado, pia e um banheiro amplo com chuveiro. Para que isso fosse possível, a Prefeitura de Londrina fez toda a reestruturação elétrica e hidráulica, instalou novas esquadrias de alumínio, box nos banheiros, realizou a troca de portas, janelas e pisos, pintou os ambientes e decorou com papel de parede, instalou iluminação de emergência, substituiu as campainhas e trocou todo o mobiliário e equipamentos médico-hospitalares mais antigos. Para otimizar os espaços, a reforma contou com a remoção de algumas paredes e com o remanejamento de ambientes para a ampliação do número de quartos.

Durante a entrega do novo espaço, o prefeito Marcelo Belinati, lembrou da relevância social que a Maternidade Municipal têm para Londrina e região. “A Maternidade Municipal é uma das maiores obras sociais da história de Londrina. Já nasceram quase 100 mil crianças aqui nos últimos 30 anos de história. Todas as gestantes que não têm convênio particular de saúde ou que não são de alto risco fazem o parto aqui. Nós estamos quase dobrando o tamanho da Maternidade Municipal para atender essas mulheres com mais qualidade e conforto. É uma estrutura que muitos hospitais particulares não têm”, disse Marcelo.

A Maternidade Municipal de Londrina já registrou o nascimento de 95.402 partos desde dezembro de 1992, quando foi inaugurada. Por mês, aproximadamente 800 pacientes dão entrada na maternidade, que é uma serviço de porta aberta. A média de partos é de cerca de 250 realizados mensalmente, colocando o local como o maior do norte do Paraná, contando as cinco regionais de saúde. Por esses motivos, o hospital ocupa um papel importante no atendimento às mulheres e crianças, sendo considerado uma referência na Rede de Assistência Materno Infantil (Rede Cegonha) e no atendimento de risco habitual exclusivo para o Sistema Único de Saúde (SUS) de Londrina.

Segundo a diretora de serviços complementares em saúde, Claudia Denise Garcia, toda a estrutura entregue hoje é nova, pois antes funcionava ali o Centro Cirúrgico e parte dos quartos. “Hoje, todos os quartos são suítes climatizadas, que são usadas para acolher a gestante desde a chegada até ela ganhar o bebê. De uma forma geral, a reforma deu mais qualidade e privacidade para elas, porque antes os leitos eram divididos entre duas ou três pacientes. Agora, o espaço está bonito, individualizado, com banheira para o cuidado no parto e foi muito bem pensado, para melhor atender a mulher”, ressaltou a diretora.

A Maternidade Municipal é reconhecida nacionalmente pelo atendimento humanizado na assistência ao parto e nascimento, com destaque ao aleitamento materno. Em 2018, recebeu o Diploma de Reconhecimento Público, oferecido pela Câmara Municipal de Londrina. Em 2006, o Ministério da Saúde concedeu o Prêmio Galba de Araújo, pelo respeito à dignidade da mulher e humanização do parto e, em 2000, a Organização Mundial da Saúde, por meio da UNICEF, e Ministério da Saúde entregaram o título de Hospital Amigo da Criança.

Para que esses atendimentos não fossem prejudicados, durante as obras de ampliação e reforma da estrutura física, eles foram remanejados. Assim, foi possível realizar a segunda etapa das obras, sem parar o atendimento às gestantes e puérperas. “Agora, nos resta a parte antiga da Maternidade, onde atualmente funciona a enfermaria. A obra já começou ali e estamos avançando em algumas frentes de trabalho. Mas, a partir de hoje, a demanda será transferida para essa nova ala, para que a construtora tenha frente de trabalho suficiente para terminar a reforma nos próximos oito meses, a contar de hoje”, esclareceu o secretário de saúde.

Com a entrega da ala pré-parto, a reforma e a ampliação da Maternidade alcançou 80% dos trabalhos finalizados. A primeira fase foi concluída em novembro de 2020, quando a Prefeitura inaugurou o edifício que abriga o novo Centro Cirúrgico da unidade, somando 992,58 m² à área do prédio original da Maternidade Municipal. Com isso, o prédio chegou a 3.335,14 m² de área. Foram construídos um novo Centro Cirúrgico interligando o Centro de Parto Normal ao Centro Obstétrico, duas salas cirúrgicas, sala de recuperação pós-anestésico, sala de esterilização de materiais, sala de costura, local para depósito de produtos e uma lavanderia.

Com a primeira fase, a Prefeitura de Londrina fez a adequação do Centro de Materiais, onde se produz e esteriliza tudo que é utilizado pelo hospital, conforme as normas internacionais e as do Ministério da Saúde, para que não haja risco de contaminação entre um material e outro. Antes dessas obras, não havia sala de recuperação pós-anestésico.

Com o novo Centro Cirúrgico, há um local mais tranquilo para a mãe, o bebê e o companheiro permanecerem nos primeiros momentos após a cirurgia. “A obra deu mais qualidade e privacidade para as gestantes, em um ambiente considerado de primeiro mundo. Antigamente, tínhamos enfermarias que eram divididas entre duas ou três pacientes. Com a ala nova, passamos a ofertar enfermarias individuais, onde as mulheres podem permanecer para fazer o parto e nas primeiras 48 horas do puerpério”, lembrou o gerente de Serviços Complementares em Saúde e médico obstetra da Prefeitura de Londrina, Eduardo Cristofolli Silva.

Quando finalizadas as obras, a Prefeitura de Londrina terá investido, somando a reforma e a ampliação, um valor total de R$ 6.066.363,61 na estrutura física, além dos cerca de R$ 2 milhão aplicados na aquisição de equipamentos e mobiliário novos.

Acompanharam a entrega da segunda fase de reforma e ampliação da Maternidade Municipal o vice-prefeito, João Mendonça; o chefe de gabinete, Moacir Sgarioni; os secretários municipais de Governo, Alex Canziani, e o de Planejamento, Orçamento e Tecnologia, Marcelo Canhada.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.