Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Eles prestaram serviços relacionados à jardinagem, montagem de eventos e até apoio administrativo. Em geral são pessoas que cumprem medidas socioeducativas por acidentes de trânsito, atraso em pagamento de pensões ou no pagamento de taxas e impostos.

Nos últimos 12 meses, cerca de 30 egressos do sistema prisional ou pessoas em cumprimento de medidas socioeducativas prestaram serviços junto à Universidade Estadual de Londrina (UEL). A ação é realizada pela Divisão de Zeladoria da Diretoria de Serviços da Prefeitura do Campus da UEL (PCU), por meio do Patronato de Londrina, ligado ao Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR).

Eles executaram atividades relacionadas à jardinagem, montagem de eventos e até apoio administrativo. A ação fortalece a parceria mantida já há alguns anos entre a universidade e o órgão estadual encarregado de acompanhar sentenciados.

O Patronato Penitenciário atende egressos beneficiados com a progressão para o regime aberto, liberdade condicional, sentenciados com trabalhos externos, liberdade vigiada, prestação de serviços à comunidade e os com suspensão condicional da pena (sursis) por determinação da Vara de Execuções Penais, dos Juízes de Varas Criminais e Justiça Federal, com penas restritivas de direito.

Em geral, os egressos que procuram a UEL são pessoas que cumprem medidas socioeducativas por acidentes de trânsito, atraso em pagamento de pensões ou no pagamento de taxas e impostos governamentais.

Segundo o diretor de serviços da Prefeitura do Campus da UEL, Daniel Souza de Oliveira Correa, eles são encaixados em alguma atividade de acordo com a sua habilidade, considerando experiência profissional, formação escolar ou acadêmica e a disponibilidade de cumprimento da carga horária para a prestação de serviços.

Ele cita que eles participaram de um mutirão no ano passado para a montagem da solenidade de formatura.

De acordo com o diretor, antes de definir a atividade, o egresso passa por uma entrevista, realizada pelo chefe da Divisão de Zeladoria da PCU, Cláudio Magno Ferraz. O objetivo é identificar o potencial do futuro prestador de serviço, adequando a atividade à habilidade da pessoa.

AEN

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.