Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Eles prestaram serviços relacionados à jardinagem, montagem de eventos e até apoio administrativo. Em geral são pessoas que cumprem medidas socioeducativas por acidentes de trânsito, atraso em pagamento de pensões ou no pagamento de taxas e impostos.

Nos últimos 12 meses, cerca de 30 egressos do sistema prisional ou pessoas em cumprimento de medidas socioeducativas prestaram serviços junto à Universidade Estadual de Londrina (UEL). A ação é realizada pela Divisão de Zeladoria da Diretoria de Serviços da Prefeitura do Campus da UEL (PCU), por meio do Patronato de Londrina, ligado ao Departamento Penitenciário do Paraná (Depen-PR).

Eles executaram atividades relacionadas à jardinagem, montagem de eventos e até apoio administrativo. A ação fortalece a parceria mantida já há alguns anos entre a universidade e o órgão estadual encarregado de acompanhar sentenciados.

O Patronato Penitenciário atende egressos beneficiados com a progressão para o regime aberto, liberdade condicional, sentenciados com trabalhos externos, liberdade vigiada, prestação de serviços à comunidade e os com suspensão condicional da pena (sursis) por determinação da Vara de Execuções Penais, dos Juízes de Varas Criminais e Justiça Federal, com penas restritivas de direito.

Em geral, os egressos que procuram a UEL são pessoas que cumprem medidas socioeducativas por acidentes de trânsito, atraso em pagamento de pensões ou no pagamento de taxas e impostos governamentais.

Segundo o diretor de serviços da Prefeitura do Campus da UEL, Daniel Souza de Oliveira Correa, eles são encaixados em alguma atividade de acordo com a sua habilidade, considerando experiência profissional, formação escolar ou acadêmica e a disponibilidade de cumprimento da carga horária para a prestação de serviços.

Ele cita que eles participaram de um mutirão no ano passado para a montagem da solenidade de formatura.

De acordo com o diretor, antes de definir a atividade, o egresso passa por uma entrevista, realizada pelo chefe da Divisão de Zeladoria da PCU, Cláudio Magno Ferraz. O objetivo é identificar o potencial do futuro prestador de serviço, adequando a atividade à habilidade da pessoa.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios