Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A coletiva de imprensa está disponível em página do Facebook e pode ser vista na íntegra

Ontem (18), o prefeito Marcelo Belinati anunciou as medidas adotadas no Decreto Municipal nº 334 para prevenir o contágio comunitário do Coronavírus (COVID-19) e combater a dispersão ligeira entre a população. O documento pode ser acessado pelo Jornal Oficial do Município (JOM) nº 4.022 e os interessados podem assistir a coletiva de imprensa, que foi transmitida ao vivo, pela página do Facebook do prefeito ou clicando diretamente aqui.

O objetivo da publicação do decreto é assegurar que a rede municipal de saúde possa dar apoio e servir de retaguarda aos hospitais da cidade, a fim de que a pandemia não apresente em Londrina, um cenário semelhante ao visto nos estados do Rio de Janeiro, São Paulo e Santa Catarina.

Médicos

Para isso, Marcelo Belinati anunciou a contratação de 72 médicos para a rede pública municipal, sendo que 22 deles começarão a trabalhar a partir de 1º de abril, pois virão de um acordo estabelecido com o Ministério da Saúde (MS). Os demais (50 médicos) serão contratados temporariamente pela Prefeitura de Londrina, sendo que a pretensão é que eles comecem a atuar na rede municipal o mais rápido possível.

Equipamentos

A compra e entrega imediata de equipamentos para as Unidades Básicas de Saúde (UBS) também foi anunciada ontem (18). Foram adquiridos álcool em gel 70%, equipamentos com carrinho de emergência, aparelhos respiratórios e tubos para o procedimento médico de intubação, 240 oxímetros modernos para aferir a oxigenação sanguínea, termômetros de testa digital infravermelho à distância, aparelho de pressão e de ausculta pulmonar, Equipamentos de Proteção Individual (EPIs), como máscaras, gorros e luvas.

Além disso, aqueles que chegarem com sintomas respiratórios nas UBS, Unidades de Pronto Atendimento (UPA), SAMU e nos hospitais deverão requisitar máscaras para uso pessoal, a fim de evitar o contágio para demais e álcool em gel para limpar as mãos. “É um conjunto de equipamentos para dar a retaguarda às nossas equipes, para poderem bem atender a nossa população. Londrina é uma referência para uma região de 2 milhões de habitantes. Não podemos pensar Londrina com 600 mil habitantes. Pensando nisso estamos fazendo estudos com os hospitais e especialistas, para encontrar a melhor maneira, o maior número de vagas em leitos de UTI e o melhor modelo que vamos adotar”, disse o prefeito.

Todas as unidades básicas de saúde receberão os equipamentos, para compor as salas de emergências, assim como os veículos de socorro do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (SAMU). A contratação de médicos somados à aquisição dos equipamentos gira em torno de R$ 15 milhões de investimentos em saúde pela Prefeitura de Londrina.

GT de Trabalho

Um Grupo de Trabalho (GT) formado por especialistas na área de Infectologia e Saúde Pública foi formado em Londrina para analisar a situação permanentemente e todas as decisões que estão sendo tomadas e aquelas que ainda serão estão baseadas em critérios técnicos estabelecidos por esse grupo.

Leitos de UTI/cirurgias eletivas

O prefeito também anunciou medidas que visam aumentar o número de leitos disponíveis nas Unidades de Tratamento Intensivo (UTI) dos Hospitais Universitário (HU), Irmandade Santa Casa de Londrina, Evangélico, Hospital do Câncer, Hospital da Zona Norte e da Zona Sul, Araucária, do Coração, Unimed Londrina e a 17ª Regional de Saúde.

Assim, seguindo a orientação do GT de especialistas, o Município está montando um fluxograma para atendimento e uso das UTIs. A partir de agora estão suspensas as cirurgias eletivas de forma a preservar os leitos para as pessoas que estejam em estado de emergência pelo Coronavírus.

Notificação compulsória de casos suspeitos

O Art. 9º do Decreto nº 334 impõe que os estabelecimentos hospitalares públicos ou privados, que atenderem pacientes com suspeita de infecção pelo COVID-19, estão obrigados a adotar a imediata notificação à Diretoria de Vigilância em Saúde, da Secretaria Municipal de Saúde, para que não haja desencontro de informações sobre os casos suspeitos, com notificação, com resultado positivo ou negativo da doença, entre as instituições privadas e os órgãos públicos.

“Qualquer serviço de saúde, público ou privado, consultório ou hospitais, devem fazer a imediata notificação dos casos que eles achem que podem ser suspeitos. Para que a gente consiga identificar o que passou, solicitamos que a rede de laboratórios de Londrina que nos mandasse todos os resultados de exames colhidos para Coronavírus para que possamos monitorar os casos. Por isso, devemos receber um número considerável de resultados nos próximos dias e o nosso setor está preparado para recebê-los”, explicou o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado.

Além disso, assim como a Prefeitura de Londrina, os estabelecimentos privados também deverão, em caso de não internação, providenciar o transporte do paciente para sua residência se o mesmo não possuir veículo próprio para esse fim.

Capacitação

Um curso de capacitação para repassar informações necessárias sobre o tratamento, diagnóstico, condução e fluxograma de atendimento para casos suspeitos de coronavírus foi ministrado para os profissionais da Saúde. O objetivo foi organizar o fluxo de atendimento nesses casos.

Transporte exclusivo

Para os paciente com suspeita de COVID-19, a Prefeitura de Londrina vai disponibilizar um transporte exclusivo para levá-lo da unidade de saúde para sua residência. Isso será feito para que o paciente suspeito não utilize transporte coletivo e não coloque em risco a vida de outras pessoas que estejam usando o ônibus ou os terminais. Aqueles que tiverem automóvel próprio poderão se deslocar nele.

Transporte Intersaúde

Se os médicos entenderem que existe a necessidade de se fazer um exame Raio-X, nos pacientes que estejam com suspeita de Coronavírus, este deve chamar o serviço de transporte intersaúde. Com ele, a Prefeitura se encarregará de levar o paciente até a unidade médica para a realização do exame de Raio-X. Assim, a pessoa com suspeita da doença não correrá o risco de transmitir para outras, caso ela realmente esteja com a doença.

Coleta em domicílio

A Secretaria Municipal de Saúde (SMS) está realizando a coleta dos exames em pacientes suspeitos em domicílio, para que a pessoa não necessite ir até a UBS, UPA ou hospitais para realizá-los.

Disque Coronavírus

Nos próximos dias, os profissionais de saúde vão orientar a população por telefone. Desta forma, aqueles que desejarem poderão tirar as dúvidas pelo telefone, sem precisar sair de casa. O número gratuito deste atendimento será divulgado em breve, assim que a Agência Nacional de Telecomunicações (ANATEL) liberar seu uso.

Álcool em gel

O Decreto Municipal também prevê a restrição de venda de álcool em gel 70% para, no máximo, 500 (quinhentos) gramas por pessoa. A intenção é garantir o acesso deste produto de higiene pessoal para todos e não apenas para alguns que, diante do pânico, têm comprado diversas embalagens do mesmo. O controle do acesso a essa quantidade será feito através da identificação do CPF do comprador.

Quanto ao preço abusivo do álcool em gel, o prefeito informou que o Núcleo Municipal de Proteção e Defesa do Consumidor de Londrina (PROCON-LD) está recebendo as denúncias dos consumidores e fiscalizando a situação de prática abusiva e obtenção de vantagem por elevação dos preços sem justa causa. Aqueles que quiserem denunciar, devem entrar em contato com o PROCON.

Uma reunião com os representantes da Associação Paranaense de Supermercados (APRAS), para verificar se outros produtos necessitam se restrição de compra para que não falte nos mercados da cidade.

Limpeza em ônibus

Desde a última terça-feira (17), as empresas de transporte coletivo estão intensificando a limpeza interna dos ônibus utilizados para o transporte público de Londrina.

Medidas que podem ser adotadas

Além disso, o Decreto Municipal autoriza medidas de isolamento, quarentena, determinação de realização compulsória de exames médicos, testes laboratoriais, coleta de amostras clínicas, vacinação e outras medidas profiláticas, estudo e investigação epidemiológica, requisição de novos equipamentos e serviços, em casos de necessidade para tanto.

Centro de Operações

Dependendo da evolução da situação de emergência em saúde pública de importância nacional, o Centro de Operações de Emergências em Saúde Pública (COESP) decretou que pode haver: suspensão de eventos de qualquer natureza; determinação de suspensão de atividades educacionais em todas as escolas, universidades e faculdades, das redes de ensino pública e privada; suspensão de eventos esportivos; alteração dos horários de expediente das unidades administrativas da Administração Direta e Indireta do Município de Londrina; redução do fluxo urbano; limitação de quantidade para venda de quaisquer outros bens e produtos necessários ao enfrentamento da situação; outras medidas a serem propostas pelo COESP, visando o interesse da coletividade e a proteção da vida humana.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios