Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

A representante da família imperial recebeu homenagens da comunidade nikkei; ela está no Brasil para as comemorações dos 110 anos da Imigração Japonesa

O prefeito Marcelo Belinati participou, ontem (19), da visita da princesa japonesa Mako de Akishino a Londrina. Membro da família imperial, ela veio para conhecer a cidade junto com sua comitiva, em viagem que integra a agenda de celebrações dos 110 anos da Imigração Japonesa no Brasil. A solenidade ocorreu na sede da Associação Cultural e Esportiva de Londrina (ACEL) e contou com a presença de autoridades vindas do Japão, do Cônsul Geral do Japão para o Estado do Paraná, Hajime Kimura, de gestores políticos, como deputados e vereadores, representantes de associações e entidades locais, além da comunidade em geral.

Esta é a primeira vez que a princesa Mako, de 26 anos, vem ao Brasil, onde irá percorrer 14 cidades ao todo até o dia 31 de julho. A chegada ao país ocorreu quarta-feira (18) e Londrina está sendo a primeira cidade visitada na agenda oficial. Além do Paraná, o roteiro inclui passagens pelos estados do Rio de Janeiro, São Paulo, Pará e Amazonas, para participar de atividades comemorativas feitas em alusão.

A princesa é a filha mais velha do príncipe Fumihito e da princesa Kiko de Akishino, que visitaram Londrina em outubro de 2015, durante a comemoração dos 120 anos de relações diplomáticas entre o Brasil e o Japão. Ela é neta mais velha do imperador Akihito e da imperatriz Michiko. Tem dois irmãos mais novos, a princesa Kako e o príncipe Hisahito. É sobrinha do príncipe Naruhito, o primeiro na linha de sucessão ao trono.

Na chegada à ACEL, Mako participou do plantio de uma árvore de Ipê-branco identificada com uma placa de lembrança à visita, instalada em um dos jardins de entrada do espaço. Depois, andou pelo local cumprimentando o público, incluindo paradas junto a grupos de idosos de Londrina e às autoridades presentes. Um dos momentos principais ocorreu com o ato de descerramento de uma placa fixada em pedra, formando um monumento de comemoração à visita da princesa que também assistiu uma apresentação de taiko.

Segundo o prefeito de Londrina, trata-se de uma grande honra para a cidade ter a presença da princesa Mako, uma vez que visitas oficiais e intercâmbios de experiências culturais sempre reforçam os laços de amizade entre o município e o Japão. Hoje o município mantém relação de coirmandade com as cidades japonesas de Nishinomiya e Nago. “Londrina é uma cidade muito privilegiada por ter uma das maiores colônias japonesas em todo o Brasil. A influência do Japão aqui é muito grande, desde o surgimento do município. São comerciantes, industriais, agricultores, empresários, educadores, profissionais  liberais e das mais diversas áreas que ajudaram a construir a grande Londrina que hoje temos orgulho em viver. Sinto-me muito feliz por ter conhecido a princesa Mako, que é mais uma integrante da família imperial que esteve na cidade”, frisou.

O presidente da Acel, Pedro Hiroshi Sato, disse que a tradição japonesa permeia a história e o desenvolvimento de Londrina, sendo uma das principais referências culturais da cidade. “É gratificante para Londrina ser a primeira cidade a receber a visita da princesa Mako. Nossos avós e outros familiares vieram pra cá praticamente junto com o surgimento da cidade e a tradição japonesa exerce ampla influência no perfil de Londrina. Para nós da Acel, é igualmente um grande prazer, pois somos um clube que sempre representou a comunidade nikkei, simbolizando uma referência na região com tantas atividades, eventos e trabalhos realizados em prol da população”, destacou.

Etsuko Yoshida, de 87 anos, é uma das pessoas que foram ver a chegada da princesa. Ela mora em Londrina e contou que veio com sua família para a cidade quando tinha 9 anos de idade. “Me sinto satisfeita e realizada em poder ter tido a oportunidade de acompanhar o crescimento da comunidade nipo-brasileira nessas terras e a evolução da cidade como um todo”, apontou Etsuko, que participa há cerca de três décadas das atividades do grupo de idosos da ACEL.

Renan Oliveira/NC/PML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios