Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Projeto, que será implantado na Santa Casa de Londrina, inclui um hub de inovação para desenvolver soluções que otimizem os serviços de saúde e melhorem a experiência dos usuários

Com o objetivo de viabilizar a implantação de um Centro de Tecnologia Aplicada à Saúde em Londrina, a Secretaria Municipal de Governo (SMG) promoveu, na quarta-feira (11), uma reunião com diversas organizações da cidade e do estado. O projeto discutido visa criar, no Hospital Santa Casa de Londrina, um hub de inovação destinado a conectar pesquisadores, profissionais e usuários do sistema de saúde, assim como instituições de ensino superior, entidades governamentais, empresas e startups. Dessa maneira, serão desenvolvidas soluções tecnológicas que contribuirão para otimizar os serviços de saúde e melhorar a experiência oferecida aos usuários.

Participaram do encontro o secretário municipal de Governo, Alex Canziani; o superintendente da Irmandade Santa Casa de Londrina (Iscal), Fahd Haddad; o diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, Márcio Espinosa; e a presidente do grupo Saúde Londrina União Setorial (Salus) e gerente do Instituto de Ensino, Pesquisa e Inovação da Irmandade Santa Casa de Londrina (Iepi-Iscal), Karen Fernandes.

A iniciativa, que se originou de discussões realizadas no âmbito da Governança de Saúde de Londrina (Salus), e da Iscal, conta com a participação de instituições como a Prefeitura de Londrina, a Fundação Araucária e o IFPR, entre outras.

O secretário municipal de Governo, Alex Canziani, destacou que o Município tem buscado articular novas parcerias e captar recursos para viabilizar o do projeto. Para os próximos dias, estão previstas reuniões com o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) e a Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior do Paraná.

Além disso, a deputada federal Luísa Canziani está trabalhando para obter emendas parlamentares voltadas à implementação da nova infraestrutura. “Já nos reunimos algumas vezes com o ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes, que nos comunicou a intenção de implantar, em Londrina, o Centro de Tecnologia Aplicada em Saúde. Esse é um projeto fundamental em que estão envolvidos o prefeito, o Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel), a Companhia de Tecnologia e Desenvolvimento (CTD) e diversas secretarias municipais. Nossa meta é desenvolver soluções tecnológicas, capacitar pesquisadores e profissionais de saúde e oferecer o melhor atendimento possível aos pacientes. Queremos criar um Hospital 4.0, que se torne um case inspirador para outras cidades e regiões do Brasil”, afirmou o secretário municipal de Governo.

De acordo com a gerente do Instituto de Ensino, Pesquisa e Inovação da Irmandade Santa Casa de Londrina (Iepi-Iscal), Karen Fernandes, a implantação do Centro de Tecnologia está sendo planejada com base em estudos e levantamentos referentes ao ecossistema de saúde de Londrina. “Esse trabalho é fundamentado em um mapeamento detalhado dos ativos do nosso ecossistema de saúde. Baseados nessas informações, pretendemos criar novos ambientes e desenvolver uma trilha tecnológica para a elaboração de produtos que atendam demandas dos usuários e do mercado”, frisou.

O diretor de Ciência, Tecnologia e Inovação da Fundação Araucária, Márcio Espinosa, ressaltou o potencial de Londrina para a realização dessa iniciativa, já que a cidade é um polo na área de saúde e conta com diversas instituições de referência em ensino e pesquisa. “Londrina tem uma conjuntura única no estado, incluindo vários hospitais, pesquisadores altamente capacitados, laboratórios e universidades que são um diferencial para a cidade. Além disso, é muito positivo que essa iniciativa seja liderada pela Santa Casa, que é um hospital que atende diretamente a população menos favorecida”, disse.

Ainda segundo Espinosa, a Fundação Araucária pretende colaborar com o Centro de Tecnologia mobilizando o sistema estadual de ciência e tecnologia, que é formado por sete universidades estaduais, quatro universidades federais e diversas instituições de ensino superior privadas. “Faremos essa mobilização na forma de fomento, fornecendo bolsas de pesquisa para mestrandos e doutorandos, assim como investimentos para o custeio de estudos e pesquisas”, explicou.

Também estiveram presentes na reunião o diretor-geral do Instituto Federal do Paraná (IFPR) – Campus Londrina, Marcelo Poleti; e o gerente da regional norte do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), Fabrício Bianchi.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.