Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Iniciativa regulamenta os procedimentos para que o Município firme contratos de concessão e parceria público-privada

A Prefeitura de Londrina lançou, ontgem (15), o Programa Municipal de Concessões e Parcerias, que irá viabilizar a formalização de novos contratos de concessão firmados pelo Município com a iniciativa privada. A apresentação do programa foi conduzida pelo prefeito Marcelo Belinati e o secretário municipal de Gestão Pública, Fábio Cavazotti, no auditório da Prefeitura.

Sancionada em novembro, a lei municipal n° 13.299/2021 instituiu o Programa Municipal de Concessões e Parcerias e também criou o Conselho Gestor de Parcerias do Município de Londrina. Ambos estão alinhados com a legislação federal que trata do tema e foram regulamentados pelo decreto n° 1.366, assinado pelo prefeito durante o evento.

Diferentemente das privatizações, em que o Município faz a transferência total de um bem ou serviço, o Programa Municipal prevê contratos de parcerias entre poder público e privado com prazo previamente estabelecido, nas modalidades de Concessão Comum e Parceria Público-Privada, tendo essa última as opções de concessão Patrocinada ou Concessão Administrativa.

O objetivo da Prefeitura com as parcerias e concessões é qualificar os empreendimentos e serviços públicos, otimizando seu funcionamento e gestão, gerar novos empregos e, por meio da estabilidade dos contratos, incentivar investimentos das entidades privadas na cidade.

No lançamento, o prefeito Marcelo Belinati reforçou que as futuras parcerias trarão benefícios ao poder público, aos empresários e, principalmente, para a comunidade londrinense. “O empresário vai visar lucro, e é um caminho do poder público se livrar do custo de administrar locais que temos dificuldades de fazer manutenção, e potencializar esses locais. E com isso o poder público vai ganhar, por poder focar naquilo que é o grande alvo da administração – levar qualidade de vida, desempenho, desenvolvimento, atração de indústrias e empresas, saindo desses custos”, afirmou.

A Concessão Comum trata da execução de um serviço público pela entidade privada por um período pré-determinado, sem que o poder público faça aportes financeiros. Já nas Parcerias Público-Privada (PPP), que devem ter um prazo de 5 a até 35 anos, deve ocorrer a remuneração para o setor privado, que pode ser realizada pelo usuário e complementada pelo poder público (Patrocinada), ou integralmente pelo poder público (Administrativa).

Para subsidiar uma eventual parceria, a Prefeitura deverá seguir o Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI), que é um instrumento para obter estudos, análises de viabilidade, levantamentos e investigações feitos pela iniciativa privada. “Esse momento é de ouvir ideias, entender o que o mercado está pensando e creio que é algo muito inovador, que vai colocar Londrina em outro patamar”, acrescentou o prefeito.

Esta etapa pode ser solicitada por qualquer secretaria e órgão municipal, da administração direta ou indireta, e contempla a publicação de um edital de Chamamento Público para o Município autorizar os interessados a elaborarem estudos que nortearão o processo licitatório das concessões.

No evento de ontem (15), foi divulgada a abertura de dois Procedimentos de Manifestação de Interesse (PMI) para o Terminal Rodoviário de Londrina e do Parque Daisaku Ikeda. Os editais de Chamamento Público para elaboração dos estudos estarão no Portal da Prefeitura, na página do Programa Municipal de Parcerias e Concessões, a partir do dia 3 de janeiro de 2022.

Segundo o secretário municipal de Gestão Pública, Fábio Cavazotti, essa é a etapa de modelagem, quando são feitos estudos de viabilidade para definir o melhor modelo de concessão para cada equipamento público. “Estamos lançando a PMI para a Rodoviária e o Parque Daisaku Ikeda, para que a gente ouça o mercado e como ele acha que essa concessão deve ser realizada, traga estudos de viabilidade financeira, e o Município possa optar pelo modelo que mais atender ao interesse público. Posteriormente, se passa por autorização legislativa e, aí sim, vem a etapa do edital de concessão propriamente dito”, explicou.

Há ainda a possibilidade de a própria iniciativa privada apresentar suas propostas espontaneamente, por meio da Manifestação de Interesse Privado. Essa manifestação deve ser protocolada presencialmente ou por e-mail, mediante o preenchimento de formulário on-line, e poderá resultar em um PMI. “O Município está preparado para qualquer empresa que visualize um equipamento em que tem interesse em concessão possa apresentar essa proposta. O Município vai estudar e ela poderá se transformar em um edital de concessão”, acrescentou Cavazotti.

Os projetos para futuras concessões e parcerias também podem iniciar com a Sondagem de Mercado. Esta ferramenta sistematiza de forma oficial e transparente o diálogo do poder público e entidades privadas para levantar informações voltadas ao planejamento e à estruturação desses projetos. Assim como na PMI, a Sondagem de Mercado também prevê um edital de Chamamento Público mas, neste caso, para elaboração de um plano de negócios, como estabelece o decreto n° 1.393/2021.

No evento de lançamento, foram divulgados os editais de Sondagem de Mercado para concessão do Autódromo Internacional Ayrton Senna e construção do Anexo do Centro Administrativo. O novo prédio, previsto para ocupar a área avaliada em R$18 milhões que hoje sedia o estacionamento ao lado da Prefeitura, visa comportar outras secretarias e órgãos municipais que estão alocados em imóveis fora da sede.

Os editais de Chamamento para Sondagem de Mercado do autódromo e do anexo do centro administrativo também serão publicados em 3 de janeiro, no Portal da Prefeitura. E nos dias 17 e 18 do mesmo mês, haverá a apresentação desses ativos para o setor privado.

“Nossos prazos estimados são de que, no primeiro semestre, a gente consiga fazer a modelagem desses equipamentos e a autorização legislativa. E, no segundo semestre, lançar os editais de concessão propriamente ditos. Até o final de 2022, a nossa meta é assinar os contratos para iniciar as concessões e parcerias na prática. E ao longo do ano, oportunamente, devemos lançar também novos editais”, adiantou o secretário de Gestão Pública.

Presente no lançamento do programa, o presidente do Sinduscon, Sandro Nóbrega, parabenizou a Prefeitura pela iniciativa e destacou a iniciativa com um modelo para modernização da gestão pública. “Essa é uma forma de descentralizar e ter eficiência na gestão do que é público. Chegamos em um ponto de maturidade e acredito que o momento certo é esse mesmo. O Município tem um ativo imenso para ser monetizado em prol da população, e não temos dúvidas de que empresas de fora trarão novos recursos em benefício de todos. Não temos dúvidas de que será um programa muito bem-sucedido”, frisou.

O vice-prefeito, João Mendonça, citou que foi um momento de muita felicidade assistir o lançamento do programa municipal de parcerias. “Sempre sonhei com esse modelo de governança. Desde o começo da primeira administração do prefeito Marcelo Belinati, defendo que a comunidade tem que tomar posse do que é público. E essa é uma forma de a comunidade assumir e tomar conta. O que foi colocado aqui é inovação, é preciso valorizar a equipe responsável e parabenizar por esse trabalho, porque esse padrão de administração não pode mudar. Temos que manter o desenvolvimento”, disse.

A Gerência de Concessões, Parcerias e Inovações da Secretaria Municipal de Gestão Pública (SMGP) é o setor responsável por receber e avaliar as propostas inicialmente. Se aprovadas, elas seguem para o Conselho Gestor de Parcerias, que fará nova análise e avaliação. Cabe aos conselheiros-gestores aprovar os editais de chamamento público de estudos e projetos, autorizar a abertura de licitações, conferir os relatórios de execução dos contratos, entre outras atribuições.

O Conselho é composto pelos secretários municipais de Gestão Pública; Governo; Planejamento, Orçamento e Tecnologia; presidentes do Instituto de Desenvolvimento de Londrina (Codel) e do Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Londrina (Ippul); pelo procurador-geral do Município mais o representante da pasta que for vinculada ao projeto em questão.

Dentre as autoridades presentes, também estavam os secretários municipais de Ambiente, Ronaldo Siena; Agricultura e Abastecimento, Régis Choucino; Planejamento, Orçamento e Tecnologia, Marcelo Canhada; o procurador-geral do Município, João Luiz Esteves; o chefe de Gabinete, Moacir Sgarioni; o gerente da Regional Norte do Sebrae/PR, Fabricio Bianchi; o superintendente da Acil, Rodrigo Geara; entre outros.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.