Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ação pretende recolher e encaminhar a depósito carros deixados em vias públicas, bem como dar apoio às atividades de fiscalização de trânsito

A Prefeitura de Londrina, por meio da Companhia Municipal de Trânsito e Urbanização (CMTU), iniciou nesta sexta-feira (30) o serviço de remoção de automóveis e motocicletas apreendidos em ações de fiscalização ou abandonados em vias públicas. Pela manhã, o guincho removeu o primeiro carro abandonado  das ruas de Londrina. Retirou um veículo Kombi na rua Colômbia, na Vila Brasil, região central.

Com duração prevista de 60 meses, o trabalho será executado pela Caiuá Assessoria, Consultoria e Planejamento LTDA, empresa de Joinvile/SC vencedora do processo licitatório.

Pelo mesmo contrato, a concessionária vai garantir também a implantação, operação e gestão de um depósito na cidade. Localizadas na rodovia Luiz Beraldi, n° 9855, nas proximidades da PR-445, região sul de Londrina, as instalações possuem amplo espaço livre e 3.200 metros quadrados de área construída.

O local abrigará o setor administrativo, onde funcionarão o atendimento à população e a gestão operacional, além do barracão e pátio para onde serão encaminhados veículos acidentados, motocicletas e sucatas.

O espaço tem possibilidade para receber mais de 1.000 veículos. Futuramente, conforme os prazos e medidas administrativas previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB), a construção ainda poderá servir de apoio para o leilão de objetos apreendidos.

Para o prefeito Marcelo Belinati, que foi até a sede da concessionária para conhecer o serviço, a iniciativa veio para trazer mais conforto, segurança e qualidade de vida para população. Ele afirmou que, atualmente, a cidade possui cerca de 1.200 automóveis abandonados nas ruas. Com o início das atividades de remoção, a expectativa agora é melhorar a limpeza das vias, prevenir o surgimento de focos de dengue e garantir mais proteção no trânsito.

O diretor-presidente da CMTU, Marcelo Cortez, destacou que nunca antes a ação havia sido executada em Londrina. Segundo ele, a Polícia Militar (PM), a Guarda Municipal (GM) e a própria CMTU tinham dificuldades em retirar de circulação os automóveis irregulares. No entanto, a partir de hoje o Município começa a dar uma resposta à sociedade nesse quesito.

Ele também afirmou que, “caso, infelizmente, o cidadão tenha seu carro apreendido, terá a certeza de que o bem estará em lugar seguro, com monitoramento 24h, onde serão feitas as vistorias de entrada e saída”.

Cortez destacou ainda que, para construir o processo licitatório mais adequado, a CMTU preparou estudos e buscou exemplos de outras prefeituras. “Acredito que conseguimos chegar a bom termo a fim de atender o interesse público. Esse trabalho será feito diariamente até que a gente consiga colocar a cidade em ordem”, sustentou.

Além do prefeito e o presidente da CMTU, acompanharam o início das atividades, o secretário de Defesa Social, Pedro Ramos; o comandante do 5º Batalhão da Polícia Militar, Major Nelson Villa; o diretor de Trânsito da CMTU, Major Sérgio Dalbem, além de agentes de trânsito e guardas municipais.

Contrato

Além do espaço físico, o convênio entre a CMTU e a Caiuá prevê o fornecimento de equipamentos, sistemas, pessoal e demais itens necessários para execução dos trabalhos nas condições, quantidades e exigências previamente estabelecidas.

Ao todo, a operação empregará cerca de 16 pessoas entre funcionários diretos, zeladores e vigilantes terceirizados. Para as atividades de remoção e transporte serão utilizados dois caminhões próprios, sendo um guindaste e um poliguindaste.

Para dar conta da demanda, a concessionária poderá contratar prestadores de serviço. Nesta modalidade, as empresas de guincho solicitadas pela Caiuá também terão acesso ao sistema de catalogação dos veículos.

As cláusulas da licitação estabelecem que a concessionária ficará responsável, inclusive, pela liquidação financeira e implantação de meios de pagamento eletrônico decorrentes das ações de recolhimento.

A tarifa dos serviços será divida da seguinte forma: taxa de remoção e taxa de estadia diária. Na primeira estão inclusos os custos com retirada, transporte e os trâmites necessários para a acomodação dos veículos no pátio. Já a segunda contempla, conforme a legislação, as despesas com armazenamento.

Para efeitos de cálculo, os recolhimentos têm valor unitário de R$ 92,99 para motocicletas; R$ 206,20 para automóveis de até 3,5 toneladas; R$ 263,52 para os acima de 3,5; R$ 354,42 para caminhões e ônibus e, finalmente, R$ 175, 62 para objetos diversos.

Já para a apuração das diárias são considerados valores que oscilam entre R$ 24,23 e R$ 79,75, conforme o tipo de veículo apreendido ou peça recolhida.

De acordo com as tarifas pagas à concessionária, os valores definidos em licitação serão repassados ao Município. A remuneração da terceirizada, por sua vez, será composta exclusivamente pelo montante relativo às despesas de remoção e estadia dos veículos/objetos no depósito.

Nas taxas estão incluídas as despesas com combustível, equipamentos de apoio, ferramental, de proteção individual e coletiva, alimentação, assistência médica, vale transporte, salários, encargos sociais, trabalhistas, previdenciários, entre outras.

Legislação

A escolha da empresa é decorrente da Lei n° 12.712, sancionada em junho de 2018. O texto aprovado alterou o Código de Posturas do Município, Lei nº 11.468/2011, regulamentando a atuação da CMTU nas atividades de fiscalização, apreensão, remoção, guarda e venda dos itens recolhidos.

Segundo o texto, são considerados abandonados os veículos automotores que estiverem estacionados em logradouros públicos por prazo superior a 30 dias, bem como os automóveis irrecuperáveis – com avarias capazes de inviabilizar recuperação que atenda aos requisitos de segurança necessários à circulação nas vias – deixados há mais de 10 dias.

O prazo para a caracterização do abandono tem início a partir da denúncia feita à CMTU pela população ou, ainda, doravante a constatação do abandono pelos agentes municipais.

Além de causar o acúmulo de água e lixo, favorecendo a proliferação do mosquito da dengue e de outros vetores de doenças, o despejo de carros nas ruas e avenidas pode comprometer a segurança viária e ainda dar abrigo a pessoas mal-intencionadas.

Uma vez retirados das vias, os automóveis apreendidos serão cadastrados, fotografados e ficarão sob a guarda da concessionária, na parte aberta do depósito. Já as motocicletas e veículos acidentados serão guardados no barracão do pátio.

Para que seja feita a liberação, todas as irregularidades deverão ser sanadas, o que inclui a quitação do IPVA, licenciamento, seguro obrigatório e das multas.

Se a apreensão ocorrer, por exemplo, em razão de má conservação ou falta de equipamentos obrigatórios – constatadas em ações de fiscalização – o proprietário ainda deverá proceder com a correção dos problemas.

Denúncia de veículo abandonado ou sucata
cmtu.posturas@gmail.com ou 3379-7952 / 3379-7941

Denúncia de trânsito (veículos em desacordo com o CTB)
transito@cmtu.info ou 3379-7607

Local do pátio: Rodovia Luiz Beraldi, 9855 (marginal da PR-445 – antiga estrada da Cegonha)

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.