Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Plataforma é de acesso liberado para que qualquer pessoa confira as informações oficiais atualizadas; o Mapa das Obras abrange 38 obras da zona rural e urbana, incluindo construções, revitalização, reformas e outras intervenções pela cidade

A Prefeitura de Londrina lançou, nesta semana, o inédito Mapa de Obras Públicas. A plataforma on-line permite que o cidadão acompanhe o andamento de obras de engenharia que estão em execução na cidade, e já pode ser conferido no Portal da Prefeitura. Com opção de acesso por posição geográfica ou lista, o Mapa das Obras abrange 38 obras da zona rural e urbana, incluindo construções, revitalização, reformas e outras intervenções pela cidade.

O Mapa de Obras Públicas é vinculado ao Programa de Gestão de Obras do Consórcio de Informática na Gestão Pública Municipal (CIGA). O software foi adquirido pela Prefeitura para que os fiscais da Secretaria Municipal de Obras e Pavimentação (SMOP) consigam atualizar, em tempo real, as informações referentes às obras que acompanham.

Com o CIGA Obras, após vistoriar o andamento e as execuções, os fiscais lançam os dados no sistema e, automaticamente, as informações ficam disponíveis no Mapa de Obras para que qualquer pessoa consiga conferir.

O Mapa de Obras apresenta, para cada uma das obras fiscalizadas pela SMOP, o endereço onde está localizada; data de início e previsão de término; o valor original da obra, reajustes e aumentos; percentual executado; empresa ou construtora responsável; o número do processo no Sistema Eletrônico de Informações (SEI); entre outros dados.

O diretor de Edificações Públicas da SMOP, Fernando Tunouti, explicou que a plataforma não inclui obras e serviços executados por equipe própria da Prefeitura. “É uma iniciativa que auxilia muito o cidadão. Inclusive, a placa de identificação das obras contém um QR Code que, ao ser acionado pelo celular, direciona para o site do Mapa com todos esses dados públicos em fácil acesso”, complementou.

Além de possibilitar o Mapa de Obras Públicas, a utilização do CIGA Obras também trouxe mais agilidade nos trâmites de fiscalização. “Antes, após fazer a vistoria de campo, o fiscal preenchia uma planilha de Excel bem extensa. Já o sistema atual é arquivado na nuvem e pode ser acessado de qualquer lugar. Ele também traz um Diário de Obras, preenchido dia a dia pela construtora, para o fiscal conferir como está o trabalho sem precisar se deslocar com tanta frequência. É algo que trouxe muita agilidade para a gestão de obras da Prefeitura”, afirmou o diretor da SMOP.

Para o secretário municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia, Marcelo Canhada, o Mapa de Obras atende a uma demanda da sociedade por mais transparência nos dados públicos. “O cidadão, hoje em dia, é muito mais crítico e quer saber onde o dinheiro dos impostos está sendo utilizado. Londrina já é a cidade mais transparente do Brasil, e esse novo mapa vai agregar muito mais a essa transparência”, frisou.

Canhada acrescentou que outro ganho da plataforma é permitir que os londrinenses saibam o que está acontecendo em diversos bairros e distritos. “Tem muitas pessoas que moram em uma região e não fazem ideia do que está acontecendo em outra área da cidade. Esse Mapa vai democratizar o acesso à informação, e o londrinense vai se entusiasmar mais ainda pela cidade em que vive ao contemplar a quantidade grande de obras que estamos fazendo, em todas as regiões. Desde distritos, bairros periféricos, centro da cidade, conjuntos habitacionais: as obras estão distribuídas por toda Londrina”, comentou.

A implementação do CIGA Obras e do Mapa de Obras Públicas no Município teve participação direta da Diretoria de Tecnologia de Informação (DTI), da Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Tecnologia (SMPOT).

O diretor da pasta, Márcio Horaguti, reforçou que os sistemas foram integrados ao banco de dados da Prefeitura em uma iniciativa disruptiva. “Nosso antigo painel para acompanhamento de obras era defasado tecnologicamente. O Mapa usa conceitos e itens como geolocalização, QR Code, tem vinculação ao Sistema SEI, entre outras coisas. É um trabalho que reúne informação e tecnologia, resultando em transparência para o cidadão”, concluiu.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios