Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ação realizada em parceria com o Hoftalon pretende atender até abril, cerca de 4.000 pacientes que estão em fila de espera

A Prefeitura de Londrina lançou, ontem (6), novo mutirão de cirurgias de catarata. A previsão é atender 1.200 pacientes que, atualmente, estão na fila de espera pelo procedimento, mediante investimentos de R$1,1 milhão em recursos públicos. A ação é desenvolvida por meio da Secretaria Municipal de Saúde e tem parceria com o Hospital de Olhos de Londrina (Hoftalon).

Para lançar o mutirão e autorizar o aporte de recursos, o prefeito Marcelo Belinati esteve no Hoftalon ontem (6), acompanhado do secretário municipal de Saúde, Felippe Machado. Eles foram recebidos pelo fundador do Hoftalon, o oftalmologista Nobuaqui Hasegawa, e pelo presidente do Conselho Administrativo do hospital, o doutor Luiz Soares Koury.

O prefeito lembrou que esta será a terceira etapa do mutirão de cirurgias de catarata. As fases anteriores foram lançadas em 2018 e 2019. “Depois de operarmos mais de dez mil pessoas, hoje iniciamos mais uma etapa do mutirão para zerar a fila de cirurgias e atender essas pessoas, que estão com muita dificuldade para enxergar”, citou.

Marcelo destacou que o procedimento cirúrgico para a catarata é rápido, sendo que a doença afeta muito a rotina do paciente. “Esse é um trabalho importante que começamos quando entrei na Prefeitura, em 2017. A gente identificou milhares de londrinenses aguardando na fila pela cirurgia de catarata, que é uma cirurgia muito simples. Muita gente cega ou sem enxergar bem, à espera por uma cirurgia que dura cerca de dez minutos. E por isso iniciamos os mutirões de cirurgias de várias especialidades, inclusive de catarata”, detalhou.

Segundo o secretário municipal de Saúde, Felippe Machado, os pacientes já passaram pelas consultas médicas, fizeram os exames que comprovam a necessidade da cirurgia e, agora estão sendo convocados pelo hospital para fazerem os exames preliminares para agendarem o procedimento. “Tão logo esses pacientes sejam operados, investiremos ainda mais recursos para essa ação. Nossa estimativa é que, até abril, cerca de quatro mil londrinenses façam a cirurgia de catarata, algo tão seguro e rápido que traz muita qualidade de vida. Muitos idosos perderam sua autonomia, a condição de fazer coisas básicas do dia a dia pela dificuldade em enxergar. Mas com o mutirão de cirurgias, o cidadão londrinense vai recuperar sua saúde e conforto”, frisou.

Acompanhando os primeiros atendimentos do mutirão de cirurgia de cataratas, o secretário municipal de Saúde citou que a meta é zerar a fila atual de esperas pelo procedimento. “É uma maneira muito abençoada de começarmos o ano de 2022. Já constava no planejamento da SMS a realização de vários mutirões de cirurgias, que foram iniciados em 2017 mas que, por conta da pandemia, tivemos que interromper. Agora, em 2022, muitos dos nossos esforços serão voltados aos mutirões de cirurgias, exames, para agilizar e zerar as filas de espera, dar suporte e dignidade a esses pacientes. E nosso sentimento é de felicidade, uma vez que no Hoftalon teremos condições de zerar a fila de espera por cirurgias de catarata em Londrina”, comentou.

Dentre os pacientes que foram convocados pelo Hoftalon, e que já têm indicação para passar pelo procedimento, estava Lourival Aparecido Santos, de 63 anos, morador do Jardim Cafezal I. Aguardando há cerca de cinco meses pela consulta com o especialista, ele confirmou ter muita expectativa pelo resultado da cirurgia. “Do olho esquerdo já não enxergo quase nada. E não consigo nem andar direito; sou aposentado e fazia pequenos trabalhos, mas por causa da catarata não consigo. Não tenho medo de operar, preciso e quero fazer, não posso mais ficar nessa situação”, disse.

Outro paciente à espera do resultado dos exames era Jorge Alves de Andrade, com 77 anos e residente do Jardim Santa Rita IV. Após ter operado o olho direito por catarata, em janeiro de 2021, ele pretende operar também o olho esquerdo. “Desde abril do ano passado estou esperando, porque preciso melhorar essa visão. Depois que operei o olho direito, estou quase 100%. Na época eu não conseguia nem enxergar o celular, hoje consigo acessar meu Facebook, ver as fotos e mensagens. Mas como o esquerdo está um pouco ruim, vamos torcer para poder fazer a cirurgia nele também”, torceu.

O oftalmologista e fundador do Hoftalon, Nobuaqui Hasegawa, explicou que a cirurgia é o tratamento mais recomendado e eficaz para os pacientes que sofrem com catarata. “Quando a lente do olho, o cristalino, perde sua transparência e fica opaca, chamamos de catarata, porque começamos a enxergar embaçado e cada vez menos. Praticamente toda pessoa terá porque é natural do envelhecimento e característico da população acima dos 50 ou 60 anos. E é algo que diminui muito a qualidade de vida, porque a idade nos traz dificuldades de audição, de locomoção, imagina sem a visão. Atrapalha demais e por isso é tão importante operar porque, sem outras doenças associadas, após a cirurgia a pessoa recupera completamente a visão”, comentou.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.