Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

O material foi organizado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) com colaboração de 70 de pesquisadores de diversas universidades do país, técnicos do Ministério e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

O professor da Universidade Estadual de Londrina (UEL) Edilson Serpeloni Cyrino, do Departamento de Educação Física, do Centro de Educação Física e Esporte (Cefe), é um dos responsáveis pela elaboração do Guia de Atividade Física para a População Brasileira (51 páginas, 2021) lançado recentemente pelo Ministério da Saúde.

O material foi organizado pela Universidade Federal de Pelotas (UFPel) com colaboração de 70 de pesquisadores de diversas universidades do País, técnicos do Ministério e da Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Cyrino coordenou a área de atividade física para a população idosa, especialidade do docente nas pesquisas conduzidas no Laboratório de Metabolismo, Nutrição e Exercício e no projeto Envelhecimento Ativo, que fica no Cefe. “Somos o laboratório que mais publica sobre mulheres idosas, representa 7% das publicações do mundo”, diz.

Ele ressalta que contribuir com a criação desse instrumento mostra a importância da universidade para a sociedade e indica que "aquilo que se produz tem valia para que a sociedade melhore”.

Guia

Elaborado com linguagem simples e acessível, direcionado especificamente para toda a população brasileira, o material traz orientações sobre atividades físicas para diversas idades, desde bebês até idosos. São oito capítulos, sendo o primeiro sobre domínios da atividade física e os demais divididos por populações.

“A pesquisa evidencia que a atividade física atua no controle de doenças e na promoção da saúde. Pessoas mais ativas utilizam menos o sistema de saúde”, afirma o professor. “Prevenir é muito mais importante do que tratar”.

Para a elaboração, Edilson conta que foram analisados guias internacionais, realizadas entrevistas com a população e gestores municipais, e ainda aberta consulta para o público em geral. “Com a experiência dos outros, montamos o melhor material. A vantagem é que o nosso guia analisou o país com todas as nossas diversidades”, destaca.

O professor explica que foram levadas em conta todas as diferenças socioculturais do Brasil. "É diferente quem mora em Londrina e em cidade praiana, por exemplo”. Por este motivo, ele defende a importância da contribuição de pesquisadores de diversas partes de País.

A previsão do Ministério da Saúde é que 74 mil exemplares do guia sejam impressos e distribuídos gratuitamente para estados e municípios. O material também estará disponível em áudio, braile, inglês e espanhol.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.