Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Ações oferecidas pelas repúblicas e demais unidades de acolhimento incluem passeios, sessão de cinema e tarde na piscina

Com o objetivo de promover a cidadania, a inclusão social e recuperar os vínculos com a comunidade, as unidades de acolhimento da Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) estão promovendo várias atividades especiais para os acolhidos. As ações incluíram passeios em pontos turísticos, visitas às decorações de Natal instaladas pela Prefeitura e entidades parceiras, além de uma tarde de lazer na piscina. E nesta terça-feira (28), os acolhidos da República Moderada Masculina vão poder desfrutar de uma sessão de cinema gratuita, no Boulevard Londrina Shopping.

Os 26 ingressos foram doados para os acolhidos da República de Supervisão Moderada Masculina, coordenada pelo Ministério de Missões e Adoração (MMA) mediante convênio com o Município. A sessão começará às 19h30 e o transporte será feito com ônibus cedido pela SMAS.

Ao todo, Londrina conta com treze unidades de acolhimento institucional mantidas pela Prefeitura por meio de convênios com entidades parceiras. Nesta época em que são comemoradas as festas de final de ano, muitos dos adultos, crianças ou adolescentes acolhidos nessas instituições têm a oportunidade de vivenciar experiências pela primeira vez. “Quando anunciamos esse programa, muitos deles nos contaram que há muito tempo que não iam ao cinema e outros disseram que nunca chegaram a ir”, comentou a coordenadora das Repúblicas de Supervisão Leve e Moderada pelo MMA, Adriana Azevedo.

Azevedo, que também é assistente social, explicou que essas atividades estimulam a convivência comunitária e a cidadania. “É um público mais adulto, em processo de superação das ruas e muitos já passaram por outras unidades institucionais. Eles estão seguindo a Trilha da Cidadania em busca da vida autônoma, e nosso intuito é que eles se reinsiram na sociedade, pois muitos não se sentem nem no direito de frequentar um lugar como esse”, citou.

No Natal, a República Masculina de supervisão moderada realizou uma ceia e a previsão é uma nova edição para o ano-novo. “É algo muito gratificante para nós, gestores do serviço, porque cobramos muito deles para que desenvolvam sua autonomia. Proporcionar um momento de lazer é gratificante e necessário, a vida precisa de deveres e também de diversão. Este ano de 2021 foi pesado, nos deixou muito inseguros, mas queremos fechar com descontração e buscar energia para encarar 2022. Aceitamos doações e serão todas muito bem-vindas”, frisou.

A secretária municipal de Assistência Social, Jacqueline Marçal Micali, reforçou a importância de integrar os acolhidos nas diferentes opções de lazer que a cidade oferece. “Essas ações são para, de fato, promover o pertencimento, especialmente nessa época de final de ano. Os enfeites e luzes são uma sensação e estão fazendo sucesso, mas por eles serem acolhidos muitas vezes não têm condições de visitar. Então colocamos o ônibus da SMAS à disposição para levá-los, pois é uma forma de motivar a cidadania e promover a inclusão social, o que surte muitos efeitos positivos”, detalhou.

Estrutura 

Nas trezes unidades de acolhimento institucional que a Prefeitura mantém, por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social, são disponibilizadas 281 vagas. E a Trilha da Cidadania, composta por todos esses serviços com base no nível de vulnerabilidade do acolhido, engloba desde as unidades de porta de entrada, que são as casas de passagem, até os acolhimentos institucionais e repúblicas.

Além das pessoas que se encontram em situação de rua, o serviço de Acolhimento Institucional também atende pessoas com deficiência que são dependentes e não possuem retaguarda familiar. Para estes casos, o Município disponibiliza três residências inclusivas.

As repúblicas se diferenciam pelo tipo de supervisão necessária, que pode ser moderada ou leve. A gerente do Serviço de Alta Complexidade da SMAS, Ligia Fukahori, explicou que a supervisão moderada inclui um educador que fica 24 horas por dia no local mais o acompanhamento psicossocial. Na supervisão leve, não há a presença do educador, e as visitas da psicóloga e assistente social ocorrem semanalmente.

Para a gerente de Alta Complexidade da SMAS, o trabalho essencial do acolhimento é reaproximar e fortalecer os vínculos do indivíduo com a sociedade. “Essas ações e atividades são uma forma de resgatar a cidadania, e não só na época de Natal e ano-novo, pois é algo fundamental para o acolhimento e a recuperação do indivíduo. Não precisa acontecer, obrigatoriamente, um resgate familiar, mas precisa ter um resgate comunitário e social. Somos seres sociais e precisamos desse convívio, que é um direito, uma necessidade do ser humano e uma premissa da Política de Assistência Social”, completou.

NCPML

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.