Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Projeto que abrange Londrina e região envolve estudantes e professoras. Objetivo é difundir e dar visibilidade aos negócios para ampliar a comercialização e a renda, que foi prejudicada pela pandemia.

Professoras e estudantes da Universidade Estadual de Londrina (UEL) iniciaram neste mês o projeto de extensão Mulheres Fazem, Mulheres Vendem, que tem o objetivo de difundir e dar visibilidade a pequenos negócios organizados por empresárias e empreendedoras de Londrina e região. A intenção é melhorar a comercialização e, consequentemente, a renda familiar afetada pela pandemia.

O projeto começa com a divulgação destes pequenos negócios em um site e redes sociais, nos quais é possível conhecer parte da produção das empresárias. 

Segundo a professora Silvana Mariano, do Departamento de Ciências Sociais –Centro de Letras e Ciências Humanas – uma das coordenadoras do projeto de extensão, a iniciativa começa atendendo a nove negócios, pertencentes a um grupo de 13 mulheres. Entre os empreendimentos estão produção de roupas e enxoval infantil, artesanato, decoração e produtos de beleza.

A sondagem realizada pelo grupo apontou que existe um grande volume de iniciativas feita por mulheres na área de cosméticos e beleza e ainda no artesanato e alimentação.

A professora explica que o projeto é como um apoio a essas mulheres na realização de suas atividades para geração de renda ou complemento da renda familiar. A proposta busca dar visibilidade para estes pequenos negócios, incentivando novos consumidores a priorizarem ou fazer uso destes produtos e serviços.

Em uma segunda fase, explica a professora, as integrantes do projeto pretendem organizar oficinas e treinamentos para que as empresárias possam aprender técnicas e ferramentas de mídia social.

O projeto conta com professores e estudantes de Ciências Sociais, Serviço Social, Psicologia, Enfermagem e Saúde Coletiva. Também apoiam a iniciativa representantes do poder público como o Centro de Economia Solidária, Conselho Municipal dos Direitos das Mulheres e as Secretarias de Política para as Mulheres e de Assistência Social de Londrina.

Renda Complementar

A artesã Marcia Fidelis é uma das empreendedoras beneficiadas pelo projeto. Há 13 anos ela fabrica em casa enxovais para bebês, mantas, cobertores, babadores e demais produtos personalizados. Márcia explica que antes da pandemia era possível faturar cerca de um salário mínimo/mês, renda que ficou bastante comprometida desde o início do isolamento social, em março do ano passado.

Segundo ela, o cenário antes da pandemia permitia que os artesãos participassem de feiras e exposições de produtos do gênero. Com a necessidade do isolamento social, estas oportunidades de eventos foram adiadas, prejudicando vendas e o ganho.

 “Hoje eu vivo de encomenda de mantas, cobertores. São produtos bordados a mão, de forma personalizada”, explica Márcia. A expectativa é que o apoio do projeto Mulheres Fazem, Mulheres Vendem possa ajudar a recuperar clientes, a partir da projeção do trabalho para um público maior.

Empresárias interessadas em participar do projeto podem procurar o perfil nas redes sociais e os acadêmicos da UEL.

AEN

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.