Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Nos encontros, os participantes aprendem e discutem sobre temas ligados à autonomia e protagonismo de vida

Com o objetivo de desenvolver as habilidades sociais e emocionais de adultos e adolescentes que estão em acolhimento institucional, a Secretaria Municipal de Assistência Social (SMAS) realiza o Projeto de Vida. Lançado em julho deste ano, 60 acolhidos já participaram dos encontros, que utilizam jogos e brincadeiras para estimular a reflexão sobre temas importantes e a expressão de sentimentos.

A secretária da pasta, Jacqueline Marçal Micali, considera o projeto inovador, e afirmou que já apresenta bons resultados. “No acolhimento institucional, cada pessoa chega com inúmeras situações, que podem ser objetivas e subjetivas. Mostrar essa oportunidade, de construção do seu projeto de vida a partir dos próprios desejos e anseios, e sair da condição que ela se encontra nesse momento, é oportunizar de que ela seja protagonista de sua história”, destacou.

Para Micali, o Projeto de Vida prevê as situações externas que interferem na vida do acolhido, e que por isso são articuladas pela equipe da rede socioassistencial. “Esse projeto vem para despertar sonhos, desejos e dar forças ao acolhido, para que se veja como um sujeito de direitos e entenda que esse processo de retorno aos vínculos familiares, ao trabalho, à sua vida, depende muito dele. As ações externas influenciam, mas depende também de ele se posicionar para conseguir superar o momento que está passando”, enfatizou.

Os encontros do Projeto de Vida são semanais e conduzidos pela psicopedagoga da Secretaria Municipal de Educação e cedida para a SMAS, Luzimar Mazetto. Ela explicou que o grande desafio da proposta é despertar, nos acolhidos, a autonomia e o protagonismo, possibilitando um recomeço de vida. “O objetivo é que eles estabeleçam um projeto de vida para si mesmo, pensando em novas possibilidades e novos caminhos a trilhar”, contou.

Ao todo, são nove encontros que, por conta da alta rotatividade de acolhidos nas instituições, têm ocorrido de forma contínua. Em cada reunião, participam 10 pessoas, em média. “Em cada encontro, com duração de uma hora e meia, abordamos temas construídos de acordo com o propósito do desenvolvimento das habilidades socioemocionais e projeto de vida”, citou a psicopedagoga.

Os assuntos e temas discutidos são: crenças e expectativas pessoais; habilidades pessoais; projeto de vida; comunicação e ação; liderança pessoal; possibilidades e limitações; lemas e paradigmas; o meu lugar e o lugar do outro; e feedback pessoal e coletivo.

Segundo Mazetto, ter autonomia e ser protagonista da própria história significa tornar o indivíduo responsável por si mesmo. “Embora a SMAS tenha hoje o papel de rede de apoio, essa pessoa se potencializa como ser humano, passa a perceber que é capaz, através das habilidades que descobre em si mesmo. E isso faz toda a diferença na trajetória”, frisou

Nas edições do Projeto de Vida, todos os acolhidos pela instituição são convidados a participar, e a adesão tem sido alta. “As dinâmicas realizadas envolvem o lúdico, como jogos e brincadeiras, e, posteriormente, uma reflexão”, comentou a profissional.

No final dos encontros, é reservado um momento para retorno pessoal e coletivo. Essa ação busca que cada participante considere a importância do tema para a própria vida, bem como a possibilidade de aplicar o conteúdo no cotidiano pessoal.

NCPML

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios