Digite pelo menos 3 caracteres para uma busca eficiente.

Atividade resgata tradições da área rural da cidade por meio de uma rádio do WhatsApp e com a criação uma horta comunitária

O projeto Estação ZN, desenvolvido pelo Marista Escola Social Ir Acácio, localizado no Conjunto João da Paz, recebeu o Prêmio Sesi ODS 2021 na categoria Organização da Sociedade Civil. O projeto tem como objetivo promover o senso de comunidade e a divulgação de informações sobre o bairro por meio de um podcast no WhatsApp. A ação, que foi criada durante a pandemia da covid-19, já resultou em inúmeros programas informativos e até na manutenção de uma horta comunitária.

A escola social, que atende gratuitamente crianças e adolescentes, acredita que o reconhecimento é um incentivo para a continuidade. “É sempre bom poder inspirar mais iniciativas e nos preparar para a continuidade dos projetos. O prêmio veio para celebrar os esforços da atividade que foi essencial para nossos alunos, já que nos aproximou e minimizou os impactos que a pandemia da covid-19 trouxe, sobretudo nas áreas mais vulneráveis”, explica Lais Novaes, coordenadora do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos.

O Prêmio Sesi ODS é uma oportunidade de reconhecimento para indústrias, empresas, instituições de ensino públicas e organizações da sociedade civil que estão atuando em prol dos ODS. O projeto desenvolvido pelos professores Geovane Sgabanasse e Odete Barbosa teve início no ano passado, enquanto as crianças estavam no ensino remoto e recebiam as atividades em casa.

 “A nossa ideia é recriar o senso de comunidade a partir do resgate histórico da zona norte de Londrina. Esta região é herdeira de uma cultura rural, cafeeira, onde o rádio foi um importante meio de comunicação, uma companhia. Assim, no contexto de atendimento remoto que se deu com a criação de grupos de whatsapp e a entrega de kit pedagógico, a Radiozap se tornou uma metodologia acessível aos educandos e famílias que muitas vezes não dispõe de Internet e computador em suas residências”, reforça Odete.

O meio se tornou eficaz para construir aprendizagem e superar o distanciamento social. Com o tempo, a participação se tornou ainda mais efetiva. “Os estudantes foram se apropriando totalmente do processo, sugerindo músicas, receitas, histórias e até temas para realizarmos os podcasts. Toda pauta é discutida com eles, que participam ativamente das gravações”, revela Geovane.

Tradições e a horta comunitária

O projeto que conta com a participação de estudantes de 6 a 9 anos, tem atuação efetiva das famílias, que também buscam informações por meio das atividades. Pensando nisso, e no reconhecimento de uma cultura rural ainda presente na comunidade, a horta escolar foi transformada em uma horta comunitária. “O cultivo de hortaliças conta com a contribuição das famílias, que agendam seus momentos na horta para cultivar os canteiros, plantar e colher”, reforça Geovane.

A atividade também proporciona o reconhecimento das raízes e tradições do povo, a construção de novos caminhos solidários e sustentáveis. “Podemos contribuir para o enfrentamento do empobrecimento, desemprego e fome devido à pandemia com uma solidariedade socioambiental e a sustentabilidade”, reforça Odete.

Nos próximos meses as atividades incluem o aumento da horta comunitária e um mutirão para organização, plantio e colheita das famílias da região.

Nathalie Maia/Marista Escolas Sociais

#JornalUnião

Comentários:

Seja o primeiro a comentar!


Deixe seu comentário:

Aceita receber as novidades do Jornal União em seu e-mail?
* todos os campos são obrigatórios

Utilizamos cookies e coletamos dados de navegação para fornecer uma melhor experiência para nossos usuários. Para saber mais os dados que coletamos, consulte nossa política de privacidade. Ao continuar navegando no site, você concorda integralmente com os termos desta política.